sexta-feira, 19 de julho de 2013

Cap.12- 2ª temporada "meio hot"

— Você falou com ela hoje? — Pergunto a Joseph enquanto esperamos a chegada de Sra. Robinson.

— Sim.

— O que você disse?

—Eu disse que você não queria vê-la, e que eu entendia suas razões. Eu também disse a ela que eu não a apreciava que agisse por trás das minhas costas. — Seu olhar é impassível, sem nenhum humor.

Ah, bom.

— O que ela disse?

— Ela se afastou de uma forma que só Elena pode. — Sua boca se apertada em uma linha torta.

— Por que você acha que ela está aqui?

— Eu não tenho ideia. — Joseph dá de ombros.

Taylor entra no quarto grande de novo.


— Sra. Lincoln, — anuncia.

E aqui está ela... Por que ela é tão malditamente atraente? Ela está vestida inteiramente de preto: calça jeans apertada, uma camisa que enfatiza a figura perfeita, e uma auréola de cabelo brilhante, lustrosa.

Joseph me puxa para perto.

— Elena, — ele diz, seu tom confuso.

Ela olha para mim e fica de boca aberta em estado de choque, congelada no local. Ela pisca antes de encontrar sua voz suave.

— Sinto muito. Eu não sabia que você tinha companhia, Joseph. É segunda-feira, — ela diz, como se isso explicasse o porquê dela estar aqui.

— Namorada, — ele diz usando o título como explicação e inclina a cabeça para um lado e sorri.

Ela sorri, um sorriso lento e radiante direcionado totalmente para ele. É enervante.

— Claro. Olá, Demetria. Eu não sabia que você estaria aqui. Eu sei que você não quer falar comigo. Eu aceito isso.

— Sim? — Eu afirmo silenciosamente, olhando para ela e tomando todos nós de surpresa. Com uma ligeira careta, ela move-se mais para dentro da sala.

— Sim, eu recebi a mensagem. Eu não estou aqui para te ver. Como eu disse, Joseph raramente tem companhia durante a semana. — Ela faz uma pausa.
—Eu tenho um problema, e eu preciso falar com Joseph sobre isso.

— Ah? — Joseph se endireita.
— Você quer uma bebida?

— Sim, por favor, — murmura em gratidão.


               Joseph busca um copo enquanto Elena e eu ficamos sem jeito olhando uma para a outra. Ela agita um anel de prata grande em seu dedo do meio, enquanto eu não sei para onde olhar. Finalmente, ela me dá um pequeno sorriso apertado e se aproxima do console da cozinha e se senta no banquinho de bar no final. Ela, obviamente, conhece bem o local e se sente confortável se movimentando por aqui. Não posso ficar? Eu vou? Oh, isso é tão difícil. Meu subconsciente faz carrancas para a mulher com o rosto de harpia mais hostil. Há tanta coisa que eu quero dizer a esta mulher, e nenhuma delas de cortesia. Mas ela é amiga de Joseph. Sua única amiga. Apesar de toda a minha aversão a essa mulher, eu sou naturalmente educada. Decidido ficar, me sento tão graciosamente quanto possível no banquinho de Joseph, desocupado. Joseph
derrama vinho em cada um de nossos copos e senta-se entre nós no bar. Ele não pode sentir quão estranho é isso?

— O que há? — Ele pede a ela.

Elena olha nervosamente para mim, e Joseph chega mais perto e aperta minha mão.

— Demetria está comigo agora, — ele diz para a sua consulta silenciosa e aperta minha mão. Eu relaxo, e as vigas do meu subconsciente caem contra ele, e a harpia me encara esquecida.


               O rosto de Elena amolece como se ela estivesse feliz por ele. Realmente contente por ele. Oh, eu não entendo essa mulher em nada, e eu estou desconfortável e nervosa na presença dela. Ela respira fundo e se move, e se empoleira na borda de seu banquinho de bar e olha agitada. Ela olha nervosamente para as mãos e começa a torcer freneticamente o anel de prata grande em torno de seu dedo médio. Caramba, o que há de errado com ela? É a minha presença? Eu tenho esse efeito sobre ela? Porque eu sinto o mesmo, eu não a quero aqui. Ela levanta a cabeça e olha Joseph diretamente nos olhos.


— Estou sendo chantageada.


               Puta merda. Não é o que eu esperava sair da sua boca. Joseph endurece. Alguém descobriu sua inclinação para bater e foder meninos menores de idade? Suprimo minha repulsa, e um pensamento fugaz sobre galinhas voltando para casa, para o poleiro passa pela minha cabeça. Meu subconsciente esfrega as mãos com mal disfarçada alegria. Boa.


— Como? — Joseph pergunta, o horror claro em sua voz.

Ela pega sua enorme bolsa de designer, obviamente de couro, tira uma nota, e entrega a ele.


— Largue isso, deixe ai. — Joseph aponta para o balcão do bar do café da manhã com o queixo.

— Você não quer tocá-lo?

— Não. As impressões digitais.

— Joseph, você sabe que eu não posso ir à polícia com isso.

Por que estou ouvindo isso? Será que ela está fodendo algum outro menino pobre?

Ela segura a nota para ele, e ele se inclina para lê-lo.

— Eles só estão pedindo cinco mil dólares, — ele diz quase distraidamente.

—Qualquer ideia de quem poderia ser? Alguém na comunidade?

— Não, — ela diz com sua voz suave e doce.

— Linc?

Linc? Quem é esse?

— O que... Após todo esse tempo? Eu não penso assim, — ela resmunga.

— Será que Isaac sabe?

— Eu não lhe disse.

Quem é Isaac?

— Acho que ele precisa saber, — Joseph disse. Ela balança a cabeça, e agora eu sinto que estou intrometendo. Eu não quero nada disso. Eu tento tirar minha mão do aperto de Joseph, mas ele simplesmente aperta o seu domínio e se vira para olhar para mim.

— O quê? — Ele pergunta.

— Eu estou cansada. Acho que vou ir para a cama.


Seus olhos me pesquisam, procurando o que? Censura? Aceitação? Hostilidade? Eu mantenho a minha expressão tão agradável quanto possível.


— Tudo bem, — ele diz.
— Eu não vou demorar muito.


Ele me liberta e eu fico. Elena me observa com cautela. Eu fico com os lábios apertados e devolvo seu olhar, não dando nada de graça.


— Boa noite, Demetria. — Ela me dá um pequeno sorriso.

— Boa noite, — eu murmuro, minha voz soa fria. Viro-me para sair. A tensão é demais para eu suportar.

Quando eu saio do quarto, eles continuam sua conversa.


— Eu não acho que haja algo que possa fazer, Elena — Joseph diz a ela.
— Se é uma questão de dinheiro. — Sua voz se apaga.
— Eu poderia pedir para Welch investigar.


— Não, Joseph, eu só queria compartilhar, — ela diz.

Quando estou fora da sala, eu a ouço dizer:

— Você parece muito feliz.

— Eu estou, — responde Joseph.

— Você merece ser.

— Eu gostaria que fosse verdade.

— Joseph, — ela repreende.

Eu congelo, ouvindo atentamente. Eu não posso ajudá-lo.

— Ela sabe como você é negativo sobre si mesmo? Sobre todos os seus problemas.

— Ela me conhece melhor que ninguém.

— Ai! Isso dói.

— É a verdade, Elena. Eu não tenho de jogar com ela. E eu quero dizer isso, deixe-a em paz.

— Qual é o seu problema?

— Você... O que nós éramos. O que nós fizemos. Ela não entende.

— A faça entender.

— Está no passado, Elena, e por que eu iria querer manchá-la com o nosso relacionamento fodido? Ela é boa, doce e inocente, e por algum milagre, ela me ama.

— Não é nenhum milagre, Joseph, — Elena zomba bem-humorada.
— Tenha um pouco de fé em si mesmo. Você realmente é um ótimo partido. Eu já lhe disse muitas vezes. E ela parece bonita, também. Forte. Alguém para ficar com você.

Eu não posso ouvir a resposta de Joseph. Então, eu sou forte, eu sou?

Eu certamente não me sinto desse jeito.

— Você não a perdeu? — Elena continua.

— O quê?

— Sua sala de jogos.

Eu paro de respirar.

