quarta-feira, 24 de julho de 2013

Cap.17- 2ª temporada parte 1

Hum.

Joseph está cheirando meu pescoço, enquanto eu lentamente acordo.

— Bom dia, bebê, — ele sussurra e da uma mordidinha em minha orelha.

              Meus olhos abrem agitados e fecham de novo rapidamente. A luz brilhante do início da manhã inunda o quarto, e sua mão macia está acariciando meu peito, suavemente me provocando. Descendo, agarra meu quadril deitando por trás de mim, segurando-me próximo. Estico-me ao lado dele, saboreando seu toque, e sentindo sua ereção contra meu traseiro. Oh Deus. Um convite para despertar de Joseph Jonas.

— Você está feliz em me ver, — eu murmuro sonolenta, contorcendo-me sugestivamente contra ele. Sinto o seu sorriso contra meu queixo.

— Estou muito contente de ver você, — ele diz, enquanto patina sua mão sobre minha barriga e para baixo para por as mãos em concha em meu sexo e explorá-lo com os dedos.

— Há vantagens concretas em acordar ao seu lado, Srta. Lovato, — brinca e gentilmente me vira, de modo que fico deitada de costas.

— Dormiu bem? — Pergunta enquanto seus dedos continuam a sua tortura sensual.

              Ele está sorrindo para mim, seu deslumbrante sorriso perfeito, de modelo masculino americano é de matar. Ele me tira o fôlego. Meus quadris começam a balançar ao ritmo da dança de seus dedos. Ele
me beija castamente nos lábios, e então se move para baixo para meu pescoço, beliscando lentamente, beijando, e chupando enquanto ele continua. Eu gemo. Ele é gentil e seu toque é leve e celestial. Seus dedos intrépidos se movem para baixo, colocando um lentamente dentro de mim, gemo baixinho admirada.

— Oh, Demi, — murmura reverenciando contra minha garganta.
— Você está sempre tão pronta. — Ele move o dedo ao mesmo tempo em que me beija, enquanto seus lábios viajam agradáveis por toda a minha clavícula e em seguida, até meu seio. Ele atormenta primeiro um, depois o outro mamilo com os dentes e os lábios, mas oh, tão gentilmente, e eles apertam e alongam em uma doce resposta.

Eu gemo.

— Hum, — ele rosna baixinho, e levanta a cabeça para dar-me um olhar com olhos cinza ardentes.
— Eu quero você agora. — Ele alcança a mesa de cabeceira. Desloca-se para cima de mim, pondo seu peso nos cotovelos, e esfregando seu nariz junto a mim, enquanto abro minhas pernas para ele. Ele ajoelha-se e rasga desfolhando a embalagem.

— Eu não posso esperar até sábado, — ele diz, com os olhos brilhando de alegria devassa.

— Sua festa? — Eu arquejo.

— Não. Para parar de usar essas porras.

— Acertadamente chamado. — Eu dou uma risadinha.

Ele sorri para mim, enquanto ele desenrola o preservativo.

— Você está rindo, Srta. Lovato?

— Não. — Eu tento e falho em endireitar meu rosto.

— Agora não é hora para rir. — Ele balança a cabeça em advertência, e sua voz está baixa, severa, mas sua expressão, puta merda, é glacial e vulcânica de uma só vez.

Fico com a respiração presa na minha garganta.

— Eu pensei que gostasse quando dou risada, — sussurro rouca, olhando para as profundezas escuras de seus olhos tempestuosos.

— Agora não. Há um tempo e um lugar para rir. Este não é. Preciso parar você, e acho que sei como, — diz ameaçadoramente, e seu corpo cobre o meu.



xxx



— O que você gostaria para o café, Demi?

— Só quero um pouco de granola. Obrigado, Sra. Jones.

               Eu ruborizo, enquanto tomo meu lugar no balcão ao lado de Joseph. A última vez que pus os olhos sobre a tão afetada e apropriada Sra. Jones, estava sendo arrastada sem a menor cerimônia para o quarto, por cima do ombro de Joseph.

— Você está linda, — Joseph diz baixinho. Estou usando minha saia lápis cinza e minha blusa cinza de seda novamente.

— Você também. — Eu sorrio timidamente para ele. Ele está vestindo uma camisa azul pálida e jeans, e parece bem, refrescado e perfeito, como sempre.

— Devemos comprar-lhe mais algumas saias, — fala o assunto com naturalidade.
— Na verdade, eu adoro levá-la às compras.

Hum, compras. Eu odeio fazer compras. Mas, com Joseph, talvez isto não vá ser tão ruim. Eu decido que a distração é a melhor forma de defesa.

— Eu me pergunto o que vai acontecer no trabalho hoje?

— Eles vão ter que substituir o miserável. — Joseph desaprova franzindo a testa, como se estivesse acabado de pisar em algo extraordinariamente desagradável.

— Espero que eles aceitem uma mulher como minha nova chefe.

— Por quê?

— Bem, é menos provável que você se oponha que eu vá embora com ela, — eu o provoco.

Seus lábios se contorcem e ele começa a comer sua omelete.

— O que há de tão engraçado? — Eu pergunto.

— Você. Coma sua granola, toda ela, se isso é tudo o que você vai comer.

Mandão como sempre. Eu retorço meus lábios para ele, mas começo a comer.

xxx


— Então, a chave fica aqui. — Joseph aponta para a ignição abaixo da alavanca de marchas.

