sexta-feira, 7 de junho de 2013

cap.7

O primeiro que notei foi o cheiro: couro, madeira e cera com um ligeiro aroma de limão. É muito agradável, e a luz é tênue, sutil. Na realidade não vejo de onde sai, de algum lugar junto ao teto e emite um resplendor ambiental. As paredes e o teto eram de cor vinho escuro, o que dava à espaçosa sala um efeito uterino e o chão era de madeira envernizada muito velha. Na parede, de frente para a porta, havia um grande X de madeira, de mogno muito brilhante, com argolas nos extremos para ficar seguro. Por cima havia uma grande grade de ferro suspensa no teto, com no mínimo de dois metros quadrados, da qual se penduravam todo o tipo de cordas e algemas brilhantes. Perto da porta, dois grandes postes reluzentes e ornados, como balaústres de um parapeito, porém maior, estavam pendurados ao longo da parede como cortinas. Deles pendiam uma impressionante coleção de varas, chicotes e curiosos instrumentos com plumas. 
Junto à porta havia um móvel de mogno maciço com gavetas muitas estreitas, como se estivessem destinados a guardar amostras de um velho museu. Por um instante me perguntei o que havia dentro. Quero saber?  No canto do fundo vejo um banco acolchoado de couro de cor vermelha, e junto à parede, uma estante de madeira onde parecia guardar tacos de bilhar, mas um observador atento descobriria que continha varas de diversos tamanhos e grossura. No canto oposto havia uma sólida mesa de quase dois metros de largura, de madeira brilhante com pernas talhadas e debaixo, dois tamboretes combinando.
Mas o que dominava o quarto era uma cama. Era maior que as camas de casal, com dossel de quatro postes talhados no estilo rococó. Parecia de finais do século XIX. Debaixo do dossel via mais correntes e algemas reluzentes. Não havia roupa de cama… apenas um colchão coberto com um lençol vermelho e várias almofadas se seda vermelha em um extremo.
A uns metros dos pés da cama havia um grande sofá Chesterfield, colocado no meio da sala, de frente para a cama. Estranha distribuição… isso de colocar um sofá de frente para a cama. E sorri comigo mesmo. Parecia raro o sofá, quando na realidade era o móvel mais normal de toda a sala. Levantei os olhos e observei o teto. Estava cheio de mosquetões, a intervalos irregulares. Perguntei-me, por um segundo, para que serviam. Era estranho, mas toda esta madeira, as paredes escuras, a tênue luz e o couro vermelho, faziam com que o quarto parecesse doce e romântico… Era qualquer coisa menos isso. Era o que Joseph entendia por doçura e romantismo.
 Girei e ele estava olhando-me fixamente, como supunha, com uma expressão impenetrável. Avancei pela sala e me seguiu. As plumas tinham me intrigado. Decidi tocá-las. Era como um pequeno gato de noves rabos, porém mais grosso e com pequenas bolas de plástico nos extremos.

— É um chicote de tiras. — Joseph disse em voz baixa e doce.

Um chicote de tiras... Nossa. Acredito que estou em estado de choque. Meu subconsciente sumiu, ficou mudo ou simplesmente morreu. Estou paralisada. Posso observar e assimilar, mas não articular o que sinto diante de tudo isso, porque estou em estado de choque. Qual é a reação adequada quando descobre que seu possível amante é um sádico ou um masoquista total? Medo... sim... essa parece ser a sensação principal.  Agora percebo. Mas não dele. Não acredito que me machucaria. Bom, não sem meu consentimento. Várias perguntas nublaram minha mente. Por quê? Como? Quando? Com que frequência? Quem? Aproximei-me da cama e passei a mão por um dos postes. Era muito grosso e o talhe era impressionante.

— Diga algo — Pediu Joseph com um tom enganosamente doce.
— Faz com as pessoas ou fazem com você?

Franziu a boca, não sabia se divertido ou aliviado.

— Pessoas? —Piscou um par de vezes, como se estivesse pensando o que responder. — Faço com mulheres que querem que o faça.

Não entendo.

