segunda-feira, 29 de julho de 2013

Cap.20- 2ª temporada hot

— Você vai se casar comigo? — Ele sussurra, incrédulo.

Eu concordo com a cabeça nervosamente, corada e ansiosa, sem acreditar muito na sua reação, este homem que eu pensei que tinha perdido. Como ele não poderia entender o quanto eu o amo?

— Diga, — ele ordena suavemente, seu olhar é intenso e quente.

— Sim, eu vou me casar com você.

                Ele inala bruscamente e se move de repente, me agarrando e me balançando e rodando, bem a maneira Cinquenta. Ele está rindo, jovem e despreocupado, irradiando alegria jubilosa. Eu pego em seus braços para me apoiar, sentindo a ondulação de seus músculos sob meus dedos, e sua risada contagiante deixa-me tonta, confusa, uma garota total e completamente apaixonada por seu homem bonito. Ele me coloca para baixo e me beija. Duro. Suas mãos estão em ambos os lados do meu rosto, sua língua é insistente e persuasiva... excitante.

— Oh, Demi, — ele respira contra os meus lábios, e é uma alegria que me deixa tonta. Ele me ama, disso eu não tenho nenhuma dúvida, e eu saboreio o gosto deste homem delicioso, esse homem que eu pensei que nunca poderia ver novamente. Sua alegria é evidente, os olhos brilhando, seu sorriso jovial e o seu
alívio é quase palpável.

— Eu pensei que tinha perdido você, — eu sussurro, ainda deslumbrada e sem fôlego pelo seu beijo.

— Querida, vai precisar mais do que um 135 com defeito para me manter longe de você.

— 135?

— Tango Charlie. Ele é o helicóptero 135 da Eurocopter, o mais seguro na sua classe. — Alguma emoção sem nome, mas escura, cruza brevemente o seu rosto, me distraindo. O que ele não está me dizendo? Antes que eu possa perguntar, ele me acalma e olha para mim, franzindo a testa, e por um momento eu acho que ele vai me dizer. Eu até pisco diante de seus olhos cinzentos especulativos.

— Espere um minuto. Você me deu isso antes de vermos Flynn, — ele diz, segurando o chaveiro. Ele parece quase horrorizado.

Oh querido, onde ele está indo com isso? Concordo com a cabeça, mantendo uma cara séria. Sua boca se abre. Eu dou de ombros me desculpando.

— Eu queria que você soubesse que tudo o que Flynn dissesse não faria diferença para mim.

Joseph pisca para mim, incrédulo.

— Então tudo ontem à noite, quando eu estava implorando por uma resposta, eu já a tinha? — Ele está consternado. Concordo com a cabeça novamente, tentando desesperadamente avaliar sua reação. Ele olha para mim com admiração estupefata, mas, em seguida, aperta os olhos e torce a boca com ironia divertida.

— Toda essa preocupação, — ele sussurra ameaçadoramente. Sorrio para ele e dou de ombros mais uma vez.
— Ah, não tente ficar toda terna comigo, Srta. Lovato. Agora, eu quero... — Ele passa a mão pelos cabelos, então balança a cabeça e muda de rumo.

— Eu não posso acreditar que você me deixou na mão. — Seu sussurro é atado com descrença. Sua expressão muda sutilmente, os olhos brilhando perversamente, a boca torcendo em um sorriso carnal.

Céus. A emoção corre através de mim. O que ele está pensando?

— Eu creio que alguma retribuição esta a caminho, Srta. Lovato, — ele diz em voz baixa.

Retribuição? Oh merda! Eu sei que ele está jogando, mas eu dou um passo cauteloso de volta para ele, de qualquer maneira.

Ele sorri.

— É esse o jogo? — Ele sussurra.
— Porque eu vou pegar você. — E seus olhos ardem com uma intensidade luminosa e brincalhona.
— E você está mordendo seu lábio, — ele diz ameaçadoramente.

                Todas as minhas entranhas se apertam ao mesmo tempo. Oh meu Deus. Meu futuro marido quer jogar. Eu dou mais um passo para trás, em seguida, me viro e corro, mas em vão. Joseph me agarra, e em um só golpe fácil, enquanto eu guincho de prazer, surpresa e choque. Ele ergue-me por cima do ombro e vai para o fundo do corredor.

— Joseph! — Eu sibilo, ciente de que José está lá em cima, embora eu tenha dúvida se ele pode nos ouvir. Eu me equilibro segurando na sua parte inferior das costas, em seguida, em um impulso corajoso, eu o golpeio por atrás.

Ele golpeia-me de volta.

— Ai! — Eu gemo.

— Hora do chuveiro, — ele declara, triunfante.

— Ponha-me para baixo! — Eu tento não parecer desaprovadora. A minha luta é inútil, seu braço está firmemente fixado sobre minhas coxas e por algum motivo eu não consigo parar de rir.

— Cômoda nestes sapatos? — ele pergunta divertido, quando abre a porta de seu banheiro.

— Eu prefiro que eles toquem o chão. — Tento rosnar para ele, mas não é muito eficaz, quando não posso manter o riso em minha voz.

— Seu desejo é meu comando, Srta. Lovato. — Sem me colocar para baixo, ele tira os meus sapatos e deixa-os cair com um barulho no chão de azulejos.

Parado pela vaidade, ele tira o seu Blackberry descarregado do bolso, as chaves, a carteira, o chaveiro. Eu só posso imaginar como me pareço no espelho, por este ângulo. Quando ele termina, caminha diretamente para o seu chuveiro enorme.