— Lugar estranho, — eu murmuro.

               Mas estou muito satisfeita com cada pequeno detalhe, praticamente pulando como uma criança pequena no banco de couro confortável. Joseph finalmente me deixa conduzir o meu carro. Ele me
considera friamente, embora seus olhos estejam iluminados com humor.

— Você está muito entusiasmada com isso, não é? — ele murmura, divertido.

Concordo com a cabeça, sorrindo como uma idiota.

— Só de sentir o cheiro de carro novo. Isto é ainda melhor do que o Especial Submisso... hum, o A3, — eu adiciono rapidamente, corando.

Joseph torce a boca.

— Especial Submisso, hein? Você tem um jeito com as palavras, Srta. Lovato. — Ele se inclina para trás com um olhar falso de reprovação, mas não pode me enganar. Eu sei que está se divertindo.

— Bem, vamos lá. — Ele acena com a mão de dedos longos em direção à entrada da garagem.

               Eu bato palmas, ligo o carro, e o motor ronrona com vida. Colocando a alavanca de câmbio na unidade, eu alivio o pé do freio e o Saab move-se suavemente para á frente. Taylor dá partida com o Audi atrás de nós e assim que os portões da garagem se erguem, segue-nos para fora do Escala para a rua.

— Podemos ligar o rádio? — Eu pergunto enquanto esperamos o primeiro sinal de parada.

— Eu quero que você se concentre, — ele diz bruscamente.

— Joseph, por favor, posso dirigir com a música tocando. — Reviro os olhos. Ele franze a testa por um momento e então liga o rádio.

— Você pode tocar o seu iPod e MP3, como também os CDs nisto, — ele murmura.

Os tons muito alto e suaves do The Police, de repente enchem o carro.

Joseph abaixa a música. Hum...

— King of Pain.(rei da dor)

— O seu hino, — brinco com ele, então, instantaneamente me arrepender quando sua boca aperta em uma linha fina. Ah, não.

— Eu tenho esse álbum, em algum lugar. — Continuo às pressas para distraí-lo. Hum... em algum lugar do apartamento que eu passei muito pouco tempo dentro.


               Pergunto-me como Ethan está. Eu deveria tentar ligar para ele hoje. Não vou ter muito que fazer no trabalho. Ansiedade floresce em meu estômago. O que vai acontecer quando eu chegar ao escritório? Será que todo mundo sabe sobre Jack? Será que todos sabem do envolvimento de Joseph? Será que ainda tenho um emprego? Puxa se não tenho um emprego, o que vou fazer? Casar com o Gazilionaire, Demi! Meu subconsciente tem sarcasmo em seu rosto. Eu ignoro a voraz cadela.

— Ei, Senhorita boca esperta. Volte. — Joseph me arrasta para o aqui e agora, quando eu entro em movimento para o semáforo seguinte.

— Você está muito distraída. Concentre-se, Demi, — ele repreende.
—Acidentes acontecem quando você não se concentra.

               Oh, pelo amor de Deus, e de repente estou catapultado de volta no tempo para quando Ray estava me ensinando a dirigir. Eu não preciso de outro pai. Um marido talvez, um marido bizarro. Hum.

— Estou apenas pensando no trabalho.

— Bebê, você vai ficar bem. Confie em mim. — Joseph sorri.

— Por favor, não interfira, eu quero fazer isso sozinha. Joseph, por favor. É importante para mim, — digo tão suavemente quanto possível. Não quero discutir. Sua boca apresenta mais uma vez uma teimosa linha severa, e acho que ele vai me repreender novamente.

Ah, não.

— Não vamos discutir Joseph. Tivemos uma manhã maravilhosa. E a
noite passada foi... —As palavras me faltam, ontem à noite foi...
— um paraíso.

Ele não diz nada. Olho para ele e seus olhos estão fechados.

— Sim. Um Paraíso, — ele diz baixinho.
— Eu quis dizer o que disse.

— O quê?

— Não pretendo deixar você ir.

— Eu não quero ir.

Ele sorri, e é esse sorriso novo e tímido que dissolve tudo em seu caminho. Cara, ele é poderoso.

— Ótimo, — ele diz simplesmente, e visivelmente relaxa.

Eu dirijo para o estacionamento a meio quarteirão da SIP.

— Vou levá-la para trabalhar. Taylor vai me buscar lá, — Joseph oferece.

               Eu escalo para fora do carro, limitada pela minha saia lápis, enquanto Joseph sai graciosamente, à vontade com seu corpo ou dando a impressão de alguém à vontade com seu corpo. Hum... alguém que não pode suportar ser tocado não pode estar tão à vontade. Eu olho carrancuda para meu pensamento errante.

— Não se esqueça de que veremos Flynn as sete esta noite, — ele diz, enquanto segura minha mão para que eu saia. Eu pressiono a tranca da porta e tomo sua mão.

— Eu não vou esquecer. Eu vou compilar uma lista de perguntas para ele.

— Perguntas? Sobre mim?

Concordo com a cabeça.

— Eu posso responder a quaisquer perguntas que você tenha sobre mim. — Joseph olha afrontado.

Eu dou um sorriso para ele.

— Sim, mas eu quero a opinião imparcial do charlatão dispendioso.