— Isso realmente não é da sua maldita incumbência — Joseph fala.

Oh.

— Sinto muito. — Elena bufa sinceridade.

— Eu acho que é melhor você ir. E por favor, ligue antes de vir novamente.

— Joseph, eu sinto muito, — ela diz, e de seu tom dá pra ver que ela está sendo sincera.
— Desde quando você está tão sensível? — Ela o repreende novamente.

— Elena, temos uma relação profissional que tem beneficiado imensamente nós dois. Vamos manter as coisas dessa maneira. O que tinha entre nós faz parte do passado. Demetria é o meu futuro, e não vou por em perigo de forma nenhuma, assim cortamos essa merda.

Seu futuro!

— Eu vejo.

— Olha, eu sinto por seu problema. Talvez você deva montar algo e chamá-lo para um blefe.

Seu tom é mais suave.

— Eu não quero perder você, Joseph.

— Eu não sou seu para você me perder, Elena, — ele atira novamente.

— Não é isso que eu quis dizer.

— O que quis dizer? — Ele é rude, com raiva.

— Olha, eu não quero discutir com você. Sua amizade significa muito para mim. Eu vou sair de perto de Demetria. Mas eu estou aqui se precisar de mim. Eu sempre estarei.

— Demetria acha que você me viu no último sábado. Você me ligou, e isso é tudo. Por que você disse a ela de outra maneira?

— Eu queria que ela soubesse como você ficou chateado quando ela partiu. Eu não quero que ela te machuque.

— Ela sabe. Eu disse a ela. Pare de interferir. Honestamente, você é como uma mãe galinha. —Joseph parece mais resignado, e Elena ri, mas há um tom triste na risada.

— Eu sei. Sinto muito. Você sabe que eu me importo com você. Nunca pensei que você ia acabar se apaixonando, Joseph. É muito gratificante ver isso. Mas eu não poderia suportar se ela te machucar.

— Eu vou me arriscar, — ele diz secamente.
— Agora você tem certeza que não quer Welch para investigar?

Ela suspira pesadamente.

— Acho que não faria nenhum mal.

— Ok. Vou chamá-lo de manhã.


Eu os ouvi brigando, tentando descobrir isso. Eles soam como velhos amigos, como diz Joseph. Apenas amigos. E ela se preocupa com ele... talvez demais. Bem, quem não iria, se o conhecesse?


— Obrigado, Joseph. E eu sinto muito. Eu não queria me intrometer. Eu vou indo. Da próxima vez eu vou telefonar.

— Bom.


Ela está indo! Merda! Eu corro pelo corredor para o quarto de Joseph e me sento na cama. Joseph entra poucos momentos depois.


— Ela se foi, — ele diz com cautela, avaliando minha reação.


Eu olhava para ele, tentando formular a minha pergunta.

— Você vai me dizer tudo sobre ela? Eu estou tentando entender por que você acha que ela te ajudou. — Faço uma pausa, pensando cuidadosamente sobre a minha próxima frase.
— Eu a detesto, Joseph. Acho que ela fez a você danos incalculáveis. Você não tem amigos. Ela os mantém longe de você?


Ele suspira e passa a mão pelos cabelos.

— Por que diabos você quer saber sobre ela? Tivemos um caso muito longo, ela bateu para caralho em mim, muitas vezes, e eu a fodi de todas as formas que você nem sequer pode imaginar, fim da história.


Eu fico pálida. Merda, ele está irritado comigo. Eu pisco para ele.

— Por que você está tão zangado?

— Porque toda essa merda acabou! — Ele grita, me encarando. Ele suspira, exasperado e balança a cabeça.

Eu fico branca. Merda. Eu olho para as minhas mãos, apertadas no meu colo. Eu só quero entender.

Ele se senta ao meu lado.

— O que você quer saber? — Ele pergunta em um tom cansado.

— Você não tem que me dizer. Eu não quero me intrometer.

— Demetria, não é isso. Eu não gosto de falar sobre essa merda. Eu vivi numa bolha durante anos sem nada me afetando e não tinha que me justificar a ninguém. Ela sempre esteve lá como uma confidente. E agora meu passado e meu futuro estão colidindo em uma maneira que nunca imaginei ser possível.

Olho para ele e ele está olhando para mim, os olhos arregalados.

— Eu nunca pensei que eu tinha um futuro com alguém, Demetria. Você me dá esperança e me faz pensar em todos os tipos de possibilidades. — Ele vagueia.

— Eu estava ouvindo, — eu sussurro e volto a olhar para as minhas mãos.

— O quê? A nossa conversa?

— Sim.

— E então? — Ele soa resignado.

— Ela cuida de você.

— Sim, ela cuida. E eu cuido dela do meu próprio jeito, mas não chega nem perto de como eu me sinto por você. Se for isso disso que se trata.

— Eu não estou ciumenta. — Estou ferida que ele poderia pensar que eu estivesse ou eu estou? Merda. Talvez seja isso.
— Você não a ama, — murmuro.

Ele suspira de novo. Ele está realmente chateado.

— Há muito tempo atrás, eu achava que a amava, — ele diz com os dentes cerrados.

Oh.

— Quando estávamos na Geórgia... você disse que não a amava.

— É verdade.

Eu franzo a testa.

— Eu amei você, em seguida, Demetria, — ele sussurra.
— Você é a única pessoa que eu voaria cinco mil quilômetros para ver.

Oh meu Deus. Não estou entendendo. Ele ainda me queria como uma segunda opção depois de tudo. Minha carranca se aprofunda.


— Os sentimentos que tenho por você são muito diferentes de qualquer outro que eu já tive por Elena, — ele diz como uma explicação.

— Quando você soube?

Ele encolhe os ombros.

— Ironicamente, foi Elena que apontou para mim. Ela me encorajou a ir para a Geórgia.


               Eu sabia! Eu sabia disso em Savannah. Eu olho para ele, sem expressão. O que posso fazer sobre isso? Talvez ela esteja do meu lado e apenas preocupada que eu vá machucá-lo. O pensamento é doloroso. Eu nunca iria querer machucá-lo. Ela está certa, ele se machucou bastante. Talvez ela não seja tão ruim. Sacudo a cabeça. Eu não quero aceitar o seu relacionamento com ela. Eu desaprovo. Sim, isso é o que é. Ela é um personagem desagradável que caçava um adolescente vulnerável, roubando-lhe a sua adolescência, não importa o que ele diga.


— Então você a desejou? Quando você era mais jovem.

— Sim.

Oh.

— Ela me ensinou muita coisa. Ela me ensinou a acreditar em mim.

Oh.

— Mas ela também trouxe essa merda para fora de você.

Ele sorri com carinho.

— Sim, ela fez.

— E você gostou disso?

— Na época eu gostei.

— Tanto que você quis fazer isso para os outros?

Seus olhos se arregalam e ficam sérios.

— Sim.

— Será que ela te ajudou a fazer isso?

— Sim.

— Ela foi submissa para você?

— Sim.

Puta merda.

— Você espera que eu goste dela? — Minha voz soa frágil e amarga.

— Não. Embora isso fosse facilitar demais minha vida, — ele disse, cansado.
—Eu entendo a sua reserva.

— Reserva! Puxa, Joseph e se fosse um filho seu, como você se sentiria?

Ele pisca para mim como se ele não compreendesse a questão. Ele franze a testa.

— Eu não tinha que ficar com ela. Foi a minha escolha, também, Demetria, — ele murmura.

Isso está começando a me levar a lugar nenhum.

— Quem é Linc?

— O ex-marido.

— Lincoln Timber?

— O mesmo, — ele sorriu.

— E Isaac?

— Seu submisso atual.

Ah, não.

— Ele tem uns vinte e poucos anos, Demetria. Você sabe, um adulto que concordou, — acrescenta rapidamente, assim que decifra o meu olhar de nojo.

Eu libero.

— Sua idade — Eu murmuro.

— Olha, Demetria, como eu disse a ela, ela é parte do meu passado. Você é o meu futuro. Não deixe que ela fique entre nós, por favor. E, francamente, eu estou realmente cansado deste assunto. Eu vou fazer algum trabalho. — Ele se levanta e olha para baixo, para mim.
— Deixe isso pra lá. Por favor.