— Joseph, — eu xingo alto, sua intenção agora é clara.

                  Ele bota a água no máximo. Caramba! Água gelada jorra sobre a minha bunda, e eu grito, em seguida, paro, pensando mais uma vez que José está acima de nós. Está frio e eu estou completamente vestida. A água fria molha o meu vestido, minha calcinha e meu sutiã. Estou encharcada e eu não consigo parar de rir.

— Não! — Eu guincho.
— Ponha-me no chão! — Eu golpeio-o novamente, desta vez mais duro, e Joseph coloca-me para baixo, fazendo-me deslizar pelo seu corpo, agora encharcado.

               Sua camisa branca está colada ao seu peito e a calça de seu terno está encharcada. Estou encharcada também, lavada, tonta e sem fôlego, e ele está sorrindo para mim, olhando assim... tão incrivelmente quente. Ele fica sóbrio, com os olhos brilhando, segura meu rosto de novo, colando seus lábios nos meus. Seu beijo é suave, acalentado e totalmente perturbador. Eu me importo, não por que estou totalmente vestida e toda molhada no chuveiro com Joseph. Mas só por que nós dois estamos debaixo da água. Ele está de volta, ele está seguro, e ele é meu. Minhas mãos se movem instintivamente para sua camisa, que se agarra a cada linha e tendão do peito, revelando o pelo amassado por baixo da umidade
branca. Eu arranco a beira da camisa para fora da calça, e ele geme contra a minha boca, mas seus lábios não deixam os meus. Enquanto eu desabotoo sua camisa, ele puxa o meu zíper, deslizando lentamente o fecho para baixo, no meu vestido. Seus lábios se tornam mais insistentes, mais provocativos, sua língua
invadindo minha boca e meu corpo explode de desejo. Brigo duramente com a camisa, abrindo-a. Os botões voam por toda parte, ricocheteando nos azulejos e desaparecendo no chão do chuveiro. Enquanto eu retiro a camisa molhada de seus ombros e para baixo em seus braços, eu o pressiono contra a parede, prejudicando suas tentativas de me despir.

— Abotoaduras, — ele murmura, segurando seus pulsos, onde a camisa encharcada está pendurada e flácida.

                Lutando com os dedos, eu libero primeiro uma e depois a outra manga, deixando suas abotoaduras de ouro cair descuidadamente ao chão em mosaico e sua camisa segue junto. Seus olhos procuram os meus através da cascata de água, o seu olhar ardente, carnal, como a água aquecida. Eu alcanço o cós da calça, mas ele sacode a cabeça e agarra meus ombros, me girando completamente, por isso estou de costas para ele. Ele termina a longa viagem para o sul com o meu zíper, afasta meu cabelo molhado para longe do meu pescoço, e passa a sua língua pelo meu pescoço até a raiz do cabelo e de volta, beijando e chupando. Eu gemo e, lentamente, ele retira o vestido dos meus ombros e para baixo pelos meus seios, beijando meu pescoço embaixo da minha orelha. Ele desabotoa o meu sutiã e empurra-o dos meus ombros, libertando meus seios. Suas mãos agarram em concha cada um deles, enquanto murmura sua apreciação no meu ouvido.

— Tão linda, — ele sussurra.

                      Meus braços ficam presos pelo meu sutiã e vestido, que estão desprendidos abaixo dos meus seios, meus braços ainda estão nas mangas, mas minhas mãos estão livres. Eu rolo minha cabeça, dando um melhor acesso a Joseph para o meu pescoço e empurro meus seios em suas mãos mágicas. Ponho as minhas mãos atrás de mim e acolho a sua ingestão aguda de ar, quando meus dedos curiosos fazem contato com sua ereção. Ele empurra sua virilha em minhas mãos acolhedoras. Droga, por que ele não me deixou tirar suas calças? Ele faz movimentos circulares sobre meus mamilos, e quando eles endurecem e alongam sob seu toque especialista, todos os meus pensamentos sobre as suas calças desaparecem, com os picos afiados e libidinosos de prazer que atravessam a minha barriga. Eu inclino a cabeça para trás contra ele e gemo.

— Sim, — ele respira e vira-me uma vez mais, capturando a minha boca com a sua.

               Ele retira meu sutiã, vestido e calcinha, que assim, se juntam com a sua camisa, em uma pilha no chão encharcado do chuveiro. Eu pego o sabonete liquido ao nosso lado. Joseph não percebe o que estou prestes a fazer. Olhando-o diretamente nos olhos, eu esguicho algumas gotas do gel cheiroso em minha mão e a coloco na frente do seu peito, a espera de uma resposta para minha pergunta silenciosa. Seus olhos se arregalaram, então ele me dá um aceno quase imperceptível. Gentilmente coloco a minha mão sobre o seu esterno e começo a esfregar o sabão em sua pele. Seu peito sobe quando ele inspira fortemente, mas ele
permanece imóvel. Mas só um momento, com as mãos apertando os meus quadris, ele não me afasta. Ele me observa com cautela, seu olhar está mais intenso por causa do medo, mas seus lábios se abrem a medida que aumenta a sua respiração.

Isso está bom? — Eu sussurro.

— Sim. — Sua resposta, é curta, ofegante, quase um suspiro.