Ele franze o cenho e, de repente me puxa para o seu abraço, segurando minhas mãos firmemente em minhas costas.

— Isto é uma boa ideia? — ele diz, em voz baixa e rouca. Eu me inclino para trás para ver a grande e profunda ansiedade iminente em seus olhos. Isto rasga minha alma.

— Se você não quiser, eu não vou. — Fico olhando para ele, piscando, querendo acariciar a preocupação de seu rosto. Puxo uma de minhas mãos e ele a solta. Toco seu rosto ternamente, esta suave com a barba feita esta manhã.

— O que está preocupando você? — Eu pergunto minha voz suave e calma.

— Que você vá embora.

— Joseph, quantas vezes tenho que dizer: não vou a lugar algum. Você já me contou o pior. Eu não vou te deixar.

— Então por que você não me respondeu?

— Respondeu-lhe? — Murmuro sem ingenuidade.

— Você sabe do que eu estou falando, Demi.

Suspiro.

— Eu quero saber se sou suficiente para você, Joseph. Isso é tudo.

— E você não vai aceitar minha palavra? — ele diz exasperado, liberandome.

— Joseph, tudo isto foi muito rápido. E você mesmo admitiu que você tem Cinquenta Tons Fodidos. Eu não posso dar o que você precisa, — murmuro.
—Não é só por mim. Mas isso me faz sentir inadequada, especialmente ao vê-lo com Leila. Quem pode dizer que um dia você não vá encontrar alguém que gosta de fazer o que você faz? E quem pode dizer que não vai, você sabe... se apaixonar por ela? Alguém muito mais adequado às suas necessidades. — O pensamento de Joseph com mais alguém me deixa doente. Olho para os meus dedos atados.

— Eu conheço muitas mulheres que gostam de fazer o que eu gosto. Nenhuma delas me chamou a atenção da maneira como você fez. Eu nunca tive uma conexão emocional com nenhuma delas. Sempre foi você, Demi.

—Porque você nunca lhes deu uma chance. Você passou muito tempo trancado em sua fortaleza, Joseph. Olha, vamos discutir isso mais tarde. Eu tenho que ir trabalhar. Talvez o Dr. Flynn possa oferecer-nos a sua percepção. — Isto tudo é muito pesado para uma discussão em um estacionamento às oito e cinquenta da manhã, e Joseph, por sua vez, parece concordar.

Ele acena com a cabeça, mas seus olhos estão cautelosos.

— Venha, — ele ordena, estendendo a mão.

Quando chego a minha mesa, encontro um bilhete pedindo para que eu vá direto para o escritório de Elizabeth. Meu coração salta em minha boca. Oh, é isso. Vou ser demitida.

— Demetria. — Elizabeth sorri gentilmente, acenando para uma cadeira diante de sua mesa. Sento-me e a olho com expectativa, esperando que ela não possa ouvir meu coração batendo. Ela alisa o grosso cabelo preto, e observa-me, com sombrios olhos azuis claros.

— Tenho uma notícia um pouco triste.

Triste! Ah, não.

— Eu a chamei para informá-la que Jack deixou a empresa de repente.

Eu ruborizo. Isto não é triste para mim. Devo dizer-lhe que sei?

— Sua partida bastante apressada deixou uma vaga, e nós gostaríamos que você preenchesse-a neste momento, até encontrarmos um substituto.

O quê? Eu sinto o sangue subir para minha cabeça. Eu?

— Mas, só estou aqui há uma semana mais ou menos.

— Sim, Demetria, eu entendo, mas Jack sempre foi um defensor de suas habilidades. Ele tinha grandes esperanças para você.

Eu paro de respirar. Ele tinha grandes esperanças de me conseguir deitada de costas, com certeza.

— Aqui está uma descrição detalhada do trabalho. De uma boa olhada nisto, e nós podemos discutir isso hoje à tarde. 

— Mas...

— Por favor, sei que isso é repentino, mas você já fez contato com os autores principais de Jack. Suas anotações nos capítulos não passaram despercebidas pela comissão dos outros editores. Você tem uma mente perspicaz, Demetria. Todos nós pensamos que pode fazê-lo.

— Ok. — Isto é surreal.

— Olhe, pense nisso. Neste meio tempo, você pode assumir o cargo de Jack.

Ela está efetivamente dispensando-me, e estende a mão. Eu sacudo-a em completo torpor.

— Estou feliz que ele se foi, — ela sussurra e um olhar assombrado cruza seu rosto. Puta merda. O que ele fez com ela?

De volta à minha mesa, eu pego meu Blackberry e chamo Joseph. Ele responde no segundo toque.

— Demetria. Você está bem? — Pergunta preocupado.

— Eles simplesmente deram o trabalho de Jack para mim, temporariamente — eu deixo escapar.

— Você está brincando, — ele sussurra, chocado.

— Você tem alguma coisa a ver com isso? — Minha voz soa mais acentuada do que quero que seja.

— Não... não, absolutamente. Quero dizer, com todo o respeito, Demetria, você só está aí há uma semana ou menos, não quero dizer isto de maneira rude.

— Eu sei. — Eu franzo a testa.
— Aparentemente, Jack realmente me avaliou.

— Ele o fez? — O tom de Joseph é gelado e depois ele suspira.
— Bem, bebê, se eles acham que você pode fazê-lo, tenho certeza que você pode. Parabéns. Talvez devêssemos comemorar depois que vermos Flynn.