Olho teimosamente para ele.

— Oh, eu quase esqueci, — acrescenta.
— O carro chegou um dia mais cedo. Está na garagem. Taylor tem a chave.

Uau... o Saab?

— Posso dirigi-lo amanhã?

— Não.

— Por que não?

— Você sabe por que não. E isso me lembra. Se você vai sair de seu escritório, me avise. Sawyer estava lá, vendo você. Parece que eu não posso confiar em você para cuidar de si mesma em tudo. — Ele faz carrancas para mim, fazendo-me sentir como uma criança que apronta, de novo. E eu gostaria de discutir com ele, mas ele está bastante preocupado por Elena, e eu não quero pressioná-lo, mas eu não posso resistir a um comentário.

— Parece que eu não posso confiar em você também, — eu murmuro.
— Você poderia ter me dito que Sawyer estava me observando.

— Você quer brigar por isso também? — Ele se ajeita.

— Eu não sabia que estávamos brigando. Pensei que nós estávamos nos comunicando, — eu murmuro com petulância.


Ele fecha os olhos brevemente enquanto ele luta para conter seu temperamento. Eu engulo e assisto ansiosamente. Puxa, isso poderia tomar qualquer direção.

— Eu tenho que trabalhar, — ele diz calmamente, e com isso, ele sai da sala.


               Suspiro. Eu não tinha percebido que eu estava segurando a minha respiração. Eu caio de costas na cama, olhando para o teto. Será que podemos ter uma conversa normal sem que ele se desintegre em
um argumento? É cansativo. Nós simplesmente não nos conhecemos muito bem. Eu realmente quero ir
morar com ele? Eu não sei nem se eu deveria fazer-lhe uma xícara de chá ou de café enquanto ele está trabalhando. Devo incomodá-lo em tudo? Eu não tenho ideia de seus gostos e desgostos. Evidentemente, ele está entediado com toda a coisa sobre Elena. Ele está certo, eu preciso seguir em frente. Deixar ir. Bem, pelo menos ele não está esperando que eu seja amiga dela, e espero que ela vá agora parar de querer fazer
uma reunião comigo. Eu saio da cama e ando até a janela. Desbloqueio a porta da varanda, eu a
abro e caminho até a grade de vidro. Sua transparência é enervante. O ar é frio e fresco, já que estou tão no alto. Eu olho para fora sobre as luzes cintilantes de Seattle. Ele está tão distante de tudo até aqui em sua fortaleza. Não responde a ninguém. Ele tinha acabado de dizer que me amava, então toda essa porcaria vem por causa daquela mulher terrível. Reviro os olhos. Sua vida é tão complicada. Ele é tão complicado. Com um suspiro pesado e um último olhar para as luzes de Seattle que se espalharam como panos de ouro aos meus pés, eu decido ligar para Ray. Eu não falei com ele por um tempo. É uma conversa breve, como de costume, mas eu sei que ele está bem e que eu estou interrompendo uma partida de futebol importante.


— Espero que tudo esteja bem com Joseph, — ele diz casualmente, e eu sei que ele está tentando pescar alguma informação, mas realmente não quer saber.

— Sim. Nós estamos bem. — Mais ou menos, e estou indo morar com ele.

Embora não tenhamos discutido uma data.

— Te amo, papai.

— Te amo, muito, Dems.


              Eu desligo e verifico meu relógio. É apenas dez. Por causa de nossa discussão, eu estou me sentindo estranhamente inervada e inquieta. Tomo banho rapidamente, e de volta no quarto, decido usar uma das camisas de noite de Caroline Acton adquiridas por mim a partir de Neiman Marcus. Joseph está sempre gemendo sobre as minhas camisetas. Existem três. Eu escolho a rosa pálido e a coloco em cima da minha cabeça. O tecido desliza em toda a minha pele, acariciando e agarrando-me à medida que cai em torno do meu corpo. É uma sensação de luxo, o melhor cetim, o mais fino. Caramba. No espelho, me vejo como uma estrela de cinema de 1930. É longa, elegante e muito eu. Eu pego o roupão combinando e decido caçar um livro na biblioteca. Eu podia ler no meu iPad, mas agora, eu quero o conforto e a segurança de um livro físico. Vou deixar Joseph sozinho. Talvez ele vá recuperar o seu bom humor,
uma vez que ele termine de trabalhar. Existem tantos livros na biblioteca de Joseph. Olhar cada título vai
demorar uma eternidade. Olho ocasionalmente na mesa de bilhar e coro ao me lembrar da nossa noite anterior. Eu sorrio quando vejo que a régua ainda está nochão. Pego-a e golpeio a minha palma. Ai! Machuca. Por que não posso aguentar um pouco mais de dor pelo meu homem? Desconsolada, eu a coloco sobre a mesa e continuo minha busca por uma boa leitura. A maioria dos livros são as primeiras edições. Como ele pode ter acumulado uma coleção como essa em tão pouco tempo? Talvez a descrição de trabalho de Taylor inclua a compra de livros. Eu escolho Rebecca de Daphne Du Maurier. Faz tempo que eu não o leio. Sorrio quando me enrolo em uma das poltronas estofadas e leio a primeira linha:
Na noite passada eu sonhei que fui a Manderley novamente...



xxx




Acordo quando Joseph me empurra para me levantar em seus braços.

— Hey, — ele murmura,
— você caiu no sono. Eu não conseguia encontrá-la. — Ele cheira meu cabelo. Sonolenta, coloco meus braços em volta do seu pescoço e respiro o seu perfume, oh, ele cheira tão bem enquanto ele me leva de
volta para o quarto. Ele me coloca na cama e me cobre.

— Durma, Bebê, — ele sussurra e pressiona os lábios contra a minha testa.




xxx


               Eu acordo de repente de um sonho perturbador e estou momentaneamente desorientada. Encontro-me ansiosamente verificando o final da cama, mas não há ninguém lá. Vem da grande sala um som fraco de uma complexa melodia de piano. Que horas são? Eu verifico o despertador duas da manhã. Joseph ainda não veio dormir? Eu desembaraço as pernas do meu roupão, que eu ainda estou usando, e saiu da cama. Na sala grande, eu estou nas sombras, escutando. Joseph está perdido na música. Ele parece seguro e protegido em sua bolha de luz. E a canção que ele interpreta tem uma melodia cadenciada, partes da qual o som é familiar, mas tão elaborado. Caramba, ele é bom. Por que isso sempre me pega de surpresa? A cena inteira é diferente de alguma forma, e eu percebo que a tampa do piano está abaixada, me dando uma visão sem obstáculos. Ele olha para cima e nossos olhos se encontram, na cinza e suave luz luminosa da lâmpada. Ele continua a tocar, não hesitando em nada, enquanto eu caminho até ele. Seus olhos me seguem, me bebem, queimando mais brilhante. Quando eu o alcanço, ele para.


— Por que você parou? Estava maravilhoso.

— Você tem alguma ideia de como esta desejável no momento? — ele diz, sua voz suave.

Oh.

— Venha para a cama, — eu sussurro e seus olhos se aquecem enquanto ele estende a mão. Quando eu o levo, ele me puxa inesperadamente para que eu caia em seu colo. Ele coloca os braços em volta de mim e cheira meu pescoço, atrás da minha orelha, provocando arrepios na espinha.

— Por que nós brigamos? — Ele sussurra, com os seus dentes passando pela minha orelha.

Macacos me mordam. Meu coração salta uma batida, em seguida, começa a bater, correndo um calor em todo o meu corpo.

— Porque nós estamos nos conhecendo, você é teimoso, rabugento, mal humorado e difícil, — sussurro sem fôlego, mudando minha cabeça para dar-lhe um melhor acesso à minha garganta. Ele corre o nariz pelo meu pescoço, e eu sinto o seu sorriso.

— Eu sou todas essas coisas, Srta. Lovato. É um milagre que você me ature. — Ele belisca minha orelha e eu lamento.

— É sempre assim? — Ele suspira.

— Eu não tenho ideia.

— Eu também não. — Ele puxa o cinto do meu roupão para que fique aberto, e sua mão desliza pelo meu corpo, por cima do meu peito. Meus mamilos endurecem sob seu toque suave e a tensão contra o cetim. Ele continua até a minha cintura, até meu quadril.