             Lembro-me das muitas vezes que estivemos no chuveiro juntos, mas primeiro no Olympic, é uma memória agridoce. Bem, agora eu posso tocá-lo. Eu o lavo, fazendo movimentos circulares e suaves, limpando o meu homem, movendo-me para as axilas, sobre suas costelas, no baixo ventre firme e plano, em direção ao seu caminho feliz, e ao cós da calça.

— Minha vez, — ele sussurra e pega o xampu, deslocando-nos para fora do alcance do jato de água e esguicha um pouco para o topo da minha cabeça.

              Eu acho que isso é minha sugestão para parar de lavar-lhe, então eu desloco meus dedos em sua cintura. Ele trabalha o xampu no meu cabelo, com seus longos dedos massageando meu couro cabeludo. Gemendo em apreço, eu fecho meus olhos e entrego-me à sensação celestial. Depois de todo o estresse da
noite, isto é o que eu preciso.

Ele ri e eu abro um olho para encontrá-lo sorrindo para mim.

— Você gosta?
— Hmm...

Ele sorri.

— Eu também, — ele diz e se inclina para beijar minha testa, com seus dedos continuando a massagear o meu couro cabeludo.

— Vire-se, — diz ele com autoridade.

                Eu faço o que ele pede, e seus dedos lentamente trabalham sobre minha cabeça, limpando, relaxando, amando-me enquanto o faz. Ah, isso é felicidade. Ele pega mais xampu e lava suavemente os
cabelos longos nas minhas costas. Quando ele termina, me puxa de volta para baixo do chuveiro.

— Incline a cabeça para trás, — ele ordena suavemente.

De bom grado obedeço, e ele cuidadosamente retira toda a espuma. Quando ele acaba, eu me volto mais uma vez para ele e vou direto para o cós de sua calça.

—Eu quero lavar você todo, — eu sussurro.

              Ele sorri aquele sorriso torto e levanta as mãos em um gesto que diz: “Eu sou todo seu, querida.” Eu sorrio, isso parece Natal. Eu tenho algum trabalho com seu zíper, e logo a calça e cueca se juntam ao resto de nossa roupa. Eu começo a lavar o seu corpo com uma esponja e água fresca.

Parece que você está feliz em me ver, — murmuro secamente.

— Eu estou sempre contente de ver você, Srta. Lovato. — Ele sorri para mim.

               Eu ponho sabonete na esponja, em seguida, refaço a minha jornada sobre o seu peito. Ele está mais relaxado, talvez porque eu não estou realmente tocando-o. Vou para o sul com a esponja, através de sua barriga, ao longo da trilha feliz, através de seus pelos pubianos e mais, para a sua ereção. Eu olho para ele, que me espreita com olhos semicerrados e anseio sensual. Hmm... Eu gosto desse visual. Eu largo a esponja e uso as minhas mãos, agarrando-o firmemente. Ele fecha os olhos, inclina a cabeça para trás, geme e empurra seus quadris em minhas mãos. Ah, sim! É tão excitante. Minha deusa interior ressurgiu após sua noite de balançar e chorar no canto, e ela está usando batom vermelho prostituta. Seus olhos ardentes, subitamente, travam com os meus. Ele se lembrou de algo.

— Hoje é sábado, — ele exclama, olhos brilhantes de admiração impudica, e ele agarra minha cintura, me puxando para ele e me beijando selvagemente.

Opa, mudança de ritmo!

             Suas mãos descem pelo meu liso e molhado corpo, ao redor do meu sexo, seus dedos exploram, provocando e sua boca é implacável, deixando-me sem fôlego. A outra mão dele está no meu cabelo molhado, segurando-me no lugar enquanto eu suporto toda a força de sua paixão desencadeada. Seus dedos se movem dentro de mim.

— Ahh, — Eu lamento em sua boca.

— Sim, — ele sibila e levanta-me, com as mãos debaixo do meu traseiro.
— Enrole suas pernas em torno de mim, querida. — Minhas pernas dobram em torno dele, e eu me agarro como um molusco ao seu pescoço. Ele me abraça contra a parede do chuveiro e para, olhando para mim.

— Olhos abertos, — ele murmura. 
— Eu quero ver você.

         Eu pisco para ele, meu coração martelando, meu sangue pulsando quente e pesado pelo meu corpo, o desejo, real e desenfreado surgindo através de mim. Então, ele entra em mim, oh, tão lentamente, enchendo-me, reivindicando-me, pele contra pele. Eu empurro para baixo contra ele, que geme alto. Uma vez totalmente dentro de mim, ele faz uma pausa mais uma vez, o rosto tenso, intenso.

— Você é minha, Demetria, — ele sussurra.

— Sempre.

Ele sorri vitoriosamente e se move, fazendo-me suspirar.

— E agora podemos deixar todo mundo saber, porque você disse que sim. — Sua voz é reverente, e ele se inclina para baixo, capturando a minha boca com a dele, e começa a se mover... lenta e docemente.

