terça-feira, 30 de julho de 2013

Cap.21- 2ª temporada hot PENÚLTIMO

Joseph para do lado de fora da sala de jogos.

— Você tem certeza disso? — Ele pergunta, seu olhar está aquecido e ansioso.

— Sim, — eu sussurro, sorrindo timidamente para ele.

Seus olhos suavizam.

— Qualquer coisa que você não quer fazer?

Estou sem rumo com a sua pergunta inesperada, e minha mente fica sobrecarregada. Um pensamento me ocorre.

— Eu não quero que você tire fotos de mim.

Ele acalma, e sua expressão, assim como ele, endurece. Ele deixa a sua cabeça cair para um lado e me olha especulativamente. Oh merda. Eu acho que ele vai me perguntar o porquê, mas felizmente ele não faz.

— Ok, — ele murmura.

               Na sua testa há sulcos, quando ele abre a porta, então fica de lado para conduzir-me para o interior do quarto. Eu sinto seus olhos em mim, enquanto ele segue-me para dentro e fecha a porta. Colocando a caixa de presente na cômoda, ele pegou o iPod, abriu as portas de vidro fumê do suporte, colocou-o no lugar e ligou-o, as ondas de música começaram a sair das caixas de som nas paredes. Ele aperta alguns botões, e depois de um momento, o som de um trem do metrô ecoa dentro do quarto. Ele digita mais, até que a lenta batida eletrônica e hipnótica enche o ambiente. Uma mulher começa a cantar, eu não sei quem ela é, mas sua voz é suave e rouca e o ritmo é medido, deliberadamente... erótico. Oh meu Deus. É música para fazer amor. Joseph se vira para mim quando estou no meio da sala, meu coração dispara, meu sangue canta em minhas veias, pulsando, ou assim eu sinto, no compasso sedutor da música. Ele caminha casualmente até mim e pega no meu queixo para que eu não morda o meu lábio.


— O que você quer fazer, Demetria? — Ele murmura, plantando um beijo suave e casto no canto da minha boca, os dedos ainda segurando meu queixo.

— É o seu aniversário. O que você quiser, — eu sussurro. Ele traça o polegar ao longo do meu lábio inferior, com a testa enrugada, mais uma vez.

— Estamos aqui porque você acha que eu quero estar aqui? — Suas palavras são mansas, mas ele me observa atentamente.

— Não, — eu sussurro.
— Eu quero estar aqui também.

Seu olhar escurece, crescendo mais ousado, enquanto ele avalia a minha resposta. Depois do que parece uma eternidade, ele fala.

— Oh, há tantas possibilidades, Srta. Lovato. — Sua voz é baixa, animada.

—Mas vamos começar com você ficando nua. — Ele puxa o cinto do meu roupão para que ele caia, revelando a minha camisola de seda e, em seguida recua e senta-se calmamente no braço do sofá Chesterfield.

— Tire a roupa. Lentamente. — Ele me dá um olhar sensual, desafiador.

               Eu engulo compulsivamente, pressionando minhas coxas juntas. Eu já estou úmida entre minhas pernas. Minha deusa interior está despida e em pé na fila, pronta e esperando, me implorando para jogar. Eu puxo o manto longe de meus ombros, com meus olhos nunca deixando os dele, dou de ombros, deixando cair ao chão. Com fascinação quente nos olhos cinza, ele corre o dedo indicador sobre os lábios, enquanto olha para mim. Deslizando as alças finas da minha camisola pelos meus ombros, eu olho para ele por um momento, em seguida, libero-a. Minha camisola ondula suavemente pelo meu corpo e cai aos meus pés. Estou nua, e praticamente ofegante e oh, tão pronta. Joseph faz uma pausa por um momento, e fico maravilhada com a apreciação francamente carnal em sua expressão. Ele levanta, faz o seu caminho para a caixa e pega a sua gravata cinza prata, a minha favorita. Ele puxa-a por entre os dedos, enquanto se vira e caminha casualmente para mim, com um sorriso brincando em seus lábios. Quando ele está na minha frente, eu espero que ele peça as minhas mãos, mas ele não faz.

— Eu acho que você está mal vestida, Srta. Lovato, — ele murmura.

               Ele coloca a gravata em volta do meu pescoço, e, lentamente, mas habilmente amarra, no que eu suponho, é um nó Windsor. Quando ele aperta o nó, escova os dedos na base da minha garganta e dispara eletricidade através de mim, me fazendo suspirar. Ele deixa a parte mais larga da gravata longa, longa o suficiente para que a ponta encosta em meus pelos pubianos.

— Você parece bem poderosa agora, Srta. Lovato, — ele diz e se inclina para me beijar suavemente nos lábios. É um beijo rápido, e eu quero mais, o desejo enrosca desenfreadamente pelo meu corpo.

— O que faremos com você agora? — ele diz, e depois pega a gravata, puxa bruscamente, assim eu sou forçada para frente em seus braços.

                Suas mãos mergulham no meu cabelo e puxam minha cabeça para trás, e realmente me beija, duro, sua língua é implacável e impiedosa. Uma de suas mãos anda solta pelas minhas costas e para o meu traseiro. Quando ele se afasta, ele está ofegante e olhando para mim, com seus olhos cinzentos fundidos, e eu sou deixada querendo, ofegante, meu juízo completamente disperso. Tenho certeza que meus lábios estarão inchados após o seu ataque sensual.

— Vire-se, — ele ordena suavemente e eu obedeço. Puxando meu cabelo livre da gravata, ele rapidamente o trança e amarra. Ele puxa a trança, por isso a minha cabeça se inclina para cima.

— Você tem o cabelo bonito, Demetria, — ele sussurra e beija minha garganta, provocando arrepios, subindo e descendo pela minha espinha.

— Você apenas tem que dizer pare. Você sabe disso, não é? — Ele sussurra contra minha garganta.

Concordo com a cabeça, com os olhos fechados e saboreio seus lábios em mim. Ele me vira mais uma vez e pega o final da gravata.

— Venha, — ele diz, puxando delicadamente, levando-me até a caixa, onde o resto do conteúdo estava em exibição.

— Demetria, esses objetos. — Ele levanta o plugue anal.


— Este é um tamanho muito grande. Com um ânus virgem, você não quer começar com isso. Queremos começar com isso. — Ele levanta o dedo mindinho, e me engasgo, chocada. Dedos... lá? Ele sorri para mim, e o pensamento desagradável do punho anal, mencionado no contrato, me veio à mente.

— Só o dedo, um só, — ele diz baixinho com aquela estranha habilidade que ele tem de ler a minha mente. Meus olhos dardejam os seus. Como ele faz isso?

— Esses grampos são viciosos. — Ele pega os grampos de mamilos.
— Vamos utilizá-los. — Ele coloca um diferente par de pinças no peito.

Eles se parecem com gigantescos grampos pretos, com pequenas jóias penduradas.

— Eles são ajustáveis, — Joseph sopra, sua voz misturada com preocupação gentil.

               Eu pisco para ele, com olhos arregalados. Joseph, meu mentor sexual. Ele sabe muito mais sobre tudo isso do que eu. Eu nunca vou alcançá-lo. Eu franzo a testa. Ele sabe mais do que eu sobre muitas coisas... Exceto cozinhar.

— Certo? — ele pergunta.

— Sim, — eu sussurro e minha boca seca.
—Você vai me dizer o que você pretende fazer?

— Não. Vou fazer isso conforme vamos indo. Esta não é uma cena, Demi.

— Como devo me comportar?

Sua testa aperta.

— Do jeito que você quiser.

Oh!

— Você estava esperando o meu alter ego, Demetria? — Ele pergunta, com seu tom de zombaria e vagamente confuso, ao mesmo tempo. Eu pisco para ele.

— Bem, sim. Eu gosto dele, — eu murmuro. Ele sorri, seu sorriso privado e corre o dedo na minha bochecha.

