terça-feira, 16 de julho de 2013

Cap.9 big - 2ª temporada HOT

               Eu não posso conter a minha alegria. Meu subconsciente me trai com minha boca aberta em um silêncio atordoado, e eu apenas consigo sorrir, enquanto observo o olhar atordoado de Joseph. Sua confissão doce e suave me leva a algum nível profundo elementar, como se estivesse buscando algum perdão; suas três pequenas palavras eram meu presente do céu. Lágrimas enchem meus olhos mais uma vez. Sim, você me ama. Eu sei que sim. É tal sensação é libertadora é como se uma pedra fosse tirada de mim. Este belo e fodido homem, que eu pensava ser meu herói romântico-forte, solitário, misterioso, possui todas essas características, mas ele também é frágil, alienado e cheio de auto-aversão. Meu coração se regozija com alegria, mas também sinto a dor de seu sofrimento. E eu sei que nesse momento meu coração é grande o suficiente para nós dois. Eu aperto o seu rosto bonito e o beijo suavemente, derramando todo o amor
que eu sinto nesse gesto. Quero devorá-lo sob a cascata de água quente. Joseph geme e envolve-me em seus braços, segurando-me como se eu fosse o ar que ele precisava para respirar.

— Oh, Demi! — Ele sussurra, com voz rouca.
— Eu quero você, mas não aqui.

— Sim. — Murmuro fervorosamente em sua boca.

               Ele desliga o chuveiro e pega a minha mão, me levando para fora e me envolve com o roupão de banho. Pegando uma toalha, ele a envolve em torno de sua cintura, e então pega uma menor e começa a secar delicadamente meu cabelo. Quando ele fica satisfeito, ele embrulha a toalha em volta da minha cabeça e quando olho no grande espelho sobre a pia, parece que eu visto um véu. Ele está de pé atrás de mim e nossos olhos se encontram no espelho, um cinza fumegante para mel brilhante, e isso me dá uma ideia.

— Posso retribuir? — Eu pergunto.

               Ele balança a cabeça, apesar de sua testa franzir. Eu procuro outra toalha a partir da multiplicidade de toalhas felpudas empilhadas ao lado da cômoda, e diante dele na ponta dos pés, eu começo a secar seu cabelo. Ele se inclina para a frente, tornando o processo mais fácil, e quando eu pego o vislumbre ocasional de seu rosto sob a toalha, vejo que ele está sorrindo para mim como um menino pequeno.

— Faz tempo que ninguém faz isso comigo. Um longo tempo. — Ele murmura, mas depois franze a testa.

— Na verdade eu não acho que ninguém nunca secou o meu cabelo.

— Certamente Denise o fez? Secou seu cabelo quando você era jovem?

Ele balança a cabeça, dificultando meu progresso.

— Não. Ela respeitava os meus limites desde o primeiro dia, apesar de ter sido doloroso para ela. Eu era muito autossuficiente quando criança. — Ele diz calmamente.

                Sinto um chute nas costelas quando penso numa criança pequena que se cuida porque ninguém mais se importa. O pensamento é doentiamente triste. Mas eu não quero que esse pensamento atrapalhe essa intimidade florescente.

— Bem, me sinto honrada. — Eu gentilmente o provoco.

— E você é Srta. Lovato. Ou talvez seja eu que seja honrado.

— Isso é você quem diz, Sr. Jonas. — Eu respondo com mordacidade.

               Termino com o seu cabelo, para pegar outra toalha pequena, e me movo à sua volta para ficar atrás dele. Nossos olhos se encontram novamente no espelho, e seu olhar, atento e questionador leva-me a falar.

— Posso tentar algo?

               Depois de um momento, ele concorda. Cautelosamente, e muito gentilmente, eu corro a toalha macia para baixo de seu braço esquerdo, absorvendo a água em sua pele. Olhando para cima, eu verifico a expressão dele no espelho. Ele pisca para mim, seus olhos queimando os meus. Eu me inclino para a frente e beijo seu bíceps, e seus lábios se abrem minimamente. Eu seco o outro braço de forma semelhante, arrastando beijos em torno de seu bíceps, e um pequeno sorriso aparece em seus lábios. Cuidadosamente, eu limpo suas costas abaixo da linha de batom fraco, que ainda estava visível. Eu não tinha começado a secar a outra parte das suas costas.