— Hum. Tem certeza de que não tem nada a ver com isso?

Ele fica em silêncio por um momento, e então diz em voz baixa ameaçadora.

— Você duvida de mim? Irrita-me que você o tenha.

Eu engulo. Cara, ele fica bravo com tanta facilidade.

— Sinto muito, — suspiro, repreendida.

— Se você precisar de alguma coisa, me avise. Eu vou estar aqui. E Demetria?

— O quê?

— Use o seu Blackberry, — acrescenta laconicamente.

— Sim, Joseph.

Ele não desliga como eu espero que o faça, mas respira profundamente.

— Falo sério. Se você precisar de mim, estou aqui. — Suas palavras são muito mais suaves, conciliadora. Oh, ele é tão volátil... suas mudanças de humor são como um metrônomo fixado em urgente.

— Ok, murmuro. — É melhor eu ir. Tenho que mudar de escritório.

— Se você precisar de mim. E falo sério sobre isto, — ele murmura.

— Eu sei, obrigado, Joseph. Eu te amo.

Sinto o seu sorriso do outro lado do telefone. Ganhei-o de volta.

— Eu também te amo, bebê. — Oh, nunca vou cansar de que ele diga essas palavras para mim?

— Eu falo com você depois.

— Até mais, bebê.

               Desligo e olho para o escritório de Jack. Meu escritório. Puta merda Demetria Lovato, Coordenadora Editorial Interina. Quem teria pensado? Eu deveria pedir mais dinheiro. O que Jack pensaria se soubesse? Tremo só de pensar e me pergunto tolamente, como ele passou a manhã, não em Nova York como esperava. Eu passeio por seu... meu escritório, sentando-me à mesa, e começo a ler a descrição do trabalho. Ao meio dia e meia, Elizabeth me chama.


— Demi, precisamos de você em uma reunião à uma hora na diretória. Jerry Roach e Kay Bestie vão estar lá, você sabe, o presidente da empresa e o vicepresidente? Todos os Coordenadores Editoriais serão atendidos.

Merda!

— Preciso preparar alguma coisa?

— Não, este é apenas um encontro informal que fazemos uma vez por mês. O almoço será fornecido.

— Estarei lá. — Eu desligo.


               Puta merda! Eu verifico a lista atual de autores de Jack. Sim, eu tenho praticamente tudo fixado. Tenho os cinco manuscritos que ele estava defendendo, além de mais dois, realmente espero que sejam considerados para publicação. Respiro profundamente, não posso acreditar que é hora do almoço já. O dia voou, e estou amando isso. Houve tanta coisa para absorver esta manhã. O som da minha agenda anuncia um compromisso. Oh não... Mia! Com toda a empolgação eu esqueci sobre o nosso almoço. Eu pesco meu Blackberry e tento desesperadamente encontrar o número do telefone dela. Meu telefone vibra.

— É ele, na recepção. —A voz de Claire é silenciosa.

— Quem? — Por um momento, eu acho que pode ser Joseph.

— O deus loiro.

— Ethan?

Oh, o que ele quer? Imediatamente sinto-me culpada por não tê-lo chamado.



Ethan, vestido com uma camisa xadrez azul, camiseta branca e jeans, encara-me quando apareço.

— Uou! 
— Você está sexy, Lovato, — ele diz, balançando a cabeça em aprovação. Ele me dá um abraço rápido.

— Está tudo bem? — Eu pergunto.

Ele franze a testa.

— Tudo bem, Demi. Eu só queria te ver. Eu não ouço falar de você há algum tempo, e queria ver como o Sr. Mogul está tratando você.

Eu ruborizo e não posso evitar meu sorriso.

— Ok! — Ethan exclama, erguendo suas mãos.
— Eu posso dizer pelo sorriso secreto. Não quero saber mais nada. Vim apenas na possibilidade que você possa almoçar. Estou me matriculando na Seattle no curso de psicologia em setembro. Para o meu mestrado.

— Oh Ethan. Tanta coisa aconteceu. Eu tenho uma tonelada de coisas para lhe contar, mas agora, não posso. Tenho uma reunião. — Uma ideia me bate rápido.
— Gostaria de saber se pode me fazer um grande, grande, grande favor? — Eu fecho minhas mãos em súplica.

— Claro, — ele diz, confuso pela minha súplica.

— Eu tenho que almoçar com a irmã de Joseph e Elliot, mas não posso pegá-la, e esta reunião acaba de ser lançada para mim. Por favor, você pode levá-la para almoçar? Por favor?

— Ah, Demi! Eu não quero bancar a baba de nenhuma pirralha.

— Por favor, Ethan. — Eu lhe açoito com o mais longo, grande olhar que eu posso gerir. Ele revira os olhos e eu sei que consegui.

— Você vai cozinhar alguma coisa para mim? — Resmunga.

— Claro, qualquer coisa, sempre.

— Então, onde ela está?

— Ela é esperada aqui a qualquer momento. 

E, como se fosse uma deixa, eu ouço sua voz.

— Demi, — ela chama da porta da frente.

               Ambos viramos, e lá está ela, toda curvilínea e alta com seu lustroso cabelo chanel preto, vestindo um curto vestido verde-menta, e combinando com escarpim de salto alto com tiras em torno de seus tornozelos finos. Ela parece estonteante.