— Sabe, — ele respira e corre o dedo no meu lábio inferior.
— Eu sou o seu amante, Demetria, não o seu Dominador. Gosto de ouvir o seu riso, seu riso de menina. Eu gosto de você relaxada e feliz, como você estava nas fotos de José. Essa é a menina que caiu no meu escritório. Essa é a garota por quem me apaixonei.

Santo Deus. Minha boca cai, é uma recepção de flores que aquece o meu coração. É alegria, pura alegria.

— Mas tendo dito tudo isso, eu também gosto de fazer coisas rudes com você, Srta. Lovato, e o meu alter ego conhece um truque ou dois. Então, faça como eu disse e se vire. — Seus olhos brilham perversamente, e a alegria se move bruscamente para o sul, agarrando-me com força e apertando cada tendão abaixo da minha cintura.

Faço o que me disse. Atrás de mim, ele abre uma das gavetas e um momento depois, ele está diante de mim novamente.

— Venha, — ele ordena e me puxa pela gravata, levando-me para a mesa.

                À medida que caminhamos, passando pelo sofá, vejo pela primeira vez que todos os bastões haviam desaparecido. Isso me confunde. Estavam lá ontem, quando eu entrei? Eu não me lembro. Será que Joseph tirou-os? A Sra. Jones? Joseph interrompe minha linha de pensamento.

— Eu quero que você se ajoelhe em cima disso, — ele diz, quando estamos em cima da mesa.

              Ah, ok. O que ele tem em mente? Minha deusa interior não pode esperar para descobrir, ela já pulou em cima da mesa e está olhando para ele com adoração. Ele gentilmente me ergue sobre a mesa, e eu dobro as pernas debaixo de mim e me ajoelho na frente dele, surpresa com a minha própria graça. Agora estamos olhos nos olhos. Ele passa as mãos pelas minhas coxas, agarra meus joelhos, puxa minhas pernas e ergue-se diante de mim. Ele parece muito sério, com os olhos escuros, semiabertos... lascivos.


— Braços atrás das costas. Vou algemar você.

               Ele pega um par de algemas de couro do bolso de trás e se aproxima de mim. É isso. Aonde ele vai me levar desta vez? Sua proximidade é inebriante. Este homem vai ser meu marido. Alguém pode cobiçar um marido assim? Eu não me lembro de ter lido sobre isso em qualquer lugar. Eu não posso resistir a ele, e eu corro os meus lábios entreabertos ao longo de sua mandíbula, sentindo a barba por fazer, uma combinação estonteante, espinhosa e macia, sob a minha língua. Ele acalma e fecha os olhos. Sua respiração vacila e ele puxa para trás.

— Pare. Ou isso vai ser muito mais rápido do que qualquer um de nós quer, — ele adverte. Por um momento, acho que ele pode estar com raiva, mas depois ele sorri, e seus olhos estão aquecidos com a diversão.

— Você é irresistível, — Eu amuo.

— Eu sou agora? — ele diz secamente.

Concordo com a cabeça.

— Bem, não me distraia, ou eu vou amordaçá-la.

— Eu gosto de distraí-lo, — eu sussurro, olhando teimosamente para ele, e ele levanta a sua sobrancelha para mim.

— Ou espancá-la.

              Oh! Eu tento esconder meu sorriso. Houve um tempo, não muito tempo atrás, em que eu teria sido subjugada por esta ameaça. Eu nunca teria tido a coragem de beijá-lo, espontaneamente, enquanto ele estivesse nessa sala. Percebo agora, eu já não sou intimidada por ele. É uma revelação. Sorrio maliciosamente, e ele sorri para mim.

— Comporte-se, — ele rosna e vai para atrás, olhando para mim e coloca as algemas de couro em meus pulsos. E a advertência está lá, implícita em suas ações. Eu tento ficar contrita e acho que fui bem sucedida. Ele se aproxima de mim novamente.

— Assim está melhor, — ele respira e inclina-se para atrás de mim, mais uma vez com as algemas.

               Eu resisto em tocá-lo, mas inalo o glorioso perfume de Joseph, ainda fresco do chuveiro da noite passada. Hmm... Eu deveria engarrafar isso. Eu espero que ele algeme os meus pulsos, mas ele coloca cada algema acima dos meus cotovelos. Isso me faz arquear as costas, empurrando meus seios para frente, apesar de meus cotovelos não estarem de maneira nenhuma juntos. Quando termina, ele faz a volta para me admirar.

— Sente-se bem? — Ele pergunta.

Não é a mais confortável das posições, mas eu estou tão ligada na antecipação, para ver aonde ele vai com isso que aceno brevemente, enfraquecida pela necessidade.

— Bem. — Ele puxa a máscara do bolso de trás.
— Eu acho que você já viu o suficiente agora, — ele murmura.

               Ele desliza a máscara sobre a minha cabeça, cobrindo meus olhos. Minha respiração para. Uau. Por que eu não ser capaz de ver é tão erótico? Eu estou aqui, amarrada e ajoelhada sobre uma mesa, esperando, a doce e quente antecipação que pesa no fundo da minha barriga. Eu ainda posso ouvir, porém, o ritmo melódico e constante da musica continua. Ela ressoa através do meu corpo. Eu não tinha notado antes. Ele deve tê-la repetido. Joseph caminhou para longe. O que ele está fazendo? Ele se move novamente e abre uma gaveta, em seguida, fecha-a novamente. Um momento depois, ele está de volta, e eu o sinto na minha frente. Há um pungente e rico cheiro almiscarado no ar. É delicioso, quase de dar água na boca.

— Eu não quero estragar a minha gravata favorita, — ele murmura. Ele lentamente a desamarra e a retira.

                Eu inalo drasticamente à medida que a ponta da gravata viaja pelo meu corpo, me fazendo cócegas em seu rastro. Arruinar sua gravata? Eu escuto intensamente, para determinar o que ele vai fazer. Ele está esfregando as mãos. Os dedos, de repente, escovam sobre meu rosto, até a minha mandíbula e depois para o meu queixo. Meu corpo salta a atenção para o seu toque e um arrepio delicioso passa por mim. Sua mão flexiona sobre o meu pescoço, derrama um óleo com cheiro doce na mão e desliza suavemente pela minha garganta, através da minha clavícula, e até meu ombro, com os dedos massageando suavemente. Oh, eu estou recebendo uma massagem. Não é o que eu esperava. Ele coloca uma mão no meu ombro e a outra começa uma viagem de provocação lenta em toda a minha clavícula. Eu gemo baixinho enquanto ele faz o seu caminho em direção aos meus seios, cada vez mais doloridos, ansiando pelo seu toque. É tentador. Eu arqueio o meu corpo ainda mais para o seu toque hábil, mas suas mãos deslizam para os meus lados, lentas, medidas, no tempo da batida da música, e cuidadosamente evitam os meus seios. Eu gemo, mas eu não sei se é de prazer ou frustração.

— Você é tão linda, Demi, — ele murmura, sua voz é baixa e rouca, sua boca está junto ao meu ouvido.

               Seu nariz segue ao longo da minha mandíbula, enquanto ele continua a me massagear, embaixo dos meus seios, em toda a minha barriga, para baixo... Ele beija fugazmente em meus lábios, então ele corre o nariz no meu pescoço, minha garganta. Caramba, eu estou em chamas... sua proximidade, suas mãos, suas palavras.

— E logo você vai ser minha mulher, para ter e manter, — ele sussurra.

Oh meu Deus.

— Para amar e cuidar.

Caramba.

— Com meu corpo, vou te adorar.

Eu jogo a minha cabeça para trás e gemo. Seus dedos atravessam os meus pêlos pubianos, por cima do meu sexo, e ele esfrega a palma de sua mão contra o meu clitóris.

— Sra. Jonas, — ele sussurra, enquanto a palma da mão esfrega contra mim.

Eu gemo.

— Sim, — ele respira, e a palma da mão continua a me provocar.
— Abra sua boca.