— Você fica tão maravilhosa nesse tecido, e eu posso ver tudo... inclusive isso. — Ele tira suavemente meu pelo púbico do tecido, fazendo-me suspirar, enquanto a outra mão está no cabelo em minha nuca. Puxando minha cabeça para trás, ele me beija, sua língua urgente, implacável, necessitada. Eu gemo em
resposta e acaricio seu querido e amado rosto. Sua mão levanta delicadamente minha camisola, lentamente, de forma tentadora, até que acaricia meu bumbum nu, e logo passa a unha de seu polegar pelo interior de meus músculos. De repente ele se levanta, assustando-me, e me levanta do seu corpo para o
piano. Meus pés se apoiam sobre as teclas, soando notas discordantes, e suas mãos sobem sobre minhas pernas e separam meus joelhos. Ele agarra minhas mãos.

— Deite-se, — ele ordena, segurando minhas mãos enquanto eu afundo de volta em cima do piano. A tampa é dura e inflexível contra minhas costas. Ele me solta e empurra minhas pernas para abri-las mais, os meus pés dançam sobre as teclas, nas notas inferiores e superiores. Oh cara. Eu sei o que ele vai fazer, e pela antecipação... Eu gemo alto enquanto ele beija o interior do meu joelho, então ele beija e suga e morde em seu caminho que se eleva pela minha perna para a minha coxa. O cetim macio da minha camisola sobe mais alto deslizando, sobre a minha pele sensível, enquanto ele empurra o tecido. Eu flexiono os meus pés e os acordes soam novamente. Fechando os olhos, eu me entrego a ele enquanto a sua boca alcança o ápice de minhas coxas. Ele me beija... ali... Oh cara... então assopra suavemente antes que sua língua rodei meu clitóris. Ele abre ainda mais minhas pernas. Eu me sinto tão aberta ... tão exposta. Ele me mantém no lugar, com as mãos um pouco acima dos joelhos enquanto sua língua me tortura, não dando pausa, sem trégua... sem poder respirar. Inclinando meus quadris para cima, reunido e combinando ao seu ritmo, estou consumida.


— Oh, Joseph, por favor. — Lamento.

— Oh não, bebê, ainda não, — ele brinca, mas eu me sinto mais e mais excitada à medida que ele o faz, então ele para.

— Não, — choramingo.

— Esta é a minha vingança, Demi, — ele rosna baixinho. 
— Discuta comigo, e eu vou me vingar em seu corpo de alguma forma. — Ele arrasta beijos ao longo
da minha barriga, as mãos subindo pelas minhas coxas, acariciando, amassando, provando. Sua língua circunda meu umbigo enquanto suas mãos e seu polegar... oh seu polegar, alcança o topo das minhas coxas.

— Ah! — Grito enquanto ele empurra um dentro de mim. O outro me persegue, lentamente, dolorosamente, circulando voltas e voltas. Minhas costas se arcam fora do piano enquanto me torço sob seu toque. É quase insuportável.

— Joseph! — Eu choro, fora de controle com a necessidade.


Ele tem pena de mim e para. Levanta os meus pés para fora das teclas, ele me empurra, e de repente, eu estou deslizando sem esforço sobre o piano, deslizando em cetim, e ele está me seguindo lá em cima, brevemente ajoelhado entre as minhas pernas para rolar em um preservativo. Ele paira sobre mim e eu
estou ofegante, olhando para ele com uma fúria de necessidade, e eu percebo que ele está nu. Quando ele tirou a roupa? Ele olha para mim, e há surpresa em seus olhos, maravilha e amor e paixão, e é de tirar o fôlego.

— Eu quero tanto você, — ele diz, e muito lentamente, primorosamente, ele se afunda em mim.


xxx


Estou deitada sobre ele, minhas pernas pesadas e lânguidas, enquanto nos encontramos em cima do seu piano. Oh meu Deus. Ele é muito mais confortável para se deitar do que o piano. Com cuidado para não tocar seu peito, eu descanso meu rosto contra ele e me mantenho perfeitamente imóvel. Ele não se opõe, e eu ouço a sua respiração enquanto ela diminui como a minha. Delicadamente, ele acaricia o meu cabelo.

— Você bebe chá ou café à noite? — Pergunto sonolenta.

— Que pergunta estranha, — ele diz com ar sonhador.

— Eu pensei que poderia trazer-lhe chá enquanto você trabalhava, e então eu percebi que eu não sei o que você gostaria.

— Oh, eu entendo. Água ou vinho à noite, Demi. Embora talvez eu devesse tentar chá.

Sua mão se move ritmicamente pelas minhas costas, acariciando-me com ternura.


— Nós realmente sabemos muito pouco sobre o outro, — murmuro.

— Eu sei, — ele diz, e sua voz é triste. Sento-me para olhar para ele.

— O que é isso? — Eu pergunto. Ele balança a cabeça como se quisesse se livrar de algum pensamento desagradável, e levantando a mão, ele acaricia meu rosto, os olhos brilhantes e sérios.


— Eu te amo, Demi Lovato, — ele diz.

xxx



               O alarme dispara com noticias sobre o trafego às seis da manhã, e eu acordo abruptamente do meu sonho, onde há mais mulheres loiras do que de cabelos escuros. Eu não consigo entender do que se trata, e imediatamente sou distraída, porque Joseph Jonas está enrolado em torno de mim como seda, com a cabeça de cabelos rebeldes em meu peito, a mão no meu peito, a perna em cima de mim, me segurando para baixo. Ele ainda está dormindo, e eu estou com muito calor. Mas eu ignoro o meu desconforto, timidamente chegando a passar os dedos suavemente pelos cabelos, e ele se mexe. Levanta os olhos cinzentos brilhantes, e sorri sonolento. Caramba... ele é adorável.

— Bom dia, linda, — ele diz.

— Bom dia, lindo. — Eu sorrio de volta. Ele me beija, desembrulhando a si mesmo, e inclina-se sobre o cotovelo, olhando para mim.

— Dormiu bem? — ele pergunta.

— Sim, apesar da interrupção de meu sono na noite passada.

Seu sorriso se amplia.

— Hmm. Você pode me interromper a qualquer momento. — Beija-me outra vez.

— E você? Você dormiu bem?

— Eu sempre durmo bem com você, Demetria.

— Sem mais pesadelos?

— Não.

Eu faço cara feia e acho uma chance para uma pergunta.

— Quais são seus pesadelos?

Sua testa aumenta e seu sorriso diminui. Merda, minha curiosidade estúpida.

— Eles são flashbacks da minha infância, ou assim diz o Dr. Flynn. Algumas vividas, outras nem tanto. — Sua voz diminui e um olhar distante, sofrido cruza seu rosto. Distraidamente, ele começa a traçar minha clavícula com o dedo, me distraindo.

— Você acorda chorando e gritando? — Eu tento, em vão, fazer uma piada.

Ele olha para mim, perplexo.

— Não, Demetria. Eu nunca chorei. Até onde eu possa recordar. — Ele franze a testa, como se para chegar às profundezas de suas memórias. Oh não, o que é um lugar muito escuro para ir a esta hora, certamente.

— Você tem boas lembranças da sua infância? — Pergunto rapidamente, principalmente para distraí-lo. Ele olha pensativo por um momento, ainda correndo o dedo ao longo da minha pele.

— Lembro-me da produção de crack de uma prostituta. Lembro-me do cheiro. Talvez um bolo de aniversário. Para mim. E depois há a chegada de Mia com a minha mãe e meu pai. Minha mãe estava preocupada com a minha reação, mas eu adorei Mia imediatamente. Minha primeira palavra foi Mia. Lembro-me de minha primeira lição de piano. Senhorita Kathie, minha tutora, era incrível. Ela tinha cavalos, também. — Ele sorri melancolicamente.

— Você disse que sua mãe te salvou. Como?

Sua meditação é quebrada, e ele olha para mim como se eu não entendesse a matemática elementar de dois mais dois.


— Ela me adotou, — ele diz simplesmente.
— Eu pensei que ela era um anjo quando eu a conheci. Ela estava vestida de branco e tão suave e calma, enquanto ela me examinava. Eu nunca vou esquecer isso. Se ela tivesse dito não ou se Paul tivesse dito que não... — Ele dá de ombros e olha sobre o ombro para o despertador.
—Isso tudo é muito profundo para tão cedo da manhã, — ele resmunga.