               Eu fecho meus olhos e inclino a cabeça para trás, enquanto arqueio meu corpo, minha vontade submeter-me a ele, escrava de seu ritmo inebriante e lento. Seus dentes passam pelo meu maxilar, meu queixo e pelo meu pescoço, quando ele pega o ritmo, me empurrando para frente e para cima, longe deste
plano terrestre, enchendo o chuveiro, no frio da noite. Apenas eu e meu homem, nos movimentando em uníssono, como um só, um completando o outro, absorvidos no outro... suspiros e grunhidos se misturam. Eu me deleito no sentimento requintado de sua posse sobre o meu corpo, como flores ao seu redor. Eu poderia tê-lo perdido... e eu o amo... Eu o amo muito, e estou de repente, vencida pela enormidade do meu amor e da profundidade do meu compromisso com ele. Vou passar o resto da minha vida amando esse homem, e com esse pensamento inspirador, eu explodo em torno dele, como uma cura, um orgasmo catártico, me faz gritar o seu nome, enquanto lágrimas correm pelo meu rosto. Ele atinge o seu clímax e derrama-se em mim. Com o rosto enterrado no meu pescoço, ele desce até o fundo, me segurando com força, beijando meu rosto, e beijando minhas lágrimas, enquanto a água quente cai sobre nós, lavando-nos,
limpando-nos.

— Meus dedos estão enrugados, — eu sopro, pós-coito e saciada, enquanto me encosto-me a seu peito. Ele leva meus dedos aos lábios e beija cada um deles.

— Devemos realmente sair desse chuveiro.

— Estou confortável aqui. — Eu estou sentada entre as suas pernas e ele está me segurando perto. Eu não quero me mover.

               Joseph murmura a sua concordância. Mas, de repente, eu estou cansada até os ossos, cansada do mundo. Tanta coisa aconteceu nesta última semana, o suficiente para um enredo de um drama de teatro e agora vou me casar. Um riso incrédulo escapa meus lábios.

— Algo divertido, Srta. Lovato? — Ele pergunta com carinho.

— Tem sido uma semana agitada.

Ele sorri.

— Sim, ela foi.
— Agradeço a Deus você está de volta, e inteiro, Sr. Jonas, — eu sussurro, sóbria com o pensamento do que poderia ter acontecido. Ele fica tenso e eu, imediatamente, me arrependo por lembrar-lhe.

— Eu estava com medo, — confessa, para minha surpresa.

— Mais cedo?

Ele balança a cabeça, sua expressão é séria.

Puta merda.

— Então você fez pouco caso só para tranquilizar sua família?

— Sim. Eu estava demasiado baixo para aterrissar bem. Mas de alguma forma eu consegui.

Droga. Meus olhos varrem os seus, e reluz mortalmente enquanto a cascata de água sobre nós.

— Quão perto esteve de cair?

Ele olha para mim.

— Perto, — ele faz uma pausa.
— Por alguns segundos terríveis, eu pensei que nunca iria vê-la novamente.

Eu abraço-o firmemente.

— Eu não posso imaginar minha vida sem você, Joseph. Eu te amo tanto que me assusta.

— Eu também, — ele respira.
— Minha vida seria vazia sem você. Eu te amo tanto. — Seus braços me apertam e ele fuça meu cabelo.

— Eu não vou nunca deixar você ir.

— Eu não quero ir, nunca. — Eu beijo seu pescoço, e ele se inclina e beija-me suavemente.

Depois de um momento, ele se mexe.

— Venha, vamos nos secar e ir para a cama. Estou exausto e você parece abatida.

Eu me inclino para trás e arqueio uma sobrancelha para a sua escolha de palavras. Ele deixa a cabeça cair para um lado e sorri para mim.

— Você tem algo a dizer, Srta. Lovato?

               Sacudo a cabeça e me levanto, instável sobre os meus pés. Eu estou sentada na cama. Joseph insistiu em secar meu cabelo, ele é bastante habilidoso no que faz. Como isso aconteceu é um pensamento
desagradável, então eu dispenso-o imediatamente. Já passou das duas da manhã, e eu estou pronta para dormir. Joseph olha para mim e reexamina o chaveiro antes de subir na cama. Ele balança a cabeça, incrédulo, mais uma vez.

— Isso é tão puro. O melhor presente de aniversário que já tive. — Ele olha para mim, seus olhos estão suaves e quentes.
— Melhor do que o meu pôster assinado por Guiseppe DeNatale.

— Eu teria dito a você anteriormente, mas como era seu aniversário... O que você pode dar a um homem que tem tudo? Então, pensei em dar-lhe... a mim.

Ele coloca o chaveiro em cima da mesa de cabeceira e se aconchega ao meu lado, puxando-me em seus braços, contra o seu peito, de modo que estamos deitados em conchinha.

— É perfeito. Como você.

Eu sorrio, embora ele não possa ver minha expressão.

— Estou longe de ser perfeita, Joseph.

— Você está rindo de mim, Srta. Lovato?

Como ele sabe?

— Talvez. — Eu rio.
— Posso te perguntar uma coisa?

— Claro, — ele fuça em meu pescoço.

— Você não ligou na volta de sua viagem a Portland. Foi realmente por causa de José? Você estava preocupado comigo, por estar aqui sozinha com ele?

Joseph não diz nada. Viro-me para encará-lo, e seus olhos estão arregalados, como posso censurá-lo.

— Você sabe o quão ridículo isso é? Quanto estresse você fez a sua família e eu passarmos? Nós todos te amamos muito.

Ele pisca algumas vezes e depois me dá um sorriso tímido.

— Eu não tinha ideia de que todos estariam tão preocupados.

Eu aperto os meus lábios.

— Quando você vai entender, nessa sua cabeça dura, que você é muito amado?

— Cabeça dura? — Suas sobrancelhas se apertam em surpresa.

Concordo com a cabeça.

— Sim. Cabeça dura.