— Se tem voluntárias dispostas a aceitá-lo, o que faço aqui?
— Porque quero fazê-lo com você, desejo.
— Oh.

Fiquei com a boca aberta. Por quê?
Fui para o outro canto do quarto, passei a mão pelo banco acolchoado, até a cintura e deslizei os dedos pelo couro. Gosta de machucar as mulheres. A ideia me deprimia.

— É um sádico?
— Sou um Amo.

Seus olhos cinza ficaram abrasadores, intensos.

— O que significa isso? — Perguntei com um sussurro.
— Significa que quero que se renda a mim, em tudo, voluntariamente.

Olhei com o cenho franzido, tentando assimilar a ideia.

— Porque faria algo assim?
— Para satisfazer-me. — Murmurou inclinando a cabeça.

Vejo que esboçou o sorriso.
Satisfazer-me! Quer que o satisfaça! Acho que fiquei com a boca aberta. Satisfazer Joseph Jonas. E nesse momento percebo que sim, que é exatamente o que quero fazer. Quero que ele desfrute comigo. É uma revelação.

— Digamos, em termos muito simples, que quero que queira me satisfazer.  — Disse em voz baixa, hipnótica.
—Como tenho que fazer?

Senti a boca seca. Queria que tivesse mais vinho. Certo, entendo o de satisfazê-lo, mas o quarto de tortura isabelino me deixou desconcertada. Quero saber a resposta?

— Tenho normas e quero que as aceite. São normas que te beneficiam e me proporcionam prazer. Se cumprir essas normas para satisfazer-me, te recompensarei. Se não, te castigarei para que aprendas. — Sussurra. Enquanto fala comigo, olho para a estante de varas.
— E em que momento entra em jogo tudo isso? — Pergunto apontando com a mão ao redor do quarto.
— É parte do pacote de incentivos. Tanto da recompensa como do castigo.
— Então desfrutará exercendo sua vontade sobre mim.
— Se trata de ganhar sua confiança e seu respeito para que me permita exercer minha vontade sobre ti. Obterei um grande prazer, inclusive uma grande alegria, caso você se submeta. Quanto mais se submeter, maior será minha alegria. A equação é muito simples.
— Certo, e o que eu ganho de tudo isso?

Encolheu os ombros no que pareceu um gesto de desculpa.

—A mim. — Limitou-se a responder.
Deus meu… Joseph me observava passar a mão pela vara.
— Demetria, não tem maneira de saber o que pensa. — Murmurou nervoso. – Vamos voltar para baixo, assim poderei me concentrar melhor. Desconcentro-me muito contigo aqui.

Estendeu uma mão, mas não sabia se agora queria segurá-la.
Miley disse que era perigoso e tinha muita razão. Como ela sabia? Era perigoso para minha saúde, porque sabia que iria dizer que sim. E uma parte de mim quer gritar e sair correndo por este quarto e tudo o que representa. Sinto-me muito desorientada.

— Não vou te machucar, Demetria.
Sabia que não estava mentindo. Segurei sua mão e saí com ele do quarto.
— Quero mostrar algo, se por acaso aceitar.