— Eu fiz uma promessa para chegar a conhecê-lo melhor.

— Você fez, Srta. Lovato? Eu pensei que você queria saber se eu preferia café ou chá. — Ele sorri. — De qualquer forma, eu posso pensar em uma maneira que você pode me conhecer. — Ele empurra seus quadris sugestivamente contra mim.

— Eu acho que te conheço bem o suficiente nesse ponto. — Minha voz é arrogante e repreensiva, e o faz sorrir de forma mais ampla.

— Eu não acho que conheço você tão bem assim, — ele murmura. — Há vantagens concretas para acordar ao seu lado. — Sua voz é suave e tão sedutora que faz os ossos derreterem.

— Você não tem que se levantar? — Minha voz é baixa e rouca. Caramba, o que ele faz comigo...

— Não essa manhã. Há apenas um lugar que eu quero estar agora, Srta. Lovato. — E seus olhos brilham provocantes.

— Joseph! — eu suspiro, chocada. Ele se move de repente, de modo que ele está em cima de mim, pressionando-me na cama. Agarrando as minhas mãos, ele puxa para cima a minha cabeça e começa a beijar minha garganta.

— Oh, Srta. Lovato. — Ele sorri contra a minha pele, enviando arrepios deliciosos através de mim, enquanto sua mão percorre meu corpo e lentamente começa a tirar a minha camisola de cetim.
— Oh, o que eu gostaria de fazer com você, — ele murmura.

E eu estou perdida, ao longo do interrogatório.



xxx



Sra. Jones faz o meu café da manhã com panquecas e bacon, e para o Joseph uma omelete e bacon. Sentamos lado a lado no bar, em um silêncio confortável.

— Quando que eu irei conhecer o seu treinador, Claude, e colocá-lo a prova? — Eu pergunto. Joseph olha para mim, sorrindo.

— Depende se você quer ir para Nova York neste fim de semana ou não. A menos que você queira vê-lo de manhã cedo esta semana. Vou pedir a Andrea para verificar a sua programação e retornar para você.

— Andrea?

— Minha assistente.

Ah, sim.

— Uma de suas muitas loiras — Eu o provoco.

— Ela não é minha. Ela trabalha para mim. Você é minha.

— Eu trabalho para você, — eu murmuro amargamente.

Ele sorri como se tivesse esquecido.

— Então você faz. — Seu sorriso radiante é contagiante.

— Talvez Claude possa me ensinar kick boxing — Eu alerto.

— Ah, é? Gosta de ter chances contra mim? — Joseph levanta uma sobrancelha, divertido.
— Provoque-me, Srta. Lovato. — Ele está tão malditamente feliz em relação ao mau humor de ontem, depois de Elena. Totalmente desarmado.

Talvez seja todo o sexo... talvez seja isso que o está fazendo tão alegre. Olho para trás, ao piano, saboreando a memória da noite passada.

— Você colocou a tampa do piano de volta.

— Fechei ontem à noite, para não perturbar você. Acho que não deu certo, mas estou feliz por não ter dado. — Os lábios de Joseph se contorcem num sorriso lascivo enquanto ele leva um pedaço de omelete a boca. Eu fico vermelha e sorrio maliciosamente para ele.

Ah, sim. . . Momentos de diversão no piano.

Sra. Jones se inclina e coloca um saco de papel contendo o meu almoço na minha frente, fazendo-me ficar enrubescida de culpada.

— Para mais tarde, Demi. Tuna está bem?
— Oh sim. Obrigada, Sra. Jones. — Dou-lhe um sorriso tímido, que ela retribui calorosamente antes de deixar a grande habitação. Eu suspeito que seja para nos dar alguma privacidade.

— Posso te perguntar uma coisa? — Eu volto para Joseph.

Sua expressão é divertida.

— Claro.

— E você não vai ficar com raiva?

— É sobre Elena?

— Não.

— Então eu não vou ficar com raiva.

— Mas agora tenho uma pergunta complementar.

— Ah?

— Que é a respeito dela.

Ele revira os olhos.

— O quê? — Ele diz, e agora está exasperado.

— Por que você fica tão louco quando eu te pergunto sobre ela?

— Honestamente?

Eu faço uma carranca para ele.

— Eu pensei que você fosse sempre honesto comigo.

— Eu procuro ser.

Eu estreito os meus olhos para ele.

— Isso soa como uma resposta muito evasiva.

— Eu sou sempre honesto com você, Demi. Eu não quero jogar. Bem, não esses tipos de jogos, — ele qualifica, com calor nos olhos.

— Que tipo de jogos você quer jogar?

Ele inclina a cabeça para um lado e sorri para mim.

— Srta. Lovato, te distrais tão facilmente.

Eu rio. Ele está certo.

— Sr. Jonas, você está me distraindo em muitos níveis. — Eu olho para os. seus olhos cinzentos dançando acesos com humor.

— Meu som favorito no mundo inteiro é o seu riso, Demetria. Agora, o que era a sua pergunta original? — Ele pergunta sem problemas, e eu acho que ele está rindo de mim. Eu tento torcer minha boca para mostrar o meu desagrado, mas eu gosto do brincalhão Cinquenta, ele é divertido. Eu amo algumas brincadeiras de manhã cedo. Eu franzo a testa, tentando lembrar a minha pergunta.

— Oh sim. Você só via suas submissas nos fins de semana?

— Sim, isso é correto, — ele diz para mim, nervoso.

Sorrio para ele.

— Então, nada de sexo durante a semana.

Ele ri.

— Oh, aonde queremos chegar com isso. — Ele parece vagamente aliviado.

—Porque você acha que eu malho todos os dias úteis? — Agora ele realmente está rindo de mim, mas eu não me importo. Quero me abraçar com alegria. Outra novidade, bem, várias novidades.

— Você parece muito satisfeita consigo mesma, Srta. Lovato.

— Eu estou, Sr. Jonas.

— Você deveria estar. — Ele sorri.
— Agora, coma o seu café.

Oh, mandão Cinquenta... ele nunca fica longe.

xxx


Estamos na parte de trás do Audi. Taylor está dirigindo com a intenção de me deixar no trabalho, e então Joseph. Sawyer está montando a arma.

— Não disse que o irmão de sua companheira de quarto estava chegando hoje? — Joseph pergunta, quase que casualmente, sua voz e expressão não revelando nada.

— Oh, Ethan, — me engasgo.
— Eu esqueci. Oh Joseph, obrigada por me lembrar. Vou ter que voltar para o apartamento.

Ele olha demoradamente.

— Que horas ele chega?

— Eu não tenho certeza do horário que ele está chegando.

— Eu não quero que você vá a qualquer lugar por conta própria, — ele diz bruscamente.

— Eu sei, — murmuro e resisto desviar o olhar para o Sr. Reação Exagerada.
—Será que Sawyer vai estar me espionando, hum... patrulhando hoje? — Olho maliciosamente na direção de Sawyer para ver as costas de suas orelhas ficarem vermelhas.

— Sim, — Joseph cuspe, seus olhos estão frios.
— Se eu estivesse dirigindo o Saab seria mais fácil, — eu murmuro com petulância.

— Sawyer terá um carro, e ele pode conduzir você ao seu apartamento, dependendo do horário.

— Ok. Acho que Ethan vai provavelmente entrar em contato comigo durante o dia. Vou deixar você saber quais são os planos então.

Ele olha para mim, sem dizer nada. Oh, o que ele está pensando?

— Tudo bem, — ele concorda.
— Em nenhum lugar por conta própria. Você entende? — Ele acena um dedo longo para mim.

— Sim, querido, — eu murmuro.

Há um traço de um sorriso em seu rosto.

— E talvez você deva apenas usar seu Blackberry, eu te mandei um e-mail por ele. Isso irá prevenir que meu homem de informação e tecnologia tenha uma manhã bem interessante, ok? — Sua voz é sarcástica.

— Sim, Joseph. — Eu não posso resistir. Desvio os olhos dele, e ele sorri para mim.

— Por que Sta. Lovato, eu acredito que você está fazendo minha palma se contrair.