— Eu não acho que a densidade do osso da minha cabeça é significativamente maior do que qualquer outro lugar do meu corpo.

— Eu estou falando sério! Pare de tentar me fazer rir. Eu ainda estou um pouco brava com você, no entanto, isso foi parcialmente eclipsado pelo fato de que você está em casa são e salvo, quando eu pensei... — Minha voz desapareceu, quando eu me lembro daquelas horas de ansiedade.
— Bem, você sabe o que eu pensei.

Seus olhos suavizam e ele acaricia o meu rosto.

— Sinto muito. Ok.

— Sua pobre mãe, também. Foi muito emocionante vê-lo com ela, — eu sussurro.

Ele sorri timidamente.

— Eu nunca a vi dessa maneira. — Ele pisca com a memória.
— Sim, foi realmente alguma coisa. Ela, normalmente, é tão senhora de si. Foi um choque.

— Viu? Todo mundo ama você. — Eu sorrio.
— Talvez agora você vá começar a acreditar nisso. — Eu me inclino para baixo e beijo-o suavemente.
— Feliz aniversário, Joseph. Estou feliz por você estar aqui para compartilhar seu dia comigo. E você ainda não viu o que eu tenho para você amanhã um... hoje. — Eu sorriso.

— Há mais? — Ele diz, espantado, e seu rosto irrompe em um sorriso deslumbrante.

— Oh sim, Sr. Jonas, mas você vai ter que esperar até lá.


              Eu acordei de repente, de um sonho ou pesadelo, e meu pulso está disparado. Viro-me em pânico e para meu alívio, Joseph está dormindo ao meu lado. Porque eu me movi, ele se agita e se mexe em seu sono, estendendo seu braço sobre mim e descansa a cabeça no meu ombro, suspirando baixinho. O quarto está inundado de luz. São oito horas. Joseph nunca dorme até tão tarde. Eu deito para trás e deixo o meu coração desacelerar. Por que a ansiedade? Deve ser o rescaldo da noite passada? Viro-me e olho para ele. Ele está aqui. Ele está seguro. Eu respiro fundo e firmo o olhar em seu rosto adorável. Um rosto que é agora tão familiar, todas as suas depressões e sombras, eternamente gravadas na minha mente. Ele parece muito mais jovem quando está dormindo, e eu sorrio porque hoje ele está um ano mais velho. Abraço a mim mesmo, pensando no meu presente. Oooh... o que ele fará? Talvez eu devesse começar lhe trazendo o café da manhã na cama. Além disso, José ainda pode estar aqui. Encontro José no balcão, comendo uma tigela de cereais. Eu não posso ajudar, mas ruborizo quando o vejo. Ele sabe que eu passei a noite com Joseph.
Por que, de repente, eu me sinto tão tímida? Não é como se eu estivesse nua ou algo assim. Estou usando meu roupão de seda comprido.

— Bom dia, José, — Eu sorrio, insolentemente.

— Ei, Demi! — Seu rosto se ilumina, genuinamente contente por me ver. Não há nenhum indício de desprezo ou provocação obscena em sua expressão.

— Dormiu bem? — Eu pergunto.

— Claro. Tem uma bela vista aqui em cima.

— Sim. É muito especial. — Como o proprietário deste apartamento.

 — Quer um verdadeiro café da manhã de homem? — Eu provoco.

— Adoraria ter algum.

— Hoje é o aniversário de Joseph, estou fazendo um café da manhã para levar-lhe na cama.

— Ele está acordado?

— Não, eu acho que ele ficou acabado ontem. — Eu olho rapidamente para longe dele e enfio a cabeça na geladeira para que ele não possa ver o meu rubor.

Caramba, é só José. Quando eu tiro os ovos e o bacon para fora da geladeira, José está sorrindo para mim.

— Você realmente gosta dele, não é?

Eu aperto os meus lábios.

— Eu o amo, José.

Seus olhos se arregalaram momentaneamente, em seguida, ele sorri.

— O que não há para amar? — Ele pergunta gesticulando em volta da grande sala.

Eu faço uma carranca para ele.

— Puxa, obrigado!

— Ei, Demi, só estou brincando.

Hmm... eu vou sempre ter este estigma sobre mim? Que eu vou casar com Joseph pelo seu dinheiro?

— Sério, eu estou brincando. Você nunca foi esse tipo de garota.

— Omelete está bom para você? — Eu pergunto, mudando de assunto. Eu não quero discutir.

— Claro.

— E eu, — Joseph diz, enquanto passeia na grande sala. Puta merda, ele está vestindo apenas o pijama, que pende dessa forma totalmente quente em seus quadris. Caramba!

— José. — Ele acena com a cabeça.

— Joseph. — José retorna seu aceno solene.

Joseph se vira para mim e sorri, quando o encaro. Ele fez isso de propósito. Eu estreitei os meus olhos para ele, tentando desesperadamente recuperar o meu equilíbrio, e a expressão de Joseph se altera sutilmente. Ele sabe que eu sei o que ele está fazendo, e ele não se importa.

— Eu ia levar o seu café da manhã na cama.

A arrogância acabou, ele envolve seu braço em volta de mim, inclina meu queixo para cima, e planta um beijo molhado em meus lábios. Muito Cinquenta!

— Bom dia, Demetria, — ele diz.

Eu quero fazer uma carranca para ele e dizer-lhe para se comportar, mas é seu aniversário. Eu coro. Por que ele é tão territorial?