— A pirralha? — ele sussurra, escancarado-a.

— Sim. A pirralha que precisa de babá, — eu sussurro de volta.
— Oi, Mia. — Dou-lhe um abraço rápido, enquanto ela olha descaradamente para Ethan.

— Mia este é Ethan, irmão de Miley.

Ele balança a cabeça, as sobrancelhas erguidas de surpresa. Mia pisca várias vezes, quando lhe dá a mão.

— Encantado em conhecê-la, — Ethan murmura suavemente e Mia pisca novamente — silenciosa pela primeira vez. Ela cora.

Puta Merda. Eu não acho que já a tenha visto corar.

— Eu não posso ir almoçar, — digo sem muita convicção.
—Ethan concordou em levá-la, se estiver tudo bem? Podemos remarcar?

— Claro, — ela diz calmamente. Mia quieta, isto é novidade.

— Sim, vou levá-la. Até mais tarde, Demi, — Ethan diz, oferecendo seu braço à Mia. Ela aceita com um sorriso tímido.

—Tchau, Demi. — Mia se vira para mim e move a boca,
— Oh... Meu... Deus! —Me dando uma piscadela exagerada. Caramba... ela gostou dele! Aceno quando
eles deixam o prédio.

              Quero saber qual a atitude de Joseph sobre o encontro desua irmã? O pensamento me deixa inquieta. Ela tem a minha idade, então ele não pode se opor, não é? É com Joseph que estamos lidando. Meu subconsciente sarcástico está de volta, calando minha boca, casaquinho e bolsa na dobra do seu braço. Eu sacudo a imagem. Mia é uma mulher adulta e Joseph pode ser razoável, não pode? Eu descarto o pensamento e volto para o escritório de Jack...a... meu escritório para preparar a reunião. São três e meia quando volto. A reunião correu bem. Eu ainda consegui a aprovação para o progresso de dois manuscritos que estava defendendo. É uma sensação inebriante. Sobre a minha mesa está uma enorme cesta de vime, cheia de deslumbrantes rosas brancas e frescas. Uou, a fragrância é simplesmente celestial. Eu sorrio quando pego o cartão. Eu sei quem os enviou.


Parabéns, Srta. Lovato
E tudo por conta própria!
Sem a ajuda de seu super amigável, vizinho, megalomaníaco CEO, Amor Joseph


Eu pego meu Blackberry e mando um e-mail para ele.




De: Demetria Lovato
Assunto: Megalomaníaco. . .
Para: Joseph Jonas
... é o meu tipo favorito de maníaco. Obrigado pelas belas flores. Elas
chegaram em uma cesta de vime enorme, que me faz pensar em piqueniques e
cobertores.
Dx


De: Joseph Jonas
Assunto: Ar Fresco
Para: Demetria Lovato
Maníaco, hein? O Dr. Flynn pode ter algo a dizer sobre isto. Você quer ir a
um piquenique?
Poderíamos nos divertir ao ar livre, Demetria... Como seu dia está indo,
bebê?
Joseph Jonas
CEO, Jonas Participações e Empreendimentos Inc.

Oh meu Deus. Eu ruborizo ao ler sua resposta.


De: Demetria Lovato
Assunto: Agitado
Para: Joseph Jonas
O dia voou. Eu quase não tive um momento para pensar em nada além do
trabalho.
Acho que posso fazer isso! Conversamos mais, quando chegar em casa.
Ao ar livre soa... interessante.
Amo você.
D x
PS: Não se preocupe com o Dr. Flynn.


              Meu telefone vibra. É Claire da recepção, desesperada para saber quem enviou as flores e o que aconteceu com Jack. Trancada no escritório o dia todo, eu perdi a fofoca. Digo-lhe rapidamente que as flores são do meu namorado, e que sei muito pouco sobre a saída de Jack. Meu Blackberry vibra e recebo outro e-mail de Joseph.



De: Joseph Jonas
Assunto: Vou tentar. . .
Para: Demetria Lovato
... não me preocupar.
até mais tarde, bebê.
X
Joseph Jonas
CEO, Jonas Participações e Empreendimentos Inc.



               Às cinco e meia, arrumo minha mesa. Não posso acreditar o quão rápido o dia passou. Eu tenho que voltar ao Escala, e me preparar para receber o Dr. Flynn. Nem sequer tive tempo de pensar nas perguntas. Talvez hoje nós possamos ter um primeiro encontro, e talvez Joseph deixe-me vê-lo novamente. Livro-me do pensamento saio do escritório, acenando um rápido adeus a Claire. Também tenho o aniversário de Joseph para pensar. Eu sei o que vou lhe dar. Eu gostaria que ele recebesse hoje à noite, antes de nosso encontro com Flynn, mas como? Ao lado do estacionamento lotado, tem uma pequena loja
vendendo bugigangas turísticas. A inspiração me bate e eu entro. Joseph está de pé com seu Blackberry, olhando para a parede de vidro, quando entro na grande sala, meia hora depois. Virando-se, ele sorri para mim e finaliza sua chamada.

— Ros, isso é ótimo. Diga a Barney e vamos a partir daí... Tchau.


Avançando para mim, enquanto estou parada timidamente na entrada. Ele trocou-se agora para uma camiseta branca e jeans, todo garoto malvado e ardente.

Uau.