Minha boca já está aberta, estou ofegante. Abro mais, e ele escorrega um objeto grande de metal frio entre meus lábios. Com a forma de chupeta de bebê gigante, ele tem pequenos riscos ou esculturas, e posso sentir uma corrente no final. É grande.

— Chupe, — ele comanda suavemente.
—Eu vou colocar isso dentro de você.

Dentro de mim? Dentro de mim onde? Meu coração cambaleia em minha boca.

— Chupe, — ele repete e detém a palma de sua mão.

Não. Não pare, quero gritar, mas minha boca está cheia. Suas mãos untadas deslizam para trás, no meu corpo e, finalmente, pelos meus seios negligenciados.

— Não pare de chupar.

Delicadamente, ele rola meus mamilos entre os polegares e indicadores, e eles endurecem e alongam sob o seu toque especialista, enviando ondas sinápticas de prazer por todo o caminho para a minha virilha.

— Você tem belos seios, Demi, — ele murmura e meus mamilos endurecem ainda mais, como resposta.

Ele murmura a sua aprovação e eu gemo. Seus lábios se movem para baixo do meu pescoço, para o seio, dando mordidas suaves, sugando mais e mais para baixo, em direção ao meu mamilo, e de repente eu sinto o aperto do grampo.

— Ah! — Eu deturpo meu gemido através do dispositivo na minha boca.

Santa Mãe, o sentimento é requintado, cru, doloroso, prazeroso... oh, o aperto. Gentilmente, ele lava o mamilo com a língua e enquanto faz isso, ele aplica o outro grampo. A mordida do segundo grampo é igualmente dura... mas tão bom. Eu gemo alto.

— Sinta-o, — ele sussurra.

Oh, eu sinto. Eu sinto. Eu sinto.

— Dê-me isso. — Ele puxa suavemente a chupeta de metal da minha boca, eu o libero.

Suas mãos trilham mais uma vez pelo meu corpo, em direção ao meu sexo. Ele lubrificada novamente as suas mãos. Elas deslizam em torno de me traseiro. Eu suspiro. O que ele vai fazer? Eu estou tensa, de joelhos, enquanto ele passa os dedos entre minhas nádegas.

— Calma, devagar, — ele respira perto da minha orelha e beija meu pescoço, enquanto seus dedos atacam-me e provocam-me.

O que ele vai fazer? Sua outra mão desliza para baixo da minha barriga para o meu sexo, manipula-me mais uma vez. Ele facilita os dedos dentro de mim, e eu gemo alto, agradecida.

— Eu vou colocar isso dentro de você, — ele murmura.
— Não aqui. — Seus dedos trilham entre minhas nádegas, o óleo se espalha.
— Mas aqui. — Ele move os dedos de volta, dentro e fora, acertando a parede da frente da minha vagina.

Eu lamento e meus mamilos retidos incham.

— Ah.

— Calma agora. — Joseph remove os dedos e desliza o objeto para dentro de mim. Ele acaricia o meu rosto e me beija, sua boca invadindo a minha, eu ouço um clique muito fraco. Instantaneamente, o objeto dentro de mim começa a vibrar, lá embaixo! Eu suspiro. A sensação é extraordinária, além de qualquer coisa que eu já senti antes.

— Ah!

— Calma, — Joseph me acalma, sufocando meus suspiros com sua boca.

Suas mãos se movem para baixo e puxam delicadamente sobre os grampos. Eu grito bem alto.

— Joseph, por favor!

— Calma, querida. Aproveite.

Isso é demais, é uma super estimulação, em todos os lugares. Meu corpo começa a subir, e de joelhos, eu sou incapaz de controlar o acúmulo. Oh meu Deus... Serei capaz de lidar com isso?

— Boa menina, — ele acalma.

— Joseph, — eu clamo, soando desesperada, mesmo para os meus próprios ouvidos.

— Calma, sinta isso, Demi. Não tenha medo. — Suas mãos estão agora em minha cintura, me segurando, mas não consigo me concentrar em suas mãos, no que está dentro de mim e nas pinças, também. Meu corpo está construindo, construindo para uma explosão, com as vibrações incessantes e a doce tortura em meus mamilos. Inferno. Vai ser muito intenso. Suas mãos se deslocam de meus quadris, abaixo e ao redor, lisas e oleadas, tocam, sentem, amassam minha pele, amassando o meu traseiro.

— Tão bela, — ele murmura e de repente, ele gentilmente empurra um dedo oleado dentro de mim... lá! Em meu traseiro. Porra. Parece estranho, cheio, proibido... mas oh... tão... bom. E ele se move lentamente, facilitando a entrada e saída, enquanto seus dentes passam pelo meu queixo erguido.

— Tão bonita, Demi.

                Eu estou suspensa no alto, no alto de uma ravina, ampla e larga, eu estou subindo e depois caindo vertiginosamente, ao mesmo tempo, mergulhando para a Terra. Eu não posso esperar mais, eu grito enquanto as convulsões sacodem o meu corpo e o clímax tem uma plenitude avassaladora. Quando o meu corpo explode, eu não sou nada, apenas sensação, em todos os lugares. Joseph tira uma e depois a outra pinça, fazendo com que meus mamilos cantem como uma onda doce, um doce sentimento doloroso, mas é, oh, tão bom e me fez gozar. Seu dedo fica onde está, suavemente indo para dentro e para fora.

— Argh! — Eu gemo, Joseph envolve-se em torno de mim, me segurando, enquanto meu corpo continua a pulsar sem dó.

— Não! — Eu grito novamente, implorando, e desta vez ele puxa o vibrador de dentro de mim, e seu dedo também, enquanto meu corpo continua a convulsionar.

              Ele desamarra uma das algemas, para que meus braços caiam para frente. Minha cabeça cai em seu ombro, e eu estou perdida, perdida em todas essas sensações esmagadoras. Minha respiração está aos arrancos, exausta, desejo o doce e bem-vindo esquecimento. Vagamente, fico ciente de que Joseph me levanta, me leva para a cama e me coloca sobre os frescos lençóis de cetim. Depois de um momento, suas mãos, ainda lubrificadas, esfregam suavemente as costas das minhas coxas, meus joelhos, minhas panturrilhas e os meus ombros. Eu sinto movimento na cama, quando ele se estende ao meu lado. Ele puxa a máscara, mas não tenho a energia para abrir os olhos. Encontrando a minha trança, ele desfaz o laço do cabelo e se inclina para frente, beijando-me suavemente nos lábios. Só a minha respiração irregular perturba o silêncio na sala, estabilizando conforme eu flutuava suavemente de volta a Terra. A música parou.

— Tão bela, — ele murmura.

Quando consigo abrir os olhos, ele está olhando para mim, sorrindo suavemente.

— Oi, — ele diz. Eu consigo um grunhido em resposta, e seu sorriso se amplia.
— Suficientemente rude para você?

Concordo com a cabeça e dou-lhe um sorriso relutante. Caramba, mais rude que isso, eu não aguentaria.

— Eu acho que você está tentando me matar, — eu murmuro.

— Morte por orgasmo. — Ele sorriu.
— Há maneiras piores de morrer, — ele diz, mas depois faz uma careta, como se um pensamento desagradável tivesse atravessado a sua mente. Aborrece-me. Eu me aproximo e acaricio o seu rosto.

— Você pode me matar dessa forma a qualquer momento, — eu sussurro.

Percebo que ele está gloriosamente nu e pronto para a ação. Quando ele pega a minha mão e beija os meus dedos, eu me inclino e capturo o seu rosto entre as mãos e puxo a sua boca para a minha. Ele beija-me brevemente, depois para.

— Isto é o que eu quero fazer, — ele murmura e pega o controle remoto que estava embaixo do travesseiro. Ele aperta um botão e uma música suave de guitarra ecoa nas paredes.


— Eu quero fazer amor com você, — ele diz olhando para mim, seus olhos cinzentos ardendo com sinceridade, brilhando de amor. Suavemente, no fundo, uma voz familiar começa a cantar “A primeira vez que vi seu rosto”. E os seus lábios encontraram os meus.