— Bom dia, Joseph. Feliz aniversário. — Dou-lhe um sorriso, e ele sorri para mim.

— Estou ansioso pelo meu outro presente, — ele diz e é isso. Eu coro, até a cor do Quarto Vermelho da Dor e olho nervosamente para José, que parece ter engolido algo desagradável. Eu me afasto e começo a preparar a comida.

— Então, quais são os seus planos para hoje, José? — Joseph pergunta, aparentemente casual, enquanto ele se senta em uma banqueta do bar.

— Estou indo ver meu pai e Ray, o pai de Demi.

Joseph franze o cenho.

— Eles se conhecem?

— Sim, eles estiveram no exército juntos. Eles perderam o contato, até que Demi e eu nos encontramos na faculdade. Isso é engraçado. Eles são os melhores amigos agora. Estamos saindo em uma viagem de pesca.

— Pesca? — Joseph está genuinamente interessado.

— Sim, as melhores pescas estão nestas águas costeiras. O Salmão pode crescer bastante.

— Verdade. Meu irmão Elliot e eu conseguimos um Salmão de 34 libras, uma vez.

Eles estão falando de pesca? O que há sobre a pesca? Nunca entendi isso.

— Trinta e quatro libras? Nada mal. O pai de Demi, porém, detém o recorde. Pescou um de 43 libras.

— Você está brincando! Ele nunca falou sobre isso.

— Feliz aniversário, a propósito.

— Obrigado. Então, onde você gosta de pescar os seus peixes?

Eu estou de fora. Isso eu não preciso saber. Mas, ao mesmo tempo, estou aliviada. Veja, Joseph? José não é tão ruim. No momento em que José está para sair, ambos estão muito mais relaxados um com o outro. Joseph rapidamente se veste com camiseta e calça jeans, está descalço quando acompanha José e eu para o hall de entrada.

— Obrigado por me deixar ficar aqui, — José diz para Joseph, quando eles apertam as mãos.

— Sempre, — sorri Joseph.

José me abraça rapidamente.

— Fique bem, Demi.

— Claro. Foi tão bom ver você. Da próxima vez, vamos ter uma noite melhor.

— Eu vou me assegurar disso. — Ele acena para nós de dentro do elevador, e então ele se vai.

— Veja, ele não é tão ruim.

— Ele ainda quer sua calcinha, Demi. Mas não posso culpá-lo.

— Joseph, não é verdade!

— Você não tem ideia, não é? — Ele sorri para mim.
— Ele quer você. Há muito tempo.

Eu franzo a testa.

— Joseph, ele é apenas um amigo, um bom amigo. — E eu estou ciente de que, de repente, eu sôo como Joseph, quando está falando da Sra. Robinson.

O pensamento é inquietante. Joseph ergue as mãos em um gesto apaziguador.

— Eu não quero brigar, — ele diz em voz baixa.

Oh! Nós não estamos brigando... estamos?

— Eu também não.

— Você não disse a ele que vamos nos casar.

— Não. Achei que devia dizer a mamãe e Ray em primeiro lugar. —Merda. É a primeira vez que eu penso sobre isso, desde que eu disse que sim. Caramba, o que meus pais vão dizer?

Joseph concorda.

— Sim, você está certa. E eu... hum, eu deveria perguntar ao seu pai.

Eu rio.

— Oh, Joseph, não estamos no século dezoito.

Puta merda. O que Ray vai dizer? Só o pensamento sobre essa conversa me enche de horror.

— É tradicional. — Joseph dá de ombros.

— Vamos falar sobre isso mais tarde. Eu quero dar-lhe o seu outro presente. — Meu objetivo é distraí-lo. O pensamento sobre o meu presente está queimando um buraco em minha consciência. Eu preciso dar a ele e ver como ele reage.

Ele me dá um sorriso tímido, e meu coração salta uma batida. Enquanto eu viver, eu nunca vou cansar de olhar para esse sorriso.

— Você está mordendo o lábio, — ele diz e puxa o meu queixo.


A emoção percorre meu corpo quando seus dedos me tocam. Sem uma palavra, e enquanto eu ainda tenho um pouco de coragem, eu tomo a sua mão e conduzo-o de volta para o quarto. Eu largo a sua mão, deixando-o em pé ao lado da cama, e debaixo do meu lado da cama, pego as duas caixas de presente
restantes.

— Dois? — Ele diz, surpreso.

Eu respiro fundo.

— Comprei isso antes de, hum... do incidente de ontem. Eu não tenho certeza sobre isso agora. — Eu rapidamente entrego-o, antes que eu possa mudar de idéia. Ele olha para mim, perplexo, sentindo a minha incerteza.

— Está certa de que você quer que eu o abra?

Concordo com a cabeça, ansiosa.

Joseph tem lágrimas nos olhos e olha com surpresa para a caixa.

— Charlie Tango, — eu sussurro.

Ele sorri. A caixa contém um pequeno helicóptero de madeira com uma grande lâmina de rotor, movida a energia solar. Ele abre a caixa.

— Alimentação solar, — ele murmura.
— Demais. — E antes que eu perceba, ele está sentado na cama montando-o. Ele se encaixa de forma rápida,

Joseph segura-o na palma da sua mão. Um helicóptero de madeira azul. Ele olha para mim e me dá o seu glorioso sorriso de ‘Garoto Americano’, então vai para a janela, onde o helicóptero é banhado pela luz solar e o rotor começa a girar.