— Boa noite, Srta. Lovato, — murmura e se inclina para me beijar.
— Parabéns pela sua promoção. — Envolvendo seus braços a minha volta. Ele cheira delicioso.

— Você tomou banho.

— Acabei de me exercitar com Claude.

— Oh.

— Consegui derrubá-lo de bunda duas vezes. — Joseph irradia, como um menino, satisfeito consigo mesmo. Seu sorriso é contagiante.

— Isso não acontece muitas vezes?

— Não. É muito gratificante quando isso acontece. Com fome?

Sacudo a cabeça.

— O quê? — Ele franze a testa para mim.

— Estou nervosa. Sobre o Dr. Flynn.

— Eu também. Como foi seu dia? — Libera-me, e lhe dou um breve resumo. Ele escuta com atenção.

— Oh, há mais uma coisa que devia te dizer, — eu adiciono.
— Era para eu almoçar com Mia.

Ele levanta as sobrancelhas, surpreso.

— Você não mencionou isso.

— Eu sei, esqueci. Não pude fazê-lo por causa da reunião, e Ethan a levou para almoçar em meu lugar.

Seu rosto escurece.

— Entendo. Pare de morder o lábio.

— Vou me refrescar, — eu digo, mudando de assunto e voltando-me para sair antes que ele possa reagir mais.
xxx

O consultório do Dr. Flynn é a curta distancia do apartamento de Joseph. Penso que é muito útil, para sessões de emergência.

— Eu costumo correr daqui até em casa, — Joseph diz quando estaciona meu Saab.
— Este é um grande carro. — Ele sorri para mim.

— Penso assim também. — Sorrio de volta.
— Joseph... Eu... — olho para ele ansiosamente.

— O que é, Demi?

— Aqui. — Eu puxo uma pequena caixa de presente preta de minha bolsa.

— Isto é para você pelo seu aniversário. Eu queria dar a você agora, mas só se você prometer que não vai abri-la até sábado, ok?

Ele pisca para mim surpreso e engole em seco.

— Tudo bem, — murmura com cautela.

               Tomando uma profunda respiração, entrego-lhe, ignorando a expressão confusa. Ele sacode a caixa, e isto produz um barulho muito satisfatório. Ele franze a testa. Eu sei que está desesperado para ver o que contém. Em seguida, ele sorri, seus olhos brilhando com juvenil emoção despreocupada. Oh cara... ele
aparenta sua idade... e tão bonito.

— Você não pode abri-lo até sábado, — eu advirto-o.

— Entendi, — ele diz.
— Por que está me dando isso agora? — Ele coloca a caixa no bolso interno do paletó azul listrado, perto de seu coração.

Quão apropriado, penso. Eu sorrio para ele.

— Porque posso, Sr. Jonas.

Sua boca se contorce com diversão irônica.

— Vejo, Srta. Lovato, você roubou minha frase.

               Somos introduzidos no escritório palaciano do Dr. Flynn, por uma recepcionista rápida e amigável. Ela cumprimenta calorosamente Joseph, um pouco caloroso demais para meu gosto, caramba, ela tem idade suficiente para ser sua mãe, e ele sabe o nome dela. A sala é modesta: verde pálido com dois sofás verde escuro, diante de duas cadeiras de couro com braços, e isto tem uma atmosfera de um clube de
cavalheiros. O Dr. Flynn está sentado em uma mesa no final da sala. À medida que entramos, ele se levanta e caminha para se juntar a nós na sala de estar. Vestindo uma calça preta e uma camisa azul clara aberta no
pescoço, sem gravata. Seus olhos azuis brilhantes parecem não perder nada.

— Joseph. — Ele sorri amigavelmente.

— John. — Joseph aperta a mão de John.
— Você se lembra de Demetria?

— Como eu poderia esquecer? Demetria, bem-vinda.

— Demi, por favor, — eu murmuro, quando ele aperta minha mão com firmeza. Adoro seu sotaque Inglês.

— Demi, — ele diz gentilmente, introduzindo-nos para os sofás.

               Joseph aponta um deles para mim. Sento-me, tentando parecer descontraída, descansando minha mão sobre o encosto do sofá, e ele se espalha no outro sofá ao meu lado, de modo que estamos em ângulos retos entre si. Uma pequena mesa com uma lâmpada simples está entre nós. Vejo com interesse uma caixa de lenços ao lado da lâmpada. Isto não é o que eu esperava. Tinha em minha mente uma sala totalmente
branca, com uma espreguiçadeira de couro preto, minha deusa interior poderia sentir-se mais em casa, deste modo. Olhando relaxado e no controle, o Dr. Flynn senta-se em uma das cadeiras com braços, e pega um bloco de notas de couro. Joseph cruza as pernas, seu tornozelo apoiado no joelho, e estende um braço ao longo das costas do sofá. Alcançando com a outra mão, encontra minha mão sobre o encosto do sofá e me
dá um apertão tranquilizador.

— Joseph pediu que o acompanhasse a uma de nossas sessões, — o Dr. Flynn começa suavemente.
 — Só para você saber, nós tratamos essas sessões com absoluta confidencialidade...

Eu levanto minha sobrancelha para Flynn, suspendendo-o no meio de sua fala.

— Ah-hum... Eu assinei um contrato, — murmuro, envergonhada por têlo parado. Ambos, Flynn e Joseph olham pra mim, e Joseph solta minha mão.