Em lugar de descer as escadas, girou a direita do quarto de jogos como ele o chamava e avançou pelo corredor. Passamos junto a várias portas até chegarmos à última.  Do outro lado havia um dormitório com uma cama de casal. Tudo era branco… tudo: os móveis, as paredes, a roupa de cama. Era limpa e fria, mas como uma vista preciosa de Seattle desde a janela de cristal.
— Este será seu quarto. Pode decorá-lo a seu gosto e ter aqui o que quiser.
— Meu quarto? Espera que venha viver aqui? — Pergunto sem poder dissimular meu tom horrorizado.
— Viver não. Apenas, digamos, de sexta à noite até a noite de domingo. Temos que conversar sobre o tema e negociar. — Acrescentou em voz baixa e duvidosa.
— Dormirei aqui?
— Sim.
— Não contigo.
—Não. Já disse. Eu não durmo com ninguém. Apenas contigo quando se embebedou até perder o sentido. — Disse em tom de reprimenda.
Aperto meus lábios. Há algo que não se encaixa. O amável e cuidadoso Joseph, que me resgata quando estou bêbada e me segura amavelmente enquanto vômito e o monstro que tem um quarto especial cheio de chicotes e algemas é o mesmo?
— Onde você dorme?
— Meu quarto está abaixo. Vamos, deve sentir fome.
— É estranho, mas acho que perdi a fome. — Murmurei sem vontade.
— Tem que comer Demetria. — Chamou minha atenção.
Segurou minha mão e voltamos para o andar de baixo.
De volta para o salão incrivelmente grande, me senti inquieta. Estou à borda de um precipício e tenho que decidir se quero saltar ou não.
— Sou totalmente consciente de que estou indo por um caminho escuro, Demetria, e por isso quero de verdade que pense bem. Com certeza tem coisas para perguntar-me. — Disse soltando minha mão e dirigindo-se com passo tranquilo para a cozinha.
Eu tenho. Mas por onde começo?
— Assinou um acordo de confidencialidade, assim que pode perguntar o que quiser e responderei.
Estou junto à bancada da cozinha e observo como abre a geladeira e tira um prato de queijo com dois enormes cachos de uva brancas e vermelhas. Deixa o prato sobre a mesa e começa a cortar o pão.
— Sente-se. — Disse apontando um banco junto à bancada.
Obedeço a sua ordem. Se vou aceitar, terei que me acostumar. Percebo que se mostrou dominante desde que o conheci.
— Falou sobre os papéis.
— Sim.
— A que se refere?
— Bom, além do acordo de confidencialidade, há um contrato que especifica o que faremos e o que não faremos. Tenho que saber quais são seus limites, e você tem que saber quais são os meus. Trata-se de um consenso, Demetria.
— E se não quiser?
— Perfeito. — Responde com prudência.
— Mas, não teremos nenhuma relação? — Pergunto.
— Não.
—Por quê?
— É esse o único tipo de relação que me interessa.
— Por quê?
Encolheu os ombros.
— Sou assim.
— E como chegou a ser assim?
— Por que cada um é como é? É muito difícil saber. Porque uns gostam de queijo e outros odeiam? Você gosta de queijo? A senhora Jones, minha governanta deixou queijo para o jantar.
Tirou dois grandes pratos brancos de um armário e colocou diante de mim.
E agora começamos a falar sobre queijo… maldição…
— Que normas tenho que cumprir?
— Tenho por escrito. Veremos depois de jantar.
Comida… Como vou comer agora?
— De verdade, não tenho fome. — Sussurrei.
— Vai comer — Se limitou a responder.
O dominante Joseph. Agora está tudo claro.
— Quer outra taça de vinho?
— Sim, por favor.
Serviu-me outra taça e sentou a meu lado. Dei um rápido gole.
— Fará bem comer, Demetria.
Peguei um pequeno cacho de uvas. Com isto sim, que posso. Ele revirou os olhos.
— Faz muito tempo que está nisso? — Perguntou.
— Sim.
— É fácil encontrar mulheres que aceitem?
Ele olhou e levanto uma sobrancelha.
— Ficaria surpresa. — Respondeu friamente.
— Então, porque eu? De verdade, não entendo.
—Demetria, já te disse. Tem algo. Não posso me afastar de você. — Sorriu ironicamente. — Sou um pássaro atraído pela luz. — Sua voz ficou trêmula. —Te desejo com loucura, especialmente agora, quando morde os lábios. — Respirou fundo e engoliu.

O estomago dava voltas. Deseja-me... de uma maneira rara... é verdade, mas este homem bonito, estranho e pervertido me deseja.