— Ah, Sr. Jonas, a sua palma da mão perpetuamente tem espasmos. O que vamos fazer com isso?


Ele ri e então se distrai com seu Blackberry, que deve estar para vibrar, porque não toca. Ele franze a testa quando ele vê o identificador de chamadas.

— O que é isso? — Ele olha o telefone, em seguida, ouve atentamente. Eu aproveito a oportunidade para estudar suas características adoráveis, o nariz reto, o cabelo pendurado sobre a testa. Estou distraída em minha observação, quando percebo que sua expressão se transforma de descrença para diversão. Eu presto
atenção.

— Você está brincando... Para uma cena... Quando ele te disse isso? — Joseph ri, quase relutantemente.
— Não, não se preocupe. Você não tem que pedir desculpas. Fico feliz que há uma explicação lógica. Parecia uma quantidade ridiculamente baixa de dinheiro... Eu não tenho nenhuma dúvida que você tenha algo mal e criativo planejado para sua vingança. Pobre Isaac. — Ele sorri.
 —Ótimo... Tchau. — Ele desliga o telefone e olha para mim. Seus olhos estão subitamente cautelosos, mas estranhamente, ele parece aliviado, também.

— Quem era? — Eu pergunto.

Você realmente quer saber? — Pergunta ele calmamente.

É, eu sei. Sacudo a cabeça e olho para fora da minha janela, para o dia cinzento de Seattle, me sentindo desamparada. Por que ela não pode deixá-lo sozinho?


— Hey. — Ele pega minha mão e beija cada um dos meus dedos, por sua vez, e de repente ele está chupando meu dedo mínimo, difícil. Em seguida, mordendo suavemente. Uau! Ele tem uma conexão direta com a minha virilha, me engasgo e olho nervosamente para Taylor e Sawyer, então para Joseph, e seus olhos estão mais escuros. Ele me dá um sorriso lento e carnal.

— Não se preocupe, Demetria, — ele murmura.
— Ela está no passado. — E ele planta um beijo no centro da palma da minha mão, enviando arrepios em
todos os lugares, e meu piti é momentaneamente esquecido.



xxx


— Bom dia, Demi, — murmura Jack enquanto faço meu caminho para minha mesa.
— Vestido legal.

                Eu enrubesço. O vestido é parte do meu guarda-roupa novo, cortesia do meu namorado incrivelmente rico. É um vestido sem mangas de linho, azul pálido, bastante pegado ao corpo, e eu estou usando sandálias creme de salto alto. Joseph gosta de salto, eu acho. Eu sorrio secretamente no meu pensamento, mas rapidamente recupero o meu sorriso sem graça profissional para o meupatrão.

— Bom dia, Jack.

Começo a pedir a um mensageiro para que levasse os folhetos para as impressoras. Ele aparece com a cabeça para fora da sua porta do escritório.

— Será que eu poderia tomar um café, por favor, Demi?

— Claro. — Ando até a cozinha e choco-me com Claire da recepção, que está também precisando de um café.

— Ei, Demi, — ela diz, alegremente.
— Oi, Claire.

Conversamos brevemente sobre seu encontro estendido com a família no fim de semana, que ela gosta imensamente, e eu digo a ela sobre velejar com Joseph.

— Teu namorado é um sonho, Demi, — ela diz, seus olhos brilhando.

Estou tentada a desviar meus olhos para ela.

— Não parece tão ruim, — Sorrio e nós duas começamos a rir.

— Você demorou! — Jack fala quando eu trouxe o seu café.

Oh!

— Sinto muito. — Eu enrubesço e em seguida franzo a testa. Levei a mesma quantidade de tempo. Qual é o problema? Talvez ele esteja nervoso com alguma coisa.

Ele balança a cabeça.

— Desculpe, Demi. Eu não quis esbravejar para você, querida.

Querida?

— Há algo acontecendo a nível da direção, e eu não sei o que é. Fique atenta, ok? Se você ouvir alguma coisa, eu sei como vocês meninas falam. — Ele sorri para mim, e eu me sinto um pouco doente.

Ele não tem ideia de como nós, meninas, falamos. Além disso, eu sei o que está acontecendo.

— Você vai me deixar saber, certo?

— Claro, — eu murmuro.

— Mandei o folheto para as impressoras. Ele estará de volta por volta de duas horas.

— Ótimo. Aqui. — Ele me entregou uma pilha de manuscritos.
— Todas essas sinopses necessitam do primeiro capítulo, em seguida, a apresentação.

— Eu vou cuidar disso.



               Estou aliviada de sair de seu escritório e sentar na minha mesa. Oh, é difícil saber o que acontecendo. O que ele fará quando descobrir? Meu sangue corre frio. Algo me diz que Jack vai ficar irritado. Olho para o meu Blackberry e dou um sorriso. Há um e-mail de Joseph.



De: Joseph Jonas
Assunto: Nascer do sol
Para: Demetria Lovato
Adoro acordar com você na parte da manhã.
Joseph Jonas
Completamente & Totalmente Apaixonado CEO, Jonas Participações e
Empreendimentos Inc.


Acho que meu rosto se divide em dois com o meu sorriso e minha deusa interior dando saltos mortais sobre a sua espreguiçadeira.



De: Demetria Lovato
Assunto: Pôr do sol
Para: Joseph Jonas
Caro Completamente & Totalmente Apaixonado:
Eu amo acordar com você também. Mas eu adoro estar na cama com você e
em elevadores, e em pianos, e mesas de bilhar, e barcos, e escrivaninhas, e
chuveiros, e banheiras, e estranhas cruzes de madeira com algemas, e camas de
dossel com lençóis de cetim vermelho, e casas para barcos e quartos infantis.
Sua
Louca por Sexo e Insaciável, xx



De: Joseph Jonas
Assunto: Equipamento molhado
Para: Demetria Lovato
Cara Louca por Sexo e Insaciável
Eu acabei de cuspi café por todo o meu teclado. Eu não acho que isso já
tenha acontecido comigo antes. Eu admiro uma mulher que se concentra em
geografia. Terei que deduzir que você só me quer pelo meu corpo?
Joseph Jonas
Completamente & Totalmente Chocado CEO, Jonas Participações e
Empreendimentos Inc.




De: Demetria Lovato
Assunto: Rindo e molhada também
Para: Joseph Jonas
Caro Completamente & Totalmente Chocado
Sempre.
Eu tenho trabalho a fazer.
Pare de me incomodar.
LS & I, xx (los sexy)



De: Joseph Jonas
Assunto: Eu tenho que?
Para: Demetria Lovato
Cara SM & I (sadomasoquismo)
Como sempre, seu desejo é meu comando. Eu amo que você esteja rindo e
molhada. Até mais tarde, bebê.
X
Joseph Jonas,
Completamente & Totalmente Arrebatado, Chocado e Encantado CEO,
Jonas Participações e Empreendimentos Inc.



Eu coloco o Blackberry para baixo e continuo com meu trabalho. Na hora do almoço, Jack me pede para ir até a lanchonete pegar o seu almoço. Eu ligo para Joseph, logo que saio do escritório de Jack.


— Demetria. — Ele responde imediatamente, a sua voz cálida e amorosa.

Como é que este homem pode fazer-me derreter por telefone?

— Joseph, Jack me pediu para pegar o almoço.

— Bastardo preguiçoso, — Joseph se queixa.

Eu o ignoro e continuo.

— Então, eu estou indo buscá-lo. Pode ser útil se você me der o número de Sawyer, então eu não tenho que te incomodar.

— Não é nenhum incomodo, bebê.

— Você está sozinho?

— Não. Há seis pessoas olhando para mim neste momento se perguntando com que diabos eu estou falando.

Merda...

— Sério? — Eu suspiro, em pânico.
— Sim. Realmente. Minha namorada, — ele anuncia longe do telefone.

Caramba!

— Eles provavelmente pensavam que você fosse gay, você sabe.

Ele ri.

— Sim, provavelmente. — Eu ouço seu sorriso.

— Er, é melhor eu ir. — Tenho certeza que ele pode dizer como estou envergonhada de tê-lo interrompido.

— Eu vou deixar Sawyer saber. — Ele ri novamente.
— Você já teve noticias do seu amigo?

— Ainda não. Você será o primeiro a saber, Sr. Jonas.