              Enquanto eu aperto em torno dele, encontro a minha liberação, mais uma vez, Joseph se desenrola em meus braços, com a cabeça jogada para trás, enquanto ele chama pelo meu nome. Aperta-me fortemente contra o peito enquanto nos sentamos cara a cara no meio da cama enorme, eu montada nele. E neste momento, este momento de alegria, com este homem, esta música, a intensidade da minha experiência nesta manhã aqui com ele e tudo o que ocorreu durante a semana passada, me inunda de novo, não apenas fisicamente, mas emocionalmente. Estou completamente subjugada com todos esses sentimentos. Estou tão profundamente, profundamente apaixonada por ele. Pela primeira vez eu tenho um vislumbre de entendimento sobre a forma como ele se sente sobre a minha segurança. Recordando a sua estreita ligação com o Charlie Tango ontem, eu estremeço só de pensar e encho os meus olhos de lágrimas. Se alguma coisa acontecesse com ele, eu o amo tanto. Minhas lágrimas caem pelo meu rosto. São tantos lados de Joseph, sua doce, áspera e gentil personalidade, seu lado rude e dominante de “eu posso foder você como quiser e você vai chegar como um trem”, suas cinquentas sombras, todo ele. Todo espetacular. Todos meus. E estou ciente de que não o conheço bem, e temos uma montanha de problemas para superar, mas sei, que nos dois, o superaremos, nós teremos uma vida inteira para fazê-lo.

— Ei, — ele respira, apertando minha cabeça entre as mãos, olhando para mim. Ele ainda está dentro de mim.

— Por que você está chorando? — Sua voz está cheia de preocupação.

— Porque eu te amo tanto, — eu sussurro. Ele meio que fecha os olhos como se drogado, absorvendo minhas palavras. Quando ele abre novamente, eles brilham com o seu amor.

— E eu a você, Demi. Você me faz... inteiro. — Ele me beija suavemente enquanto Roberta Flack termina a sua canção.

Nós falamos, falamos e falamos, sentados juntos na cama no quarto de jogo, eu estou em seu colo, nossas pernas entrelaçada uma nas outras. O lençol de cetim vermelho está enrolado em torno de nós como um casulo, eu não tenho ideia de quanto tempo se passou. Joseph está rindo de minha imitação de Miley durante a sessão de fotos no Heathman.

— E pensar que poderia ter sido ela quem viria me entrevistar. Agradeço ao Senhor por um resfriado comum, — ele murmura e beija o meu nariz.

— Eu acredito que ela teve gripe, Joseph, — Eu repreendo-o, arrastando os dedos ociosamente pelos cabelos no seu peito e maravilhada por ele tolerar isso muito bem.

— Todos os bastões se foram, — eu murmuro, recordando minha distração de mais cedo. Ele enfia o meu cabelo atrás da minha orelha, pela enésima vez.

— Eu não acho que você jamais vá passar por esse limite rígido.

— Não, eu não acho que vou, — eu sussurro com os olhos arregalados, então me encontro olhando por cima dele, para os chicotes, pás e flagelos que revestem a parede oposta. Ele segue o meu olhar.

— Você quer que eu me livre deles, também? — Ele se diverte, mas é sincero.

Não o chicote com cabo... o marrom. Ou aquele açoite de camurça, você sabe. — Eu coro.

Ele sorri para mim.

— Ok, o chicote e o açoite. Srta. Lovato, você está cheia de surpresas.

— Assim como você, Sr. Jonas. É uma das coisas que eu amo sobre você. — Eu beijo-o suavemente no canto da boca.

— O que mais você gosta de mim? — Ele pergunta e seus olhos se arregalaram.

Eu sei que é um grande negócio, para ele fazer esta pergunta. Isso me humilha e eu pisco para ele. Eu amo tudo sobre ele, mesmo os seus Cinquenta Tons. Eu sei que a vida com Joseph nunca vai ser chata.

— Isso. — Meu dedo indicador passa pelos seus lábios.
— Eu a amo, e o que sai daí também, o que você faz comigo com ela. E o que está aqui. — Eu acaricio a sua têmpora.

— Você é tão esperto, inteligente e experiente, competente em tantas coisas. Mas acima de tudo, eu amo o que está aqui. — Eu pressiono minha mão suavemente contra o seu peito, sentindo o seu coração, batendo firme.

— Você é o homem mais compassivo que eu conheço. O que você faz. Como você trabalha. É inspirador, — eu sussurro.

— Inspirador? — Ele está confuso, mas há um traço de humor no seu rosto. Então seu rosto se transforma, e seu sorriso tímido aparece quando ele está envergonhado, e quero me lançar sobre ele. Então eu faço.

Eu estou cochilando, embrulhada em cetim e Jonas. Joseph aconchega-se me deixando acordada.

— Fome? — Ele sussurra

— Hmm, faminta.

— Eu também.

Eu me inclino para olhar para ele deitado na cama.

— É seu aniversário, Sr. Jonas. Vou cozinhar alguma coisa. O que você gostaria?

— Surpreenda-me. — Ele passa a mão nas minhas costas, acariciando-me suavemente.

— Eu deveria verificar meu Blackberry para ver todas as mensagens que eu perdi ontem. — Ele suspira e começa a sentar, e eu sei que este momento especial é mais... por agora.

— Vamos para o chuveiro, — ele diz.

Quem sou eu para recusar algo no aniversário do menino?


              Joseph está em seu estúdio, no telefone. Taylor está com ele, olhando sério, mas descontraído, de jeans e uma camiseta preta apertada. Eu me ocupo na cozinha, fazendo o almoço. Eu encontrei postas de salmão na geladeira, e eu estou caçando algum limão, fazendo uma salada, e fervendo algumas batatinhas. Sinto-me extraordinariamente relaxada e feliz, no topo do mundo, literalmente. Voltando-me para a grande janela, eu olho para o céu azul glorioso. Tudo que fala... tudo é sexy... hmm. Uma garota poderia se acostumar com isso. Taylor emerge do estúdio, interrompendo o meu devaneio. Eu desligo o meu iPod e tiro os fones do ouvido.

— Oi, Taylor.

— Demi. — Ele acena com a cabeça.

— Sua filha está bem?

— Sim, obrigado. Minha ex-esposa disse que ela tinha apendicite, mas ela estava exagerando, como de costume. — Taylor revira os olhos, surpreendendo-me.

— Sophie está bem, mas ela tem um problema estomacal desagradável.

— Sinto muito.

Ele sorri.

— Será que Charlie Tango foi localizado?

— Sim. A equipe de recuperação está a caminho. Ela deve estar de volta a Boeing Field mais tarde, essa noite.

— Ah, bom.

Ele me dá um sorriso apertado.

— Será que é tudo, senhora?

— Sim, sim, claro. — Eu coro... eu nunca irei me acostumar com Taylor chamando-me de senhora? Faz-me sentir tão velha, pelo menos 30. Ele acena com a cabeça e vai para fora da sala grande. Joseph ainda está no telefone. Estou esperando as batatas cozinharem. Isso me dá uma ideia.

Buscando minha bolsa, eu pego o meu Blackberry. Há uma mensagem de Miley.

*Te vejo esta noite. Ansiosa para um loooooongo bate papo*

Eu escrevo de volta.

*Digo o mesmo*


Vai ser bom conversar com Miley. Ligo o programa de e-mail, eu digito uma mensagem rápida para Joseph.




De: Demetria Lovato
Assunto: Almoço
Para: Joseph Jonas
Caro Sr. Jonas
Estou mandando este e-mail para informar que o almoço está quase pronto.
E que tive um sexo pervertido alucinante essa manhã.
Sexo pervertido de aniversário deveria ser recomendado.
E outra coisa, eu amo você.
D x
(Sua noiva)

Eu ouço com atenção para uma reação, mas ele ainda está no telefone. Eu dou de ombros. Talvez ele esteja muito ocupado. Meu Blackberry vibra.