— Acho que inverteu este clichê. — Respondi.
Eu sou o pássaro e ele a luz e vou me queimar. Eu sei.
— Coma!
— Não. Ainda não assinei nada, assim, acho que farei o que quiser, se não se importa.
Seus olhos se acalmaram e seus lábios esboçaram um sorriso.
— Como quiser senhorita Lovato.
— Quantas mulheres? — Perguntei de uma vez, com muita curiosidade.
— Quinze.
Nossa, menos do que pensava.
— Durante longos períodos de tempo?
— Algumas sim.
— Alguma vez machucou alguma?
— Sim.
Maldição!
— Grave?
— Não.
— Me machucaria?
— O que quer dizer?
— Se vai me machucar fisicamente.
— Te castigarei quando for necessário e será doloroso.
Acho que estou ficando enjoada. Tomei outro gole de vinho. O álcool me dará coragem.
— Alguma vez te bateram? — Pergunto.
— Sim.
Nossa, me surpreendeu. Antes que pudesse perguntar por esta última revelação, ele interrompeu o curso dos meus pensamentos.
— Vamos conversar no meu escritório. Quero mostrar algo.
Custa muito processar tudo isso. Fui tão inocente ao pensar que passaria uma noite de paixão desenfreada na cama com este homem e aqui estamos negociando um estranho acordo.
Segui até o escritório, um amplo cômodo com uma cortina desde o chão até o teto. Sentou-se na mesa e apontou com um gesto para que me sentasse em uma cadeira de couro de frente a ele e me estendeu uma folha de papel.
— Estas são as regras. Podemos mudá-las. Formam parte do contrato, que também te darei. Leia e comentaremos.

NORMAS
Obediência:
A Submissa obedecerá imediatamente todas as instruções do Amo, sem duvidar, sem reservas e de forma expressiva. A Submissa aceitará toda atividade sexual que o Amo considerar oportuna e prazerosa, exceto as atividades contempladas nos limites inquebráveis (Apêndice 2). O fará com entusiasmo e sem duvidar.

Sono:
A Submissa garantirá que dormirá no mínimo sete horas diária quando não estiver com o Amo.

Refeição:
Para cuidar de sua saúde e bem estar, a Submissa comerá frequentemente alimentos incluídos em uma lista (Apêndice 4). A Submissa não comerá entre horas, a exceção de fruta.

Roupa:
Durante a vigência do contrato, a Submissa apenas usará roupa que o Amo houver aprovado. O Amo oferecerá a Submissa uma quantia para roupas. O Amo acompanhará a Submissa para comprar roupas quando seja necessário. Se o Amo assim o exige, enquanto o contrato estiver vigente, a Submissa vestirá os adornos que exija o Amo, em sua presença ou em qualquer outro momento que o Amo considere oportuno.

Exercício:
O Amo proporcionará a Submissa um treinador pessoal quatro vezes por semana, em sessões de uma hora, horas convenientes para o treinador e a Submissa. O treinador pessoal informará ao Amo os avanços da Submissa.

Higiene pessoal e beleza:
A Submissa estará limpa e depilada a todo momento. A Submissa irá ao salão de beleza escolhido pelo Amo quando este decida e se submeterá a qualquer tratamento que o Amo considere oportuno.

Segurança pessoal:
A Submissa não beberá em excesso, não fumará, não tomará nenhuma substância psicotrópica, nem correrá riscos sem necessidade.

Qualidades pessoais:
A Submissa apenas manterá relações sexuais com o Amo. A Submissa se comportará a todo o momento com respeito e humildade. Deve compreender que sua conduta influencia diretamente na do Amo. Será responsável por qualquer ato, maldade ou má conduta que leve a cabo quando o Amo não estiver presente.

O não cumprimento de qualquer uma das normas anteriores será imediatamente castigada e o Amo determinará a natureza do castigo.