— Ótimo. Até mais tarde, bebê.

— Tchau, Joseph. — Eu sorrio. Toda vez que ele diz isso, me faz sorrir... tão Cinquenta, mas de alguma forma tão ele também.

Quando eu saio momentos depois, Sawyer está esperando na porta do edifício.

— Srta. Lovato, — ele me cumprimenta formalmente.

— Sawyer. — Eu aceno em resposta e vamos juntos para a lanchonete.


               Eu não me sinto tão confortável com Sawyer como eu fico com Taylor. Ele verifica constantemente a rua enquanto nós fazemos o nosso caminho ao longo do bloco. Ele realmente me deixa mais nervosa, e eu me vejo refletindo suas ações. Leila está lá fora? Ou estamos todos infectados pela paranoia de Joseph? É esta a parte de seus Cinquenta Tons? O que eu daria por meia hora de discussões francas com o Dr. Flynn, para descobrir. Não há nada de errado, apenas a hora do almoço em Seattle, as pessoas correndo para o almoço, compras com amigos, reuniões. Eu vejo duas mulheres se abraçando quando elas se encontram. Eu sinto falta de Miley. Faz apenas duas semanas desde que ela me deixou para suas férias, mas parecem as duas semanas mais longas da minha vida. Tanta coisa aconteceu. Ela nunca vai acreditar em mim quando eu contar a ela. Bem, dizer a ela a versão editada, obedecendo ao NDA. Eu franzo a testa. Vou ter que conversar com Joseph sobre isso. O que a Miley faria com ele? Eu embranqueço
com o pensamento. Talvez ela esteja de volta com Ethan. Sinto uma onda de excitação com a ideia, mas eu acho que é improvável. Ela ficaria com o Elliot certamente.


— Onde você fica quando você está esperando e observando de fora? — Pergunto a Sawyer enquanto entramos na fila para o almoço. Sawyer está na minha frente, de frente para a porta, monitorando continuamente a rua e qualquer pessoa que entra. É enervante.

— Sento-me no café do outro lado da rua, Srta. Lovato.

— Não fica muito chato?

— Não para mim, minha senhora. É o que eu faço, — ele diz secamente.

Eu enrubesço.

— Desculpe, eu não quis insinuar... — Minha voz sai do rumo, entendendo sua expressão.

— Por favor, senhorita Lovato. Meu trabalho é proteger você. E é isso que vou fazer.

— Assim, nenhum sinal de Leila?

— Não, senhora.

Eu franzo a testa.

— Como você sabe como ela se parece?

— Eu vi a sua fotografia.

— Oh, você tem isso com você?

— Não, senhora. — Ele aponta sua cabeça.
— Gravado na memória.


                 Claro. Eu realmente gostaria de analisar uma fotografia de Leila para ver como ela era antes de se tornar uma menina fantasma. Gostaria de saber se Joseph iria me deixar ter uma cópia? Sim, ele provavelmente iria, para minha segurança. Eu crio um plano, e meu subconsciente se alegra e acena com a cabeça em aprovação.


                As brochuras chegam ao escritório, e eu tenho que dizer, elas parecem ótimas. Eu levo uma ao escritório de Jack. Seus olhos brilham, e eu não sei se é por mim ou pelo folheto. Eu escolho acreditar que é o último.

— Este está ótimo, Demi. — O revisa animadamente
— Sim, bom trabalho. Você irá ver o seu namorado esta noite? — Seu lábio se enrola quando ele diz
namorado.

— Sim. Nós vivemos juntos. — É uma espécie de verdade. Bem, é o que fazemos no momento. E concordei oficialmente em me mudar, por isso não é muito mais do que uma mentira branca. Espero que isso seja o suficiente para rechaçá-lo.

— Será que ele iria se opor de você sair uma noite para uma bebida rápida?

Para celebrar todo seu trabalho duro?

— Eu tenho um amigo que vem de fora da cidade hoje à noite, e todos nós vamos sair para jantar. 
— E eu vou estar ocupada todas as noites, Jack.

— Eu vejo. — Ele suspira, irritado.
— Talvez quando eu voltar de Nova York, hein? — Ele levanta as sobrancelhas, na expectativa, e seu olhar escurece sugestivamente.

Ah, não. Eu sorrio, evasiva, sufocando um tremor.

— Você gostaria de um café ou chá? — Eu pergunto.

— Café, por favor. — Sua voz é baixa e rouca, como se ele estivesse pedindo outra coisa. Foda-se. Ele não vai recuar. Eu posso ver isso agora. Oh... O que fazer?

xxx


               Eu respiro um longo suspiro de alívio quando eu estou fora de seu escritório. Ele me faz ficar tensa. Joseph está certo sobre ele, e uma parte de mim está chateada que Joseph esteja certo sobre ele.
Sento-me na minha mesa e meu Blackberry toca um número que não reconheço.

— Demi Lovato.

— Oi, Lovato! — O sotaque de Ethan me pega momentaneamente desprevenida.

— Ethan! Como você está? — Eu quase engasgo de prazer.

— Fico feliz em estar de volta. Eu estou seriamente cansado de sol e ponches de rum, e minha irmãzinha está totalmente apaixonada por um grandalhão. Tem sido um inferno, Demi.

— Sim! Mar, areia, sol, ponche de rum soa como o Inferno de Dante. — Eu dou risadinha.
— Onde você está?

— Estou no Sea-Tac, aguardando pela minha bagagem. O que você está fazendo?
— Eu estou no trabalho. Sim, eu sou uma empregada remunerada, — eu respondo ao seu suspiro.
— Você quer vir aqui e pegar as chaves? Eu posso te encontrar mais tarde no apartamento.

— Parece ótimo. Vejo você em cerca de 45 minutos, uma hora talvez? Qual é o endereço?

Dou-lhe o endereço do SIP.

— Vejo você em breve, Ethan.

— Até mais tarde, — ele diz e desliga. O quê? Não, Ethan também? E isso que ele passou apenas uma semana com Elliot. Eu rapidamente digito um e-mail para Joseph.


De: Demetria Lovato
Assunto: Visitantes de climas ensolarados.
Para: Joseph Jonas
Querido Completamente & Totalmente AC & E
Ethan está de volta, e ele está vindo aqui para recolher as chaves para o
apartamento.
Eu realmente gostaria de saber se está tudo resolvido bem.
Por que você não me pega depois do trabalho? Nós podemos ir para o
apartamento em seguida, todos nós podemos sair para uma refeição, talvez?
Por minha conta?
Sua
Demi, x
Ainda LS & I
Demetria Lovato
Assistente de Jack Hyde, Coordenador Editorial, SIP


De: Joseph Jonas
Assunto: Jantar fora
Para: Demetria Lovato
Estou de acordo com seu plano. Exceto a parte de você pagar!
Por minha conta. Eu vou buscá-la às 6:00.
X
PS: Por que você não está usando o seu Blackberry!
Joseph Jonas
Completamente e Totalmente Irritado, CEO, Jonas Participações e
Empreendimentos Inc.



De: Demetria Lovato
Assunto: Prepotência
Para: Joseph Jonas
Oh, não seja tão mal-humorado e zangado.
E está tudo em código.
Eu te vejo às 6:00.
Demi, x
Demetria Lovato
Assistente de Jack Hyde, Coordenador Editorial, SIP


De: Joseph Jonas
Assunto: Mulher enlouquecedora
Para: Demetria Lovato
Mal-humorado e zangado! Vou te dar o mal-humorado e zangado.
E ansioso para isso.
Joseph Jonas,
Completamente e Absolutamente Mais Irritado, mas sorrindo por alguma
razão desconhecida, CEO, Jonas Participações e Empreendimentos Inc.


De: Demetria Lovato
Assunto: Promessas. Promessas.
Para: Joseph Jonas
Faça então, Sr. Jonas
Estarei ansiosa também. ;D
Demi, x
Demetria Lovato
Assistente de Jack Hyde Editor, Comissionamento, SIP



               Ele não respondeu, mas eu não esperava que ele respondesse. Imagino-o gemer sobre sinais misturados, e o pensamento me faz sorrir. Eu sonho um pouco sobre o que ele poderia fazer para mim, mas me vejo me deslocando sobre a minha cadeira. Meu subconsciente olha para mim com desaprovação sobre
seus óculos de meia lua para o trabalho. Um pouco mais tarde, meu telefone vibra. É Claire da recepção.