De: Joseph Jonas
Assunto: Trepador Excêntrico
Para: Demetria Lovato
Que aspecto foi mais alucinante?
Estou tomando notas.
Joseph Jonas , Faminto e Exausto, Depois dos Esforços Matutinos CEO, Jonas Participações e Empreendimentos Inc.
PS: Eu amo sua assinatura
Ps 2: O que aconteceu com a arte da conversação?



De: Demetria Lovato
Assunto: Faminto?
Para: Joseph Jonas
Caro Sr. Jonas
Posso chamar a sua atenção para a primeira linha do meu e-mail anterior, informando que o almoço está, de verdade, quase pronto... de modo nenhum vai ficar faminto e exausto. Com relação aos aspectos alucinantes do seu sexo excêntrico... francamente: foi Tudo. Eu estaria interessada em ler as suas notas. E eu gosto da minha assinatura entre parênteses, também.
D x
(sua noiva)
PS: Desde quando você foi tão loquaz? E você está no telefone!



Eu pressiono enviar e olho para cima, ele está em pé na minha frente, sorrindo. Antes que eu possa dizer qualquer coisa, ele circunda em torno da ilha da cozinha, varre-me em seus braços e me beija profundamente.

— Isso é tudo, Srta. Lovato, — ele diz, liberando-me, e ele caminha, de jeans, pés descalços e camisa branca para fora da calça, de volta para seu escritório, deixando-me sem fôlego.


                    Eu fiz uma salada de agrião e coentro, temperada com creme de leite, para acompanhar o salmão, e eu sirvo no balcão de café da manhã. Eu odeio interrompê-lo quando ele está trabalhando, mas agora eu estou na porta de seu escritório. Ele ainda está no telefone, com os cabelos completamente fodidos e brilhantes olhos cinzentos, um banquete visual nutritivo. Ele olha para cima, então ele me vê e não tira os olhos de mim. Ele franze um pouco, e eu não sei se é comigo ou por causa de sua conversa.

— Apenas os deixe em paz, e os deixem sozinho. Você entende, Mia? — Ele sussurra e revira os olhos.
— Bom.

Eu faço mímica de comer, e ele sorri para mim e acena.

— Eu te vejo mais tarde. — Ele desliga.
— Mais uma chamada? — Ele pergunta.

— Claro.

— Esse vestido é muito curto, — ele acrescenta.

— Você gostou? — Eu lhe dou um giro rápido. É uma das compras de Caroline Acton. Um macio vestido de verão azul-turquesa, provavelmente mais adequado para a praia, mas é um dia tão bonito em tantos níveis. Ele franze a testa e meu rosto cai.

— Você parece fantástica nele, Demi. Eu só não quero que ninguém mais a veja assim.


— Oh! — Eu faço uma careta para ele.
— Estamos em casa, Joseph. Não tem ninguém, só o pessoal.

Sua boca torce, e tanto, que ele deve estar tentando esconder a sua diversão ou ele realmente não acha que isso é engraçado. Mas, eventualmente, ele balança a cabeça, tranquilizado. Sacudo a cabeça, ele realmente está falando sério? Eu volto para a cozinha. Cinco minutos depois, ele está de volta na minha frente, segurando o telefone.

— Ray quer falar com você, — ele murmura, seus olhos estão desconfiados.

Todo o ar sai do meu corpo ao mesmo tempo. Tomo o telefone e cubro o bocal.

— Você disse a ele! — Eu murmuro. Joseph acena com a cabeça, e seus olhos estão arregalados, com uma aparência evidente de angústia.

Merda! Eu respiro fundo.

— Oi, pai.

— Joseph acaba de me perguntar se ele pode se casar com você, — Ray diz.

Oh Merda. O silêncio se estende entre nós, enquanto eu desesperadamente penso no que dizer. Ray, como de costume permanece em silêncio, não me dando nenhuma pista sobre a sua reação a esta notícia.

— O que você disse? — Eu digo primeiro.

— Eu disse que queria falar com você. É meio de repente, você não acha, Dems? Você não o conhece muito. Quero dizer, ele é um cara legal, sabe tudo de pesca... mas tão cedo? — Sua voz é calma e comedida.

— Sim. É repentino... um minuto. — Apressadamente, eu deixo a área da cozinha, longe do olhar ansioso de Joseph e sigo em direção a janela grande. As portas da varanda estão abertas, eu saio para a luz do sol. Eu não consigo caminhar até a borda. É muito alto.

— Eu sei que é repentino e tudo, mas... bem, eu o amo. Ele me ama. Ele quer casar comigo e não vai haver ninguém mais para mim. — Eu coro pensando que esta é provavelmente a conversa mais íntima que já tive com o meu padrasto.

Ray está silencioso na outra extremidade do telefone.

— Você disse a sua mãe?

— Não.

— Dems... Eu sei que ele é um tipo rico e elegível, mas casamento? É um passo tão grande. Você tem certeza?

— Ele é o meu ‘felizes para sempre’, — eu sussurro.

— Uau. — Ray diz depois de um momento, seu tom mais suave.

— Ele é tudo.


— Dems, Dems, Dems. Você é uma jovem mulher tão obstinada. Peço a Deus, que você saiba o que você está fazendo. Passa-me de volta para ele, tá?

— Claro, pai, você vai entrar comigo no casamento? — Peço suavemente.

— Oh, querida. — Sua voz está rachando, e ele está quieto por alguns momentos, a emoção em sua voz traz lágrimas aos meus olhos.

— Nada me daria mais prazer, — ele diz finalmente.

Oh, Ray. Eu te amo tanto... Eu engulo, para não chorar.

— Obrigada, papai. Vou entregar de volta para o Joseph. Seja gentil com ele. Eu te amo, — eu sussurro.

Acho que Ray está sorrindo do outro lado da linha, mas é difícil dizer. É sempre difícil dizer quando se trata de Ray.

— Com certeza, Dems. E venha visitar esse velho e traga esse Joseph com você.

Eu marcho de volta para a sala, chateada com Joseph por não me avisar e entrego-lhe o telefone, minha expressão deixa-o saber o quão chateada eu estou. Ele está alegre quando pega o telefone e volta para o seu estudo. Dois minutos depois, ele reaparece.

— Eu tenho a bênção um pouco relutante de seu padrasto, — ele diz com orgulho, de fato, tão orgulhosamente, que me faz rir e ele sorri para mim. Ele está agindo como se ele estivesse apenas negociando uma grande fusão ou aquisição nova, que, eu suponho, que em um nível, ele tem.

— Porra, você é uma boa cozinheira, mulher. — Joseph engole seu último bocado e levanta seu copo de vinho branco para mim. Eu floresço com o seu elogio, e me ocorre que vou começar a cozinhar para ele nos fins de semana. Eu franzo a testa. Gosto de cozinhar. Talvez eu devesse ter feito um bolo para o aniversário dele. Eu verifico o meu relógio. Eu ainda tenho tempo.

— Demi? — Ele interrompe meus pensamentos.
— Por que você me pediu para não tirar sua foto? — Sua pergunta me surpreende ainda mais, porque sua voz é incrivelmente suave.

Oh... merda. As fotos. Olho para o meu prato vazio, torcendo os dedos no meu colo. O que posso dizer? Eu prometi a mim mesma não mencionar que eu tinha encontrado a sua versão de ‘Esposas dos Leitores’.

— Demi, — ele pressionou.
— O que foi? — Ele me faz saltar, sua voz comanda-me a olhar para ele. Quando eu acho que ele não me intimida?

— Eu achei as suas fotos, — eu sussurro.

Seus olhos se arregalaram em choque.

— Você já esteve no cofre? — ele pergunta, incrédulo.

— Cofre? Não. Eu nem sabia que você tinha um cofre.

Ele franze a testa.

— Eu não entendo.

— Em seu armário. A caixa. Eu estava procurando coisas para o meu presente, e a caixa estava sob seu jeans... aquele que você normalmente usa na sala de jogos. Exceto hoje. — Eu ruborizo.