— Toda a costa. — Ele diz em voz baixa.
— Com a toalha. — Ele respira muito profundamente, enquanto eu rapidamente o seco, tomando cuidado para tocá-lo só com a toalha.

               Suas costas são muito atraentes: ombros esculturais e pequenos músculos bem definidos. Ele realmente cuida de si. A bela vista é marcada apenas por suas cicatrizes. Com dificuldade, eu ignoro e engulo minha vontade enorme de beijar cada uma. Quando eu termino, ele expira, e eu me inclino para a frente e o recompenso com um beijo no ombro. Coloco meus braços em torno dele, eu seco sua barriga.
Nossos olhos se encontram mais uma vez no espelho, sua expressão divertida, mas cautelosa, também.

— Segure isso. — Eu lhe entrego uma toalha de rosto, e ele me envia um olhar confuso.
— Lembra-se na Geórgia? Você me fez te tocar com as mãos. — Acrescento.

               Seu rosto escurece, mas eu ignoro a sua reação e coloco meus braços em torno dele. Olhando para nós, vejo a beleza dele no espelho, sua nudez, e a minha, coberta por pelos, parece quase bíblico, como se fosse uma pintura barroca do Antigo Testamento. Eu procuro sua mão, que ele confia de bom grado para mim, e guio até o peito para secá-lo, passando a toalha lentamente, desajeitadamente através de seu corpo. Uma vez, duas vezes, em seguida, novamente. Ele está completamente imobilizado, rígido com a tensão, exceto pelos olhos, que seguem a minha mão apertada em torno dele. Meu subconsciente olha com aprovação, ela normalmente franze a boca sorrindo, e eu sou a suprema mestre das marionetes. Sua ansiedade ondula por suas costas, mas ele mantém contato com os olhos, embora eles estejam mais
escuros, mais mortais. Mostrando seus segredos, talvez. É este um lugar onde eu quero ir? Quero confrontar seus demônios?

— Eu acho que você está seco agora. — Eu sussurro, enquanto solto a minha mão, olhando para as profundezas de seus olhos no espelho. Sua respiração se acelera, os lábios entreabertos.

— Eu preciso de você, Demetria. — Ele sussurra.

— Eu preciso de você, também. — E quando eu digo as palavras, eu fico impressionada com a verdade nelas. Eu não consigo me imaginar sem Joseph, nunca.

— Deixe-me te amar. — Ele diz com a voz rouca.

— Sim! — Eu respondo, e virando-se, ele me transporta em seus braços, seus lábios buscando os meus, me rogando, me adorando, me acalentando. . . me amando.

               


                 Ele arrasta os dedos para cima e para baixo na minha espinha. Enquanto nos olhamos desfrutando da felicidade pós-coito. Ficamos deitados juntos, eu na minha frente abraçando meu travesseiro, ele em seu lado, e eu entesourando o seu toque macio. Eu sei que agora ele precisa me tocar. Eu sou um bálsamo para ele, uma fonte de consolo, e como eu poderia negar isso? Eu sinto exatamente o
mesmo sobre ele.

— Assim, você pode ser delicado. — Murmuro.

— Hmm. . . pelo menos assim parece, Srta. Lovato.

Eu sorrio.

— Você não o foi particularmente na primeira vez que. . . hum, fizemos isso.

— Não? — Ele sorriu.
— Quando, eu roubei você de sua virtude.

— Eu não acho que você me roubou. — Eu murmuro altivamente.
— Poxa, eu não sou uma donzela indefesa. Acho que minha virtude foi oferecida de forma bastante livre e espontânea. Eu queria e você também, e se bem me lembro, eu me diverti bastante. — Sorrio timidamente para ele, mordendo meus lábios.

— Assim como eu, se bem me lembro, Srta. Lovato. Nosso objetivo é agradar. — Ele fala pausadamente e seu rosto suaviza, sério.

— E isso significa que você é minha, completamente. — Todo traço de humor desaparece quando ele
olhou para mim.

— Sim, eu sou. — Murmuro de volta para ele.
— Eu queria te perguntar uma coisa.

— Vá em frente.