— Há um cara bonito na recepção para vê-la. Temos de sair para bebidas em algum momento, Demi. Tenho certeza que você conhece alguns caras gostosos, — ela sussurra conspirando através do telefone.


Ethan! Agarrando as minhas chaves da minha bolsa, corro até a recepção. Caramba, cabelo loiro branqueado pelo sol, bronzeado de morrer, e brilhantes olhos castanhos olham para mim a partir do sofá de couro verde. Assim que ele me vê, com a boca caída aberta, e ele está em pé vindo à minha direção.


— Uau, Demi. — Ele franze a testa para mim enquanto ele se inclina para me dar abraço.

— Você parece bem. — Eu sorrio para ele.

— Você parece... nossa, diferente. Mundana, mais sofisticada. O que aconteceu? Você mudou o cabelo? Roupa? Eu não sei, Lovato, mas você está quente!

Eu coro furiosamente.

— Oh, Ethan. É apenas minhas roupa de trabalho, — eu ralho enquanto

Claire olha com uma sobrancelha arqueada e um sorriso irônico.

— Como foi Barbados?

— Divertido, — ele diz.

— Quando Miley está de volta?

— Ela e Elliot estão voando de volta na sexta-feira. Eles estão bastantes sérios um com o outro. — Ethan revira os olhos.

— Eu sinto saudades dela.

— Sim? Como você tem feito com o Sr. Magnata?

— Sr. Magnata? — Eu rio em silencio.
— Bem, tem sido interessante. Ele está nos levando para jantar esta noite.

— Legal. — Ethan parece genuinamente satisfeito. Ufa!

— Aqui. — Eu lhe entrego as chaves.
— Você tem o endereço?

— Sim. Até mais tarde. — Ele se inclina e beija minha bochecha.

— Expressão de Elliot?

— Sim, do tipo que fica em você.

— Ele faz. Até mais tarde. — Eu sorrio para ele enquanto ele recolhe a sua grande bolsa de ombro, ao lado do sofá verde e sai do prédio. Quando me viro, Jack está me olhando do outro lado do hall de entrada,
sua expressão ilegível. Eu sorrio intensamente para ele e volto para minha mesa, sentindo os seus olhos em mim o tempo todo. Isso está começando a me dar nos nervos. O que fazer? Eu não tenho ideia. Vou ter que esperar até que Miley esteja de volta. Ela saberá o que fazer. O pensamento dissipa o meu humor sombrio, e eu pego o próximo manuscrito. Cinco para as seis, meu telefone vibra. É Joseph.


— Mal-humorado e zangado aqui, — ele diz e eu sorrio. Ele ainda é o Cinquenta brincalhão. Minha deusa interior está batendo palmas com alegria como uma criança pequena.

— Bem, está é a Louca por sexo e Insaciável. Imagino que você esteja aqui fora? — Pergunto secamente.

— Eu estou de fato, Srta. Lovato. Ansioso para ver você. — Sua voz é quente e sedutora, e meu coração palpita loucamente.

— Idem, Sr. Jonas. Já saio. — Eu desligo.

Eu desligo meu computador e reúno a minha bolsa e o casaco de lã creme.

— Eu estou indo agora, Jack, — eu chamo ao passar.

— Ok, Demi. Obrigado por hoje, querida! Tenha uma ótima noite.

— Você também.

                Porque ele não pode ser assim o tempo todo? Eu não o entendo. O Audi está estacionado na calçada, e Joseph sai quando me aproximo. Ele pegou o paletó, e ele está usando as calças cinzentas, as minhas favoritas que pendem de seus quadris dessa forma. Como esse deus grego pode significar algo para mim? Encontro-me sorrindo em resposta ao seu próprio sorriso idiota. Ele passou o dia inteiro agindo como um namorado apaixonado, apaixonado por mim. Este adorável, homem complexo, imperfeito, é apaixonado
por mim, e eu por ele. Uma alegria explode inesperadamente dentro de mim, e eu saboreio o momento, sentindo que, brevemente, eu poderia conquistar o mundo.

— Srta. Lovato, você parece tão cativante como estava esta manhã. — Joseph me puxa em seus braços e me beija profundamente.

— Sr. Jonas, assim como você.

— Vamos pegar o seu amigo. — Ele sorri para mim e abre a porta do carro.


               Enquanto Taylor vai para o apartamento, Joseph me conta seu dia, muito melhor do que ontem, ao que parece. Eu olho para ele com adoração enquanto ele tenta explicar algum avanço que o departamento de ciência ambiental fez na WSU em Vancouver. Suas palavras significam muito pouco para
mim, mas estou encantado com sua paixão e interesse por este assunto. Talvez seja isso que ele vai ser, dias bons e dias maus, e se os bons dias são assim, não vou ter muito do que reclamar. Ele me entrega uma folha de papel.

— Estes são os horários que Claude está livre esta semana, — ele diz.

Oh! O treinador.

Ao chegarmos ao meu prédio, ele pega o seu Blackberry do bolso.

— Jonas, — ele responde.
— Ros, o que é? — Ele escuta atentamente, e posso dizer que é uma conversa empolgada.

— Eu vou ir buscar Ethan. Eu estarei de volta daqui dois minutos, — encosto na boca de Joseph e mostro dois dedos.

Ele balança a cabeça, obviamente distraído com a chamada. Taylor abre a minha porta, sorrindo para mim calorosamente. Sorrio para ele, e Taylor acena. Pressiono o interfone e grito com alegria para ele.


— Oi, Ethan, sou eu. Deixe-me entrar.


               Há zumbidos na porta, e eu vou lá para cima, no apartamento. Ocorre-me que eu não venho aqui desde a manhã de sábado. Isso parece muito tempo atrás. Ethan gentilmente deixou a porta da frente aberta. Eu entro no apartamento, e eu não sei porque, mas eu congelo instintivamente, logo que eu entro. Eu levo um momento para perceber que é porque a figura pálida de pé no console da cozinha, segurando um revólver pequeno é Leila, e ela está olhando impassível para mim.




continua....
ops... Demi a menina fantasma achou você... comentem bastante que tento postar amanhã :)

Estão divulgando made in the usa? Gatonas, obrigada a quem comenta, quem está gostando da fic, me sinto honrada com o carinho de vocês <3 Não foi um hot, mas foi "meio hot" esse capítulo teve muitas emoções, elena, jack, brigas, reconciliação, troca de emails, ethan e agora leila.... o que será que ela vai fazer?
ps: todos os capítulos vão ser desse tamanho, "big"... mas tirei o "big" do título pq vcs já sabem agora :)

13 comentários:

  1. Meu estômago foi à a minha boca e voltou inúmeras vezes com esse capítulo MA-RA-VI-LHO-SO -!

    Por favor esse final foi chocante, quando posta? Estou tão ansiosa.

    ResponderExcluir
  2. Lindooooooo, posta amanha pelo amor de Deus, arrazou Lua

    ResponderExcluir
  3. Posta amanha Lua, meu coração vai sair pela boca

    ResponderExcluir
  4. OI LUA TUDO BEM
    EU TO ME COMENDO
    EU SEI QUE DEVO TE COBRAR PELO TWITTER
    MAS EU FICO SEM COMER
    EU TO AQUI MORRENDO DE FOME
    E SOBRE LEILA AQUELA VADIA
    BEIJO TE AMO X

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. SOCORRO CAMI, VOU POSTAR JKSDFNBSDKFND
      VC É LOUCA!!!1

      Excluir
  5. Oooi! Leitora nova aki, kkkk! tô amaaaaando sua fic Lua, como vc pode parar num momento de suspense como esse pelamordedeus!!!' POSTA POSTA POSTA POSTA POSTA POSTA se não eu vo fazer igual a cami ashu
    bjs, alice!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. oi alice, seja bem vinda!!! Obrigada por elogiar a fic, vou postar daqui a pouco pra matar a curiosidade de vcs ok?

      Excluir
  6. meu deus do ceu, socorro essa Leila tbm so estraga q merda, mas a fic ta maravilhosa, parabéns ;)

    ResponderExcluir