Minha Nossa!
— Limites inquebráveis? — Pergunto.
— Sim. O que você não fará e o que não farei. Temos que especificar em nosso acordo.
— Não tenho certeza se vou aceitar dinheiro para roupas. Não me parece bem.
Me movimento incomoda. A palavra «puta» soa em minha cabeça.
— Quero gastar dinheiro com você. Deixa-me comprar roupa. Talvez necessite que me acompanhe em algum ato, e quero que esteja bem vestida. Tenho certeza que com seu salário, quando encontre um trabalho não poderá pagar a roupa que gostaria que vestisse.
— Não terei que usar quando não estiver contigo?
— Não.
— Certo. Eu penso nisso como um uniforme.
— Não quero fazer exercícios quatro vezes por semana.
— Demetria, necessito que esteja ágil, forte e resistente. Confie em mim, tem que fazer exercícios.
— Com certeza que não quatro vezes por semana. O que acha de três?
— Quero que seja quatro.
— Pensei que fosse uma negociação.
Franziu os lábios.
— Certo, senhorita Lovato, tem razão. O que te parece uma hora três dias por semana e meia hora outro dia?
— Três dias, três horas. Você me dá a impressão de que se ocupará de que faça exercício quanto estiver aqui.
Sorriu perversamente e os olhos brilharam como se sentisse aliviado.
— Sim o farei. Certo. Tem certeza de que não quer trabalhar em minha empresa? É boa negociando.
— Não, não acho que seja uma boa ideia.
Observo a folha com suas normas. Depilar-me! Depilar o que?
Tudo? Uf!
— Vamos aos limites. Estes são os meus. — Disse estendendo outra folha de papel.

LÍMITES INQUEBRAVEIS:

Atos com fogo.
Atos com urina, fezes e excrementos.
Atos com agulhas, facas, perfurações e sangue.
Atos com instrumentos médicos ginecológicos.
Atos com crianças e animais.
Atos que deixem marcas permanentes na pele.
Atos relativos ao controle da respiração.
Atividade que implique contato direto com corrente elétrica, fogo e chamas no corpo.

Uf. Ele tinha que escrever! Claro… todos estes limites pareciam sensatos e necessários na verdade… Com certeza qualquer pessoa em seu juízo perfeito não iria querer este tipo de coisas. Mas seu estômago ficou enjoado.
— Quer acrescentar algo? — perguntou amavelmente.
Merda. Não tenho nem ideia. Estou totalmente perplexa. Olha para mim e enruga a testa.
— Há algo que não queira fazer?
— Não sei.
— O que é que não sabe?
Removi incomoda e mordo os lábios.
— Nunca fiz uma coisa assim.
— Bom, há algo que não goste no sexo?
Pela primeira vez, no que parecia séculos, ruborizei.
— Pode me dizer, Demetria. Se não formos sinceros, não vai funcionar.
Volto a me mover incomoda e olho para minhas mãos.
— Diga. — Pediu-me.
— Bom... nunca dormi com ninguém, então não sei. — Digo com uma voz baixa.
Levantei os olhos até ele, que olhava com a boca aberta, paralisado e pálido, muito pálido.
— Nunca? — Sussurrou.
Assenti.
— É virgem?
Assenti com a cabeça e voltei a me ruborizar. Fechou os olhos e pareceu contar até dez, Quando os abriu, ele olhou irritado.
— Por que, porra, não me disse? — Grunhiu.



continua.....
eu respondo os comentários abaixo do que vocês publicam, depois atualizem o cap. anterior que lá estão as respostas, xx.

7 comentários:

  1. Ah...Porque parou aì???Será que ele vai pra cama com ela mesmo assim???Posta mais,tá muito bom!!!!
    Beijos....

    ResponderExcluir
  2. hm, será? Amanhã, ou até mesmo hoje depois das 23hrs posto mais um cap.... Obrigada por comentar bjs

    ResponderExcluir
  3. Aiiii, to mto ansiosa e tb queria saber se vc tem, tipo, dia ou horario pra posta. Vc sabe blogs com fanfics legais? Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi então, posto depois das 14hrs pra ser mais clara no período da tarde até umas 18hrs... ou dps das 23hrs que chego da escola, rs :)

      Excluir
  4. DEMI VIRGEM UEHUEHUEHUEH fui obrigada a rir. Realmente, está fic está perfeito, e a cada cap fica melhor, a cada cap eu fico mais viciada. Tudo perfeito!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. SIM, VIRGEM!!!! Da pra acreditar?? Acho que o próximo será hot, to decidinho ainda haha bjs e obrigada! :)

      Excluir