— Olhe para isso, — ele respira, examinando de perto.
— O que já podemos fazer com esta tecnologia. — Ele o mantém ao nível dos olhos, observando as
lâminas girarem. Ele está fascinado, e é fascinante ver como ele se perde em pensamentos, olhando para o helicóptero. O que ele está pensando?

— Você gostou?

— Demi, eu adoro isso. Obrigado. — Ele me agarra e beija-me rapidamente, em seguida, volta-se para assistir a rotação do rotor.

— Eu vou adicioná-lo ao planador em meu escritório, — ele diz, distraidamente, observando a lâmina girar.

Ele move a mão para fora da luz do sol, e a lâmina desacelera e acaba parando. Eu não posso evitar, o sorriso em meu rosto é de rachar, e eu quero abraçar-me. Ele adorou. Claro, ele gosta de tudo sobre tecnologias alternativas. Eu tinha esquecido isso, na minha pressa de comprá-lo. Colocando-o sobre a cômoda, ele se vira para mim.

— Isso vai me fazer companhia enquanto nós tentamos concertar o Charlie Tango.

— É recuperável?

— Eu não sei. Espero que sim. Vou sentir falta dela, de qualquer jeito. Ela? Estou chocada comigo mesma por esta pequena pontada de ciúmes que sinto por um objeto inanimado. Meu subconsciente bufa e ri. Eu o ignoro.

— O que há na outra caixa? — Ele pergunta, com os olhos arregalados, pela excitação quase infantil.

Puta merda.

— Eu não tenho certeza se este presente é para você ou para mim.

— Sério? — Ele pergunta, e eu sei que despertei o seu interesse. Nervosa, eu entrego-lhe a segunda caixa.

Ele balança suavemente e nós dois ouvimos um barulho pesado. Ele olha para mim.

— Por que está tão nervosa? — Ele pergunta, confuso. Eu dou de ombros, embaraçada e animada, eu ruborizo. Ele levanta uma sobrancelha para mim.

— Você está me intrigando, Srta. Lovato, — ele sussurra, e sua voz me atravessa, desejo e antecipação apertam a minha barriga.
— Eu tenho que dizer que estou gostando de sua reação. O que você fez? — Ele aperta os olhos
especulativamente.


Eu fico de boca fechada, enquanto eu prendo a respiração. Ele remove a tampa da caixa e tira um pequeno cartão. O resto do conteúdo está embrulhado em tecido. Ele abre o cartão, e seus olhos dardejam rapidamente para mim, ampliando com choque ou surpresa. Eu simplesmente não sei.

— Fazer as coisas rudes com você? — Ele murmura.

Eu concordo com a cabeça e engulo. Ele deixa sua cabeça cair para um lado com cautela, avaliando
minha reação, e franze a testa. Em seguida, volta sua atenção para a caixa. Ele procura através do papel de seda azul-claro e pesca uma máscara para os olhos, alguns grampos de mamilo, um plugue anal, seu iPod, a gravata cinza-prata, por último, mas não significando menos, a chave da sua sala de jogos. Ele olha para mim, sua expressão é escura, ilegível. Oh merda. Será esta uma má jogada?

— Você quer jogar? — Ele pergunta em voz baixa.

— Sim, — eu respiro.

— Para o meu aniversário?

— Sim. — A minha voz poderia soar mais baixa?

Há uma miríade de emoções em seu rosto, nenhuma das quais eu possa interpretar, mas ele se contenta com ansiedade. Hmm... Não é bem a reação do que eu esperava.

— Você tem certeza? — Ele pergunta.

— Sim, chicotes e coisas.

— Eu entendo isso.

— Sim, então. Eu tenho certeza.

Ele balança a cabeça e olha para baixo, para o conteúdo da caixa.

— Sexo louco e insaciável. Bem, eu penso que nós podemos fazer alguma coisa com este lote, — ele murmura quase para si mesmo, e então coloca o conteúdo de volta na caixa. Quando ele olha para mim de novo, a sua expressão mudou completamente. Caramba, seus olhos cinzentos queimam e sua boca
levanta em um lento sorriso erótico. Ele estende a mão.

— Agora, — ele diz, e não é um pedido. Minha barriga aperta, apertado e duro, fundo, lá no fundo.

Eu ponho minha mão na sua.

— Venha, — ele ordena, e eu o sigo para fora do quarto, o meu coração está na boca. O desejo corre liso e quente através de meu sangue, com minhas entranhas apertando com antecipação e fome. Minha deusa interior dá saltos mortais em volta da sua espreguiçadeira. Finalmente!




Eu queria dizer uma coisinha, mas vocês são muito espertas e garanto que vão entender rs... ELES VÃO CASAR DKNSBLFDSJFNDSLNF GENTE EU TO FELIZ... VOCÊS GOSTARAM?

36 comentários:

  1. Lindooooooooooop, aaaa demais porra Lua eu ameiiiiiiiiiiiiii, perfeito, o joseph adorou os presentes que bom aaaaa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada!!!! Esse capítulo é perfeito ldnksm to me achando kkk

      Excluir
  2. Aiiiii choreiii, quarto vermelho da dor ai vao eles kkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  3. Você quase me mata do coração com a demora de postar o capitulo kkkkk' O segundo presente do Jonas, eu meio que percebi que seria ela querendo voltar na sala da jogos com ele, mas eu tenho medo do que vai acontecer do que vai acontecer lá :/ Será que ele está preparado pra voltar lá? Estou com muito medo e ansiosa kkkk' Mas , mal posso esperar pra ver o Jonas pedindo a mão da Demi pro Ray e a reação da Miley quando souber disso kkkk' Estou definida em uma palavra só: ANSIONSA! Parabéns garota!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Demora?????? SÓ FOI 1 DIA!!!! Olha garanto que a Demi sabe as decisões que toma, e ela vai ser cuidadoso, ele sabe o que aconteceu da última vez... eles merecem serem felizes... talvez esse quarto tragam surpresas, mas só nos resta esperar pra ver se são boas....