— Um acordo de não divulgação? — A testa do Dr. Flynn sulca, e ele olha intrigado para Joseph.

Joseph dá de ombros.
— Você começa todos os seus relacionamentos com as mulheres com um contrato? — o Dr. Flynn pergunta a ele.

— Os contratuais, eu começo.

O Dr. Flynn retorce o lábio.

— Você já teve outros tipos de relacionamentos com as mulheres? — ele pergunta, e parece divertido.

— Não, — Joseph responde após um momento, e parece divertido, também.

— Como eu pensei. — O Dr. Flynn volta sua atenção para mim.
— Bem, acho que não precisamos nos preocupar com confidencialidade, mas posso sugerir que os dois, discutam isto em algum momento? Pelo que entendi, você não está mais entrando neste tipo de relacionamento contratual.

— Diferente tipo de contrato, espero, — Joseph diz baixinho, olhando para mim. Eu ruborizo e o Dr. Flynn aperta os olhos.

— Demi. Você vai ter que me perdoar, mas provavelmente sei muito mais sobre você do que pensa. Joseph tem sido muito cooperativo.

Olho nervosamente para Joseph. O que ele disse?

— Um contrato? — ele continua.
— Isso deve ter chocado você.

Eu pisco para ele.

— Oh, acho que o choque empalideceu na insignificância, dada as revelações mais recentes de Joseph, — respondo, minha voz suave e hesitante.

Eu pareço tão nervosa.

—Eu tenho certeza. — O Dr. Flynn sorri gentilmente para mim.
— Então, Joseph, o que gostaria de discutir?

Joseph dá de ombros, como um adolescente mal-humorado.

— Demetria queria vê-lo. Talvez você devesse perguntar a ela.

O rosto do Dr. Flynn registra sua surpresa mais uma vez, e ele olha para mim com astúcia. Puta merda. Isso é humilhante. Eu olho para os meus dedos.

— Você ficaria mais confortável se Joseph nos deixasse por um tempo?

Meus olhos dardejam para Joseph, e olha para mim com expectativa.

— Sim, — eu sussurro.

Joseph olha feio e abre a boca, mas fecha-a novamente de forma rápida, e levanta-se em um rápido movimento gracioso.

— Eu vou estar na sala de espera, — ele diz, sua boca uma linha plana e mal-humorada.

Ah, não.

— Obrigado, Joseph, — o Dr. Flynn diz impassível.

Joseph me dá um longo e penetrante olhar e então espreita para fora da sala, mas não bate a porta. Ufa. Eu imediatamente relaxo.

— Ele intimida você?

— Sim. Mas não tanto quanto costumava fazer. — Eu me sinto desleal, mas esta é a verdade.

— Isso não me surpreende, Demi. Em que posso ajudá-la?

Olho para meus dedos atados. O que posso perguntar?

— Dr. Flynn, eu nunca estive em um relacionamento antes, e Joseph é... bem, ele é Joseph. E na última semana aproximadamente, muita coisa aconteceu. Eu não tive chance de pensar sobre as coisas.

— Sobre o que você precisa pensar?

Olho para ele, e sua cabeça está inclinada para um lado, enquanto olha para mim com compaixão, eu acho.

— Bem... Joseph me diz que ele está feliz em desistir... do... — eu tropeço e faço uma pausa. Isto é muito mais difícil de discutir do que eu imaginava.

O Dr. Flynn suspira.

— Demi, no tempo muito limitado que você o conhece, você fez mais progresso com meu paciente do que eu nos últimos dois anos. Você teve um efeito profundo sobre ele. Você deve entender isso.

— Ele teve um efeito profundo em mim, também. Eu só não sei se sou suficiente. Para cumprir as suas necessidades, — eu sussurro.

— É isso o que você precisa de mim? Certeza?

Concordo com a cabeça.

— As necessidades mudam, — ele diz simplesmente.
— Joseph encontrase em uma situação onde seus métodos de lidar não são mais eficazes. Muito
simples, você o forçou a enfrentar alguns de seus demônios e repensar.

Eu pisco para ele. Isso ecoa o que Joseph me contou.

— Sim, seus demônios, — murmuro.
— Nós não nos estendemos sobre eles, eles estão no passado. Joseph conhece quem são seus demônios, como eu também 

— e agora tenho certeza que você também. Estou muito mais preocupado com o futuro e levar Joseph para um lugar onde ele queira estar.

Eu franzo a testa e ele levanta uma sobrancelha.

— O termo técnico é TFSS, desculpe. — Ele sorri.
— Isso significa Terapia Focada em Soluções Sumárias. Essencialmente, isto é orientada para um objetivo. Nós nos concentramos em o que Joseph quer ser e como chegar lá. É uma abordagem dialética. Não há nenhum ponto no passado sobre o espancamento materno, tudo o que foi colhido por todos os médicos, psicólogos, psiquiatras que Joseph já viu. Nós sabemos por que ele é do jeito como é, mas é o futuro que importa. Onde Joseph contempla a si mesmo, onde ele quer estar. Foi preciso você deixá-lo para fazê-lo levar está forma de terapia a sério. Ele percebeu que seu objetivo é um relacionamento amoroso com você. É muito simples, e é nisso que estamos trabalhando agora. Claro que existem obstáculos, para sua afefobia por exemplo.

Oh caramba...sua o quê? Eu suspiro.