— O seu pai biológico. . . você sabe quem ele era? — Este pensamento me incomoda.

Ele franze o cenho, e, em seguida, balança a cabeça.

— Eu não tenho ideia. Não era o selvagem do seu cafetão, o que é bom.

— Como você sabe?

— Algo que meu pai. . . Paul disse para mim.

Eu olho para meu Cinquenta com expectativa, esperando. Ele sorriu para mim.

— Então, sedenta de informação, Demetria. — Ele suspira, balançando a cabeça.
— O cafetão descobriu o corpo da prostituta drogada e telefonou para as autoridades. Levou quatro dias para fazer a descoberta. Ele fechou a porta quando saiu. . . deixou-me com ela. . . com seu corpo. — Seus olhos anuviam pela memória.

Eu inalo fortemente. Pobre bebê, um horror muito triste para contemplar.

— A polícia o entrevistou mais tarde. E ele negou que tinha alguma coisa a ver comigo e, Paul disse que não nos parecíamos.

— Você se lembra de como ele se parecia?

— Demetria, não costumo relembrar essa parte da minha vida. Sim, eu me lembro como ele era. Eu nunca vou esquecê-lo. — O rosto de Joseph escurece e endurece, tornando-se mais angular, seu olhos gelados com raiva.

— Podemos falar sobre outra coisa?

— Sinto muito. Eu não queria incomodá-lo.

Ele balança a cabeça.

— Isso é notícia velha, Demi. Não é algo que eu quero pensar.

— Então, qual é essa surpresa, então?— Eu preciso mudar de assunto antes que ele se volte todo Cinquenta comigo. Sua expressão ilumina imediatamente.

— Você pode sair e enfrentar um pouco de ar fresco? Eu quero lhe mostrar
uma coisa.

— Claro.

               Admira-me a rapidez com que ele muda totalmente seu humor. Ele sorri para mim como um menino despreocupado, sorriso de eu só tenho 27, e meu coração quase sai da minha boca. Então, é algo encerrado em seu coração, eu posso dizer. Ele esmaga alegremente o meu traseiro.

— Vista-se. Jeans vai ser bom. Espero que Taylor tenha embalado algum para você.

Ele se levanta e puxa a cueca boxer. Oh. . . Eu poderia sentar aqui o dia todo, observando-o passear pela sala. Minha deusa interior concorda, desmaiando enquanto ela o olha amorosamente de sua espreguiçadeira.

— Levante-se. — Ele me repreende, mandão como sempre. Eu olho para ele, sorrindo.

— Só admirando a vista.

                Ele desvia seu olhar de mim. Quando nos vestimos, percebo que nós nos movemos com a sincronização de duas pessoas que conhecem bem um ao outro, cada um atento e consciente do outro, trocando o sorriso ocasional tímido e um doce toque. E percebo que isso é tão novo para ele quanto é para mim.

— Seque o cabelo. — Joseph ordena, uma vez que está vestido.

— Mais dominador que nunca. — Eu sorrio para ele, e ele se inclina para beijar meu cabelo.

— Isso nunca vai mudar, bebê. Eu não quero que você fique doente.

Eu desvio o olhar dele, e sua boca se torce em diversão.

— Minhas mãos ainda se contorcem, você sabe, Srta. Lovato.

— Estou feliz em ouvir isso, Sr. Jonas. Eu estava começando a pensar que estava perdendo sua vantagem. — Eu replico.

— Eu poderia facilmente demonstrar que não é o caso, se assim o desejar. — Joseph retira uma grande camisa de malha de cor creme de sua bolsa e joga sobre seus ombros.

              Com sua camiseta branca e jeans, o cabelo artisticamente amarrotado, e agora isso, eu o olho como se ele tivesse saído das páginas de uma revista brilhante de alta qualidade. Ninguém deve olhar isto. E eu não sei se é a distração de sua absoluta perfeição ou o conhecimento de que ele me ama, mas sua ameaça já não me enche de pavor. Este é o meu Cinquenta Tons, esta é a maneira como ele é. Quando eu alcanço o secador de cabelo, sinto esperança. Nós vamos encontrar um meio termo. Nós apenas temos que reconhecer as necessidades um do outro e acomodá-las. Eu posso fazer isso, certo? Eu olho para mim mesma no espelho da cômoda. Estou vestindo uma camisa azul-clara que Taylor comprou. Meu cabelo está uma bagunça, minha cara lavada, meus lábios inchados, e eu os toco lembrando os beijos tórridos de Joseph, não contenho o pequeno sorriso que surge em meus lábios enquanto olho para ele. Sim, eu sei, ele disse.