Ele olha para mim, horrorizado, e nervosamente passa a mão pelo seu cabelo, enquanto processa essas informações. Ele esfrega o queixo, perdido em pensamentos, mas ele não pode ocultar o incômodo perplexo em seu rosto. Bruscamente, ele balança a cabeça, exasperado, mas divertido também e um tênue sorriso de simpatia aparece no canto da sua boca. Ele junta as mãos na frente dele e se concentra em mim mais uma vez.

— Não é o que você pensa. Eu tinha esquecido tudo sobre elas. Essa caixa foi movida do seu lugar. Essas fotografias estavam no meu cofre.

— Quem a moveu? — Eu sussurro.

Ele engole.

— Só há uma pessoa que poderia ter feito isso.

— Oh. Quem? E o que você quer dizer com, ‘não é o que eu penso’?


Ele suspira e inclina a cabeça para um lado, e eu acho que ele está envergonhado. Então, ele deve estar! Meu subconsciente rosna.


— Isso vai soar frio, mas elas são uma apólice de seguro, — ele sussurra, protegendo a si mesmo para a minha resposta.

— Apólice de seguro?
— Contra uma eventual exposição.

A moeda cai e agita desconfortavelmente, voltas e voltas, na minha cabeça vazia.


— Oh, — eu murmuro, porque eu não consigo pensar em mais o que dizer.

Eu fecho meus olhos. É isso. Este é o fodido Cinquenta Tons, aqui, agora.

— Sim. Você está certo, — eu murmuro.
— Isso soa muito frio. — Eu começo a limpar os nossos pratos. Eu não quero saber de mais nada.

— Demi.

— Será que elas sabem? As garotas... as subs?

Ele franze a testa.

— Claro que sabem.

Oh, bem, isso é alguma coisa. Ele estende a mão, me agarrando e puxando-me para ele.

— Essas fotos deveriam estar no cofre. Elas não são para uso recreativo. — Ele para.
—Talvez elas fossem, inicialmente, quando elas foram tiradas. Mas, — Ele para, me implorando.
— Elas não significam nada.

— Quem as colocou em seu armário?

— Só pode ter sido Leila.

— Ela sabe a combinação de seu cofre?

Ele encolhe os ombros.

— Não me surpreenderia. É uma combinação muito longa, e eu uso muito raramente. É um número que eu tinha escrito e não mudei. — Ele balança a cabeça.
— Eu me pergunto o que mais ela conhece e se ela levou alguma coisa de lá. — Ele franze a testa, em seguida, volta sua atenção para mim.
— Olha, eu vou destruir as fotos. Agora, se você quiser.

— Elas são as suas fotos, Joseph. Faça com elas o que quiser, — eu murmuro.

— Não é para ser assim, — ele diz, pegando a minha cabeça entre as suas mãos e segurando o meu olhar no seu.
— Eu não quero essa vida. Eu quero a nossa vida, juntos.

Caraca. Como ele sabe que, sob o meu horror sobre essas fotos está o fato de que eu sou paranoica?

— Demi, eu pensei ter exorcizado todos os fantasmas, esta manhã. Eu me sinto assim. Você não?

Eu pisco para ele, recordando a nossa manhã muito, muito agradável, romântica e totalmente suja em sua sala de jogos.

— Sim, — eu sorrio
— Sim, eu sinto isso também.

— Bom. — Ele se inclina e beija-me, dobrando-me em seus braços.
— Eu vou rasgá-las, — ele murmura.
— E então eu tenho que ir trabalhar. Desculpe, querida, mas eu tenho uma montanha de atividades para fazer esta tarde.

— Legal. Eu tenho que ligar para a minha mãe. — Eu faço uma careta.
 — Então eu vou fazer algumas compras e assar um bolo.

Ele sorri e seus olhos brilham como um menino pequeno.

— Um bolo?

Concordo com a cabeça.

— Um bolo de chocolate?

— Você quer um bolo de chocolate? — Seu sorriso é contagiante.

Ele acena com a cabeça.

— Vou ver o que posso fazer, Sr. Jonas.

Ele me beija mais uma vez.




Dianna fica atordoada, em silêncio.


— Mãe, diga alguma coisa.

— Você não está grávida, está, Demi? —Ela sussurra com horror.

— Não, não, não é nada disso. — Meu coração parte com a decepção, e eu fico triste por ela pensar isso de mim. Mas então eu me lembro com um sentimento de naufrágio, que ela estava grávida de mim quando ela casou com meu pai.

— Sinto muito, querida. Isso é tão súbito. Quero dizer, Joseph é um grande partido, mas você é tão jovem, e você deve ver um pouco do mundo.

— Mãe, você não pode simplesmente ficar feliz por mim? Eu o amo.

— Querida, eu só preciso me acostumar com a ideia. É um choque. Eu poderia dizer na Geórgia que havia algo muito especial entre vocês dois, mas o casamento...?

Na Geórgia, ele queria que eu fosse sua submissa, mas não vou dizer isso a ela.

— Você definiu uma data?

— Não.

— Eu gostaria que seu pai estivesse vivo, — ela sussurra. Ah, não... não isso. Não isso, agora.

— Eu sei, mãe. Eu teria gostado de conhecê-lo, também.

— Ele só segurou você uma vez, e ele estava tão orgulhoso. Ele achava que você era a garota mais bonita do mundo. — Sua voz é de uma calma mortal, como um conto familiar muitas vezes recontado... novamente. Ela, em breve, estará em lágrimas.

— Eu sei, mãe.

— E então ele morreu. — Ela funga, e eu sei como isso acaba, faz tempo.

— Mãe, — eu sussurro, querendo alcançar o telefone e abraçá-la.

— Sou uma mulher velha e boba, — ela murmura e ela funga novamente.
—Claro que estou feliz por você, querida. O Ray sabe? — Ela acrescenta, e parece ter recuperado seu equilíbrio.

— Joseph pediu minha mão para ele.

— Oh, que doce. Bom. — Ela soa melancólica, mas ela está fazendo um esforço.

— Sim, foi, — eu murmuro.

— Demi, querida, eu te amo tanto. Estou feliz por você. E você deve nos visitar, ambos.

— Sim, mamãe. Eu também te amo.

— Bob está me chamando, eu tenho que ir. Deixe-me saber a data. Nós precisamos planejar... você quer um grande casamento?

Grande casamento, droga. Eu nem sequer pensei nisso. Grande casamento? Não. Eu não quero um grande casamento.

— Eu não sei ainda. Assim que decidir, vou avisar.

— Ótimo. Você tome cuidado agora e fique segura. Vocês dois precisam ter algum divertimento... há tempo de sobra para as crianças, mais tarde.

Crianças! Hmm... e lá está isso de novo, uma referência não tão velada, ao fato de que ela me teve tão cedo.

— Mãe, eu realmente não arruinei a sua vida, não foi?

Ela arqueja.

— Ah, não, Demi, nunca pense isso. Você foi a melhor coisa que já aconteceu para o seu pai e para mim. Eu só queria que ele estivesse aqui para vê-la, tão crescida e se casando. — Ela está melancólica e sentimental novamente.

— Eu gostaria disso também. — Sacudo a cabeça pensando sobre o meu pai mítico.
— Mãe, eu vou deixar você ir. Vou ligar em breve.

— Amo você, querida.

— Eu também, mãe. Tchau.

A cozinha de Joseph é um sonho para trabalhar. Para um homem que não sabe nada sobre culinária, ele parece ter tudo. Eu suspeito que a Sra. Jones adora cozinhar também. A única coisa que eu preciso é um pouco de chocolate de alta qualidade para a cobertura. Deixo as duas metades do bolo em um prato para
esfriar, pego a minha bolsa, e boto a minha cabeça em torno da porta do estúdio de Joseph. Ele está se concentrando em sua tela de computador. Ele olha para cima e sorri para mim.

— Eu só estou indo até a loja para pegar alguns ingredientes.

— Ok. — Ele franze a testa para mim.