      Obrigada por comentar, se bem me lembro vc mesma disse que quase nunca comenta né? Me sinto honrada, amanhã sua curiosidade cessa.

      Excluir
  4. Posta logo!!!!!! Capitulo perfeito
    Obs: ELES VAO SE CASAR!!!! AAAAh

    ResponderExcluir
  5. Como assim ?? Quer me ver infartando em frente ao computador minha filha ?? Como vc para justamente nessa parte ?? Aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa socorro a curiosidade esta em um nivel qe vc nem imagina !! Quero o proximo tipo assim o mais rapido possivel kkk
    Menina qe perfeição foi essa ??
    Ownt *--* Demi disse SIIM cara kk eu ja imaginava qe esse seria um dos possíveis presentes , Joshep sortudo de uma figa né kkkk A proposito estou sentindo falta de um anel ok Sr. Jonas kkkkk
    Até o proximo capitulo, isto é , se eu nao tiver um treco ate la né kkk
    Bjos - Marina

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Desculpa(?) kkkk
      Amanhã tem capítulo...

      Perfeição? Que nada, mas obrigada!

      E o anel? Hmmm, o anel vai ser um detalhe importante mais pra frente rs

      Excluir
  6. JNGKLJDSBGKAJ AAAAAAA
    MEU DEUS POSTA LOGO
    QUEM TA DANDO SALTOS MORTAIS SOU EU

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. JDNFJKSDN AMANDA SOCORRO!!!!
      AMANHÃ TEM CAP ANJO

      Excluir
  7. Eu adoreeeeei que eles vão casar! Ai que tudo, scrr
    Acho que o joe amou esses presentinhos, ein!!?!
    Posta logo. Vai postar amanhã?
    bjs lua; Nanda

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ELE AMOU!!!! ELES VÃO >><CASAR<<
      TO AMANDO!!!!

      Excluir
  8. AMEEEEEEEEEEI .... oh meu deus !!! ansiosa pra ver eles casados kkkk e pelo próximo cap tbm , será quente ! omg
    ADORANDOOOO ESSE JEITO ALTERNATIVO DE LER ESSE LIVRO KKKKKKK SUPER

    possta logooo baby

    bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Casamento só na terceira temporada, MAAAAAAAAAAAS ELA ACEITOU!!!!

      DKFJNDSJFK VC TÁ GOSTANDO? SOCORRO KDJSFN OBRIGADA

      amanhã tem cap

      Excluir
  9. quando eles vao fazer sexo anal ??? mds que feio o q eu disse :x suahsuau

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. aaaaaaaaah n posso dizer, mas eles farão!!! dfklnsdf é nada, rlx

      Excluir
  10. Posta rápido por favooor tão perfeito vou ter um heart attack

    ResponderExcluir
  11. Ammmmei, quando vc vai posta de novo? #Ansiosa

    ResponderExcluir
  12. só lembrando que o sexo no chuveiro ele nao usou camisinha lkkk sou apegada a detalhes quase tava morrendo achando que você não ia postar, como você para numa parte dessas? hm dois capitulos hots seguidos sendo um no quarto vermelho a pedido de Demetria acho que não estou bem kkkk estou morrendo de curiosidade e se eu não dormir a culpa é sua dona moça, bjo bjo. Ane

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. eu tambem vi que eles nao usaram..hm, camisinha. SDFLKKJÇ queria um bb a bordo mas

      Excluir
    2. olha que atentas essas leitoras, parabéns rs!!! Será que vem um neném jonas? hmmm

      Excluir
  13. Achei que ela ia dar um par de sapatinhos de bebe

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. como assim? ajdkad socorro ainda é cedo

      Excluir
  14. Que lindo esta tudo perfeito, fofo e ....quente.
    Estou muito anciosa...posta logo.
    Beijos

    ResponderExcluir
  15. oiiiiiiiiii nova seguidora......to amando a fic,ta perfeito....ja to viciada..........posta logo.......divulga pra mim:http://tati-joeedemi.blogspot.com.br/
    bjssssssssssssss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. seja bem vinda tatiane! Espero que goste

      Excluir
  16. Hmmmm eles vão casar, José e Joseph se deram "bem", quarto vermelho da dor hmmmmmm interessante esse capítulo, porém preciso do próximo tipo hoje.


    Perfeito.

    Quero saber quem tá na maracutaia DA Charlie Tango. E se vai rolar um party pro Joseph

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. klewd vou postar, daqui a pouco...

      A festa claro que rola, e nela MUITAS surpresas

      Excluir
  17. Todo mundo fala q sexo anal doi :/ ela qier msm fazer isso ???

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. .... ah demi quer, mas querer nem sempre é poder, joe é cuidadoso ele sabe o que ela aguenta

      Excluir
  18. Vai postar hj ? Tem hora prevista ?

    ResponderExcluir