— Sinto muito. Quero dizer o seu medo de ser tocado, — Dr. Flynn diz o, balançando a cabeça como se xingasse a si mesmo.
— O que eu tenho certeza de que você está ciente disto.
Eu coro e aceno com a cabeça. Oh isso!

— Ele tem uma auto-aversão mórbida. Tenho certeza de que não é nenhuma surpresa para você. E, claro, há a parassonia... terrores noturnos, desculpe, para os leigos.

Eu pisco para ele, tentando absorver todas estas longas palavras. Eu sei de tudo isso. Mas Flynn não mencionou a minha principal preocupação.

— Mas ele é um sádico. Certamente, como tal, ele tem necessidades que não posso cumprir.

O Dr. Flynn realmente revira os olhos, e aperta sua boca em uma linha dura.

— Isso não é mais reconhecido como um termo psiquiátrico. Não sei quantas vezes eu já lhe disse isso. Não é nem mesmo classificado como uma parafilia mais, não desde os anos noventa.

O Dr. Flynn perde-se de novo. Eu pisco para ele. Ele sorri gentilmente para mim.

— Esta é uma implicância minha. — Ele balança a cabeça.
— Joseph só pensa o pior de qualquer situação apresentada. É parte de sua auto-aversão. Claro, que existe tal coisa como o sadismo sexual, mas não é uma doença, é uma opção de vida. E se ele é praticado em um relacionamento seguro e sadio entre adultos, então isto não é um problema. Meu entendimento é que Joseph conduziu todos os seus relacionamentos BDSM desta maneira. Você é a primeira amante que não consentiu, então ele não está disposto a fazê-lo.

Amante!


COMENTEM BASTANTE, hoje nao vai dar pra postar outro... mas amanha tem <3 Obrigada pelos comentários... e eles estão respondidos no cap anterior, quem me fez perguntas só conferir lá!!!

20 comentários:

  1. Eu... eu to sem palavras!! Nesse exato momento eu estou de boca aberta! MEU DEUS! Como você pode parar ai??? Você me pegou kkk'

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. dshbfsdbf desculpa!!! Ou não né hdjf
      logo sua curiosidade vai passar, amanhã tem mais...

      Excluir
  2. Lindo, parece q a Demi nao gostou do termo amante kkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. nãaaaaao, pelo contrário... amante é no bom sentido, no sentido da paixão que ela tem e fez joe mudar

      Excluir
  3. Joe ficou boladinho qnd ele teve q sair da sala kkk ficou curioso

    ResponderExcluir
  4. Vc tem mania de deixar todos roendo as unhas!
    Que capitulo maravilhoso e o joe teve que sair da sala, tadinho ficou curioso.
    E eu concordo com o que vc disse o Joseph ja cedeu muito mesmo e só assim pra poder dar certo.
    Esperando anciosamente peli proximo. Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os dois cederam, mas olhando pelo Joe ele nunca cedeu.. até a Demi ter deixado ele.. depois disso, ele mudou muito... a insegurança da Demi e esse mundo do Joe são demais pra ela.. eles precisam de calma para dar o próximo passo, se conhecerem melhor

      Excluir
  5. Vc vai mto mesmo tenta posta amanhã né????? Mto curiosa! Demi bolada com "Amante"

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Siiiim!!!
      Não ela não ficou bolada não, ljdsfn ela só tá muito nervosa com o flyn

      Excluir
  6. Oi é a Andreia... seguidora de portugal *_*
    Por favor diz que amanhã postas mais um ou dois...pleeeaseee :p
    estou totalmente viciada, a cada capitulo ainda mais! Muitos parabens é uma fic maravilhosa. se a 1ª e a 2ª temporadas são o que são, estou morrendo só para saber a 3ª!!! Bjnhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Andreia, seja bem vinda! Amanhã tem mais um capítulo... dois eu TENTO final de semana... Obrigada por ler!!
      3ª temporada é última :( vou sentir saudade dessa história

      Excluir
  7. IIII, vai dar uma treta legal esse negócio de amante e de ela preferir que Joseph saia.

    Ficou a+ e a Mia e o Ethan? hmmmmmmm
    Quero a chegada de José.


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha acredite... o termo amante é o de menos, ela não se incomodou com isso...

      Será que José vai causar com Jemi?

      QUERO A VOLTA DA MILEY

      Excluir
  8. Porque parar em partes interessantes como está? Hm, será que Demi não gostou do termo amante? Isso pode gerar uma briga entre eles no próximo capitulo? Ela entendeu que ele a ama e que desiste das suas necessidades fodidas assim dizendo por amor? Ai meu Deus são tantas perguntas, estou anciosa para o próximo. E você vai fazer alguma outra adaptação quando acabar a 3• temporada? Eu não quero que acabe :(
    bjo Ane

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Briga... será? O joe curioso vai perguntar com a conversa com o doutor e ela vai falar até chegar no ponto amante... o restante vc descobre lendo rsrs

      Joe e ela estão na fase de conhecimento mais profundo, mas é certo que eles se amam....


      Ainda não sei, estou focada em terminar a fic! bjs

      Excluir
  9. Nova leitora Sammy...
    Amando a história...
    Você esta de parabéns...
    Beijos...

    ResponderExcluir
  10. Por q foi parar agr?
    Esperando ansiosa p o proximo!
    Nanda

    ResponderExcluir