— O quê?

— Você vai colocar um jeans ou algo assim?

Oh, vamos lá.

— Joseph, são apenas pernas.

Ele olha para mim, sem alegria. Esta vai ser uma luta. E é seu aniversário. Desvio o olhar para ele, me sentindo como uma adolescente errante.

— E se estivéssemos na praia? — Eu tomo um rumo diferente.

— Nós não estamos na praia.

— Será que você se oporia se estivéssemos na praia?

Ele considera isto por um momento.

— Não, — ele diz simplesmente.

Reviro os olhos novamente e sorrio maliciosamente para ele.

— Bem, então imagine que estamos. — Eu me viro e ando para a entrada.

               Aperto o botão do elevador antes que ele brigue comigo. Quando as portas se fecham, eu aceno para ele, sorrindo docemente enquanto ele assiste, impotente, mas felizmente com diversão em seus olhos apertados. Ele balança a cabeça em desespero, então eu já não posso vê-lo. Oh, isso foi emocionante. A adrenalina está batendo nas minhas veias, e meu coração parece que quer sair do meu peito. Mas enquanto o elevador desce, meu espírito também. Merda, o que eu fiz? Eu tenho um tigre na minha cola. Ele vai ficar com raiva quando eu voltar. Meu subconsciente está olhando para mim sobre seus óculos de meia-lua, uma vara de salgueiro na mão. Merda. Eu penso sobre a pouca experiência que tenho com os homens. Eu nunca vivi com um homem antes, bem, exceto Ray e por alguma razão ele não conta. Ele é meu pai... bem, o homem que eu considero o meu pai. E agora eu tenho Joseph. Ele nunca realmente viveu com ninguém, eu
acho. Vou ter que perguntar a ele, se ele ainda estiver falando comigo. Mas eu penso que realmente devo usar o que gosto. Lembro-me de suas regras. Sim, isso deve ser difícil para ele, mas ele com certeza pagou por este vestido. Ele deveria ter especificado melhor para a vendedora da Neimans. Nada muito curto!
Esta saia não é curta, é? Eu verifico no grande espelho do hall de entrada. Porra. Sim, é bastante curta, mas eu fiz uma escolha agora. E sem dúvida eu vou ter que enfrentar as consequências. Pergunto-me o que ele vai fazer, mas primeiro eu preciso de dinheiro. Olho para o meu recibo da ATM34: $ 51,689.16. Isso são cinquenta mil dólares a mais! Demetria, você vai ter que aprender a ser rica, também, você disse sim. E assim começa. Eu pego meus míseros cinquenta dólares e faço o meu caminho para a loja. Quando volto, vou direto para a cozinha, e eu não posso deixar de sentir um frisson de alarme. Joseph ainda está em seu estúdio. Caramba, agora já é metade da tarde. Eu decido que minha melhor opção é enfrentá-lo, ver o quanto de dano eu causei. Eu olho com cautela em torno da sua porta do escritório. Ele está no telefone, olhando pela janela.

— E o especialista da Eurocopter virá na tarde de segunda-feira?... Bom. Basta manter-me informado. Diga a eles que eu vou precisar de suas conclusões iniciais, na segunda-feira à noite ou na manhã de terça-feira. — Ele desliga e gira a cadeira de volta, mas acalma quando ele me vê, sua expressão é impassível.

— Oi, — eu sussurro. Ele não diz nada, e meu coração cai livre em meu estômago. Cautelosamente eu entro em seu estúdio e ao redor da mesa onde ele está sentado. Ele ainda não disse nada, seus olhos nunca deixando os meus. Eu fico na frente dele, sentindo-me em Cinquenta Tons de tola.

— Estou de volta. Você está bravo comigo?

Ele suspira, estende a mão para mim e me puxa para seu colo, cruzando os braços em volta de mim. Ele enterra seu nariz no meu cabelo.

— Sim, — ele diz.

— Sinto muito. Eu não sei o que deu em mim. — Eu enrolo em seu colo e inalo o seu cheiro celestial, de Joseph, sentindo-me segura, independentemente do fato de que ele está zangado.

— Nem eu. Use o que você gosta, — ele murmura. Ele passa a mão até  minha perna nua, pela minha coxa.
—Além disso, este vestido tem suas vantagens. — Ele se inclina para me beijar, e quando nossos lábios se tocam a paixão, ou a luxúria ou uma necessidade profunda se lança através de mim, inflamando o desejo no meu sangue. Seguro a sua cabeça em minhas mãos, prendo meus dedos em seu cabelo. Ele geme quando o seu corpo responde, e ele avidamente mordisca o meu lábio inferior, minha garganta, minha orelha, sua língua invadindo minha boca, e antes que eu esteja mesmo ciente, ele abre as calças, puxando-me montada em seu colo e entra em mim. Eu pego o encosto da cadeira, meus pés mal tocam o chão... e começamos a mover-nos e gemer.

xxx




— Eu gosto da sua versão de desculpas, — ele respira no meu cabelo.

— E eu gosto da sua, — eu rio, aninhando-me contra o seu peito.
— Já acabou?

— Cristo, Demi, você quer mais?

— Não! Seu trabalho.

— Vou acabar em cerca de meia hora. Eu ouvi sua mensagem em meu correio de voz.

— Foi de ontem.

— Você parecia preocupada.

Eu o abraço firmemente.

— Eu estava. Quando você não respondeu.

Ele beija o meu cabelo.

— Seu bolo deve ficar pronto em meia hora. — Eu sorrio para ele e desço de seu colo.
— Anseio por ele. Cheira delicioso, evocativo mesmo, enquanto ele estava assando.

Eu sorrio timidamente para ele, sentindo um pouco de autoconsciência, e ele reflete a minha expressão. Caramba, nós somos realmente tão diferentes? Talvez sejam suas primeiras memórias de cozinha. Inclinando-me, lhe dou um beijo rápido no canto da boca e faço meu caminho de volta para a cozinha. Eu estou toda preparada quando o ouço sair de seu estúdio, e eu acendo a vela dourada solitária em seu bolo. Ele me dá um sorriso de orelha a orelha e observo como ele caminha em direção a mim, e eu suavemente canto Feliz Aniversário para ele. Então, ele se inclina e sopra, fechando os olhos.

— Eu fiz o meu desejo, — ele diz, enquanto os abre novamente, e por algum motivo o seu olhar me faz corar.

— A cobertura ainda está mole. Eu espero que você goste.

— Eu não posso esperar para prová-lo, Demetria, — ele murmura, e ele faz aquele som que parece tão insolente. Eu corto uma fatia para cada um, e nós comemos com garfos pequenos.

— Mmm, — ele geme em agradecimento.
— É por isso que eu quero casar com você.

E eu rio com alívio... ele gostou.


xxx


— Pronta para encarar a minha família? — Joseph desliga a ignição do R8. Estamos estacionados na garagem de seus pais.

— Sim. Você vai dizer a eles?

— Claro. Estou ansioso para ver suas reações. — Ele sorri maliciosamente para mim e sai do carro.

São sete e meia, e apesar de ter sido um dia quente, há uma brisa fresca na noite soprando para fora da baía. Eu puxo meu envoltório em torno de mim e saio do carro. Eu estou vestindo um vestido de cocktail verde esmeralda que encontrei esta manhã enquanto eu estava vasculhando o armário. Ele tem um cinto largo combinando. Joseph pega a minha mão, vamos para a porta da frente. Paul abre antes mesmo que ele possa bater.

— Joseph, olá. Feliz aniversário, meu filho. — Ele pega a mão oferecida por Joseph, mas o puxa para um abraço breve, surpreendendo-o.

— Er... obrigado, pai.

— Demi, que adorável vê-la de novo. — Ele me abraça, também, e nós o seguimos para dentro da casa.

Antes de pôr o pé na sala, Miley vem correndo pelo corredor em direção a nós dois. Ela olha furiosa.

Oh não!