— Para onde estamos indo, exatamente? — Eu pergunto enquanto vamos esperar no hall de entrada para o estacionamento com manobrista. Joseph bate ao lado do nariz e pisca para mim de forma conspiratória, parecendo que está tentando desesperadamente conter sua alegria. Francamente, isso é tão Cinquenta. Ele estava assim quando fomos deslizando, talvez isso é o que estamos fazendo. Eu olhei de volta para ele. Ele olhou para baixo com aquele jeito superior que tem com seu sorriso torto. Inclinando-se, me beijou suavemente.

— Você tem alguma ideia do quão feliz você me faz sentir? — Ele murmurou.

— Sim. . . Eu sei exatamente. Porque você faz o mesmo a mim.

O manobrista foi rápido até o carro de Joseph, com um sorriso no rosto. Caramba, todo mundo está tão feliz hoje.

— Grande carro, senhor. — Ele murmura quando entrega as chaves.

               Joseph pisca e lhe dá uma gorjeta obscenamente grande. Eu olhei carrancuda para ele. Honestamente. À medida que dirige através do tráfego, Joseph está absorto profundamente em seu pensamento. Uma voz de mulher jovem vem ao longo dos alto-falantes, tem um belo timbre rico e maduro, e eu me perco em sua voz, triste alma.

— Eu preciso fazer um desvio. Não deve demorar muito. — ele diz distraidamente, distraindo-me da canção.

Oh, por quê? Estou intrigada para saber a surpresa. Minha deusa interior está saltando como uma criança de cinco anos de idade.
— Claro. — Murmuro. Algo está errado. De repente, ele olha severamente determinado.

Ele para no estacionamento da grande concessionária de carros, e se vira para mim, sua expressão desconfiada.

— Nós precisamos de um carro novo para você. — Ele diz. Eu fico de boca aberta olhando para ele.

Agora? Em um domingo? Que diabos? E esta é uma concessionária de Saab.

—Não é um Audi? — É, estupidamente, a única coisa que posso pensar em dizer, e abençoá-lo, na verdade por não retrucar.

Macacos me mordam! Joseph, envergonhado. Esta é a primeira vez que o vejo assim.

— Eu pensei que você poderia gostar de outra coisa. — Ele resmunga, quase se contorcendo.

Oh, por favor. . . Esta é uma oportunidade valiosa não vou provocá-lo. Eu sorrio.

— Um Saab?

— Sim. Um 9-3. Venha.

— O que há com você e carros estrangeiros?

— Os alemães e os suecos fazem os carros mais seguros do mundo, Demetria.

Eles fazem?

— Eu pensei que você já tinha me mandado outro Audi A3?

Ele me deu um olhar sombrio divertido.

— Eu posso cancelar isso. Venha. — Desce suavemente do carro, passeia graciosamente ao meu lado e abre a minha porta.

— Devo-lhe um presente de formatura. — Diz em voz baixa e mantém a mão para mim.

— Joseph, você realmente não tem por que fazer isso.

— Sim, eu tenho. Por favor. Venha. — Seu tom diz que não está para brincadeiras.

                    Resigno-me ao meu destino. Um Saab? Eu quero um Saab? Gosto muito do especial Audi submisso. Era muito bacana. Claro, agora está sob uma tonelada de tinta branca. . . Tremo. E ela ainda
está lá fora. Eu pego a mão de Joseph, e vagamos no showroom. Troy Turniansky, o vendedor, está em cima de Cinquenta como um terno barato. Ele pode sentir o cheiro de uma venda. Estranhamente seu sotaque soa meio do Atlântico, talvez britânico? É difícil de dizer.

— Um Saab, senhor? Usado? — Ele esfrega as mãos de contentamento.

— Novo. — Os lábios de Joseph definem uma linha dura.

Novo!

— Você tem um modelo em mente, senhor? — E ele é bajulador, também.