— Vocês dois! Eu quero falar com vocês. — Ela rosna em seu tom de voz ‘é melhor você não criar uma porra de confusão comigo’. Olho nervosamente para Joseph, que encolhe os ombros e decide ser condescendente, enquanto a seguimos para a sala de jantar, deixando Paul confuso no limiar da sala. Ela fecha a porta e se vira para mim.

— Que porra é essa? — Ela sussurra e sacode um pedaço de papel para mim. Completamente perdida, eu o pego e olho rapidamente. Minha boca seca.

Puta merda. É a minha resposta por e-mail para Joseph, discutindo o contrato.





Continua... 

Penúltimo capítulo.... Miley achou os email e agora? Já tinha dado a dica que ela Denise e Elena vão causar nos últimos... O que será que a Miley vai fazer? Será que isso vai acabar com Jemi?

Quem se arrisca a dizer o que a Denise e a Elena vão fazer? 

Quero pedir um favor, cada seguidora comenta aqui o tipo de fic que gosta.. tipo, romantica, hot, drama etc..
Quem escolher hot, defina eles.. hot fofo, hot selvagem, hot com sadomasoquismo, enfim... me digam e isso influenciara no futuro do blog!!!! 


Vocês estão gostando? Divulguem bastante o blog e obrigada pelos comentários, meninas que tem blog... comentem aqui o link do blog de vocês!!!

Divulgação: http://tati-joeedemi.blogspot.com.br/

35 comentários:

  1. Wow... Por esse eu não esperava MESMO! To com medo agora :x E respondendo seu comentário e ontem pra mim: Sim sou eu mesma que não comento muito em fics, só comendo em três, e umas delas é a sua shgdhs . Bem, eu gosto desse tipo de fic.. Acho que é meio drama/romance/hot. E gosto de todos os tipo de hots, antes tipo muito medo do com sadomasoquismo, mas agora, devido as circunstâncias, de que o Jonas só faz o que a Demi quer agora. É isso :D Otimo capitulo, mesmo que meu coração esteja quase saindo pela boca agora kkkk'

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E agora o que a Demi e o Joe vão fazeeer?

      jdkfnf ano pare de comentar aqui, to me sentindo a fod* por estar no seu top 3 de fics kkk

      Daqui a pouco vou postar, obg por comentar

      Excluir
    2. aw, magina <3 já estou aqui, esperando o capitulo. kkkk'
      P.S: Pode deixar que não vou parar de comentar kkk'

      Excluir
    3. só vou terminar de editar, 5 minutos ai tem cap!!! bjs linda

      Excluir
  2. Não imagino msm o que elas irão fazer!
    Eu gosto desse tipo de fic msm...romance mas nada muito "meloso", drama e hot de quaisquer tipo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse aniversário, PROMETE!!!!

      Obrigada por comentar!!!

      Excluir
  3. hot fofo.. capitulo perfeito!! posta amanha?

    ResponderExcluir
  4. Hot fofo e selvagem ao mesmo tempo, ta lindo o capitulo Lua, eiiita a miley tb nao e mole hein, a elena vai contar pra familia do joseph q eles.ja foram meio q amantes ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Elena vai fazer pior!!! Elena é uma vadi*!

      Excluir
  5. Aaiii, acho que ninguém tava esperando isso... 'que porra é essa?' Sem ideias sobre o que a Denise e a Elena vão fazer.. tudo nessa fic é meio inesperado!!! O tipo de hot que eu gosto?? Hoje em dia, sendo hot eu gosto, mas eu tenho adoração por selvagem. Tb gosto de fics não muito melosas, mas é isso!!! O cap ta PERFEITO Lua! Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Miley achou o email de contrato deles sos...

      Obrigada por comentar!!!<3

      Excluir
  6. Puts, você não cansa de nos deixar curiosas ?? hahaha, estou triste que vai acabar logo )':
    E sobre o tipo de fic, eu gosto de romantica com hot (fofo e selvagem)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não, não canso! kkkk

      Vai ter terceira temporada ;)

      Obrigada por comentar!!!

      Excluir
  7. Oh my god que perfeito isso *--------* eu quero hot fofo sou melosa , ta perfeita a Fic posta logo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. dnfj djsn aw que fofa kkkk

      vou postar daqui a pouco Obrigada por comentar!!!

      Excluir
  8. WOW cara, a Miley não pode estragar tudo agora, e como ela encontrou esse email ??????????? CARA@#$ isso não podia te acontecido !!! OMG Surtando aqui

    eu gosto de Romance/HOT ( qualquer hot)

    possssssssssssssta logooooooooooo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ela achou numa blusa da demi, na mudança a demi nem prestou atenção nas coisas velhas... ai ela ficou direto na casa do joe.. acabou esquecendo. Miley foi procurar e achou...

      Vou postar hoje Juh, obrigada por comentar!

      Excluir
  9. MEU DEUS, SOCORRO MILEY FUXIQUEIRA!
    ELES NÃO PODEM ACABAR COM JEMI MEU DEUS.

    Não sei eu gosto de qualquer tipo de fic

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. SOCORRO EU RI DO "MILEY FUXIQUEIRA" KKKKKKKKKKKKKKKKKK

      DSKJFNDF

      Excluir
  10. Aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa não infartei no anterior mais nesse eu tenho um treco :o
    Como assim ?? Miley aloca cm os emails , agora lascou tudo :/ Pelo amor de Deus quanto suspensa kkkkk
    Bom quanto ao tipo de fic eu leio de tudo qe vc imaginar então.. kkkk
    Bjos - Marina

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. HBSNF MILEY CURIOSA!!! ESSE ANIVERSÁRIO DO JOE VAI RENDER

      Excluir
  11. ai meu Deus socorrinho o que a miley vai fazer?? já disse que a senhorita é a culpada pela minha pessima noite de sono com esses suspenses todo? hm é complicado drama/hot/romance é legal uma mistura de tudo e todos os tipos de hot, como nessa adaptação.
    bjo, Ane

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Miley tá curiosa pra saber né, todo mundo pensa que a Demi é frágil!

      Desculpa, não é minha intenção deixar vocês sem dormir kkkk

      Obrigada por comentar!!!

      Excluir
  12. HOT todo mundo aqui é safado hahuhsua ele nao fizeram anal :@ poxa pensei que eles iam fazer u-u

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. SAFADAS, TODO MUNDO COMENTA "HOT" KKKKKKKKKKK

      Fazer o que? Anal? MUITO cedo, só os dedos do joe mesmo!

      Excluir
  13. sla acho q e o contrato '-'


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. é um email que fala das clausulas do contrato

      Excluir
  14. Meu deus que capitulo perfeito, mas o que essa Miley vai aprontar? OMG
    Sou apegada nos pequenos detalhes... e eu percebi umas coisinhas ai.
    Acho que vou chorar por que ta acabando. Não tenho a minima ideia o que a Elena e Denise vão fazer, mas coisa boa a gente não pode esperar da Sra. Robinson.
    Esses presentinhos que ela "deu" pra ele foi pfto <3
    Esse homem cada vez mais apaixonado e eu cada vez mais apaixonada por essa fic, OMG <333
    Beijos Lua, posta logo!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Miley vai questionar jemi!!!

      Vou postar hoje, e o joe tá um amor né? Quero eles casados logo!!!

      Excluir
  15. omg,a miley descobriu e agora?o que vai acontecer? sera que a Sra. Robinson vai aprontar? acho que sim :) posta logo lua bjs amo sua fic e sou super sua fan bjs. <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. romantica, drama, hot (todos). bjs <3

      Excluir
    2. Elena SEMPRE APRONTA!!!

      awwwwwww fã? jdfnsdnf que linda
      Obrigada por comentar, e vou postar daqui a pouco xx

      Excluir
  16. Elena vai fazer pior ???? Que vadia, fdp, vai estragar o niver do Joe ne ?

    ResponderExcluir
  17. gente que perfeito *o* nem parece que j ta acabando a 2 temporada ;c parece q foi ontem q eu comecei a ler ;3

    ResponderExcluir