— 9-3 Sport Sedan 2.0T.

— Uma excelente escolha, senhor.

— Qual a cor, Demetria? — Joseph inclina a cabeça.

— Er. . . preto? — Encolhi os ombros.
— Você realmente não precisa fazer isso.

Ele franze a testa.

— Negro não é facilmente visto durante a noite.

Oh, pelo amor de Deus. Eu resisto à tentação de revirar os olhos.

— Você tem um carro preto.

Ele franze a testa para mim.

— Amarelo canário brilhante então. — Eu dou de ombros.

Joseph faz uma careta mostrando que amarelo-canário não é, obviamente, sua cor.

— Qual cor você prefere que eu tenha? — Pergunto como se ele fosse uma criança pequena, que é de muitas maneiras. O pensamento é indesejável, triste e preocupante ao mesmo tempo.

— Prata ou branco.

— Prata, então. Você sabe que eu vou levar o Audi. — Eu acrescento, castigada pelos meus pensamentos.

Troy empalidece, sentindo que está perdendo uma venda.

— Talvez você gostasse se fosse conversível, senhora?— Pergunta ele, batendo palmas com entusiasmo.

Meu subconsciente está encolhido de desgosto, mortificado com a compra de um carro novo para mim, mas a minha deusa interior o bloqueia avançando na frente dele. Conversível? Nossa!

Carrancudo Joseph olha para mim.

— Conversível? — Ele pergunta, levantando uma sobrancelha.

                Eu sorrio. É como se ele tivesse uma linha direta com minha Deusa Interior, naturalmente que ele tem. É muito inconveniente às vezes. Olho para minhas mãos. Joseph se vira para Troy.

— Quais são as estatísticas de segurança do conversível?

               Troy, sentindo a vulnerabilidade de Joseph, se dispõe a eliminá-la, desfiando todos os tipos de estatísticas. Claro, Joseph quer minha segurança. É uma religião para ele, e como o fanático que é, ele ouve atentamente o tagarelar bem afiado de Troy. Cinquenta realmente se importa. Sim. Eu a amo. Lembro-me de suas palavras sussurradas, sufocadas desde esta manhã, e um brilho de fusão se espalha como mel quente em minhas veias. Este Deus Grego, me ama. Encontro-me sorrindo bobamente para ele, e quando ele olha para mim, acha engraçado ainda que fique intrigado com a minha expressão. Eu só quero abraçar-me, estou tão feliz.

— O que quer que seja que esteja pensando, eu gostaria de um pouco, Srta. Lovato. — Ele murmura quando Troy dirige-se ao seu computador.

— Eu estou pensando em você, Sr. Jonas.

— Sério? Bem, você certamente tem um olhar embriagado. — Beija-me brevemente.
— E obrigado por aceitar o carro. Isso foi mais fácil do que da última vez.

— Bem, não é um Audi A3.

Ele sorriu.

— Esse não é o carro para você.

— Eu gostei.

— Senhor, o 9-3? Eu localizei um, em nossa filial em Beverly Hills. Podemos tê-lo aqui para você em um par de dias. — Troy brilha com o triunfo.

— Top de linha?

— Sim, senhor.

— Excelente. — Joseph retira seu cartão de crédito, ou é o de Taylor? O pensamento é enervante. Eu me pergunto como está Taylor, e se ele já localizou Leila no apartamento. Esfrego minha testa. Sim, há toda uma bagagem com Joseph, também.

— Se você quiser desta maneira, Sr. — Troy olha o nome no cartão
— Jonas.


xxx


Joseph abre a minha porta, e eu subo de volta no banco do passageiro.

— Obrigada. — Eu digo enquanto ele se senta ao meu lado.

Ele sorri.

— É um prazer, Demetria.

A música começa novamente quando Joseph dá a partida no motor.

— Quem é essa?— Eu pergunto.

— Eva Cassidy.

— Ela tem uma voz linda.

— Ela tem, ela teve.

— Oh!

— Ela morreu jovem.

— Oh!

— Você está com fome? Você não terminou todo o seu café da manhã. — Ele olha rapidamente para mim, a desaprovação esboçada em seu rosto.

Uh-oh.

— Sim.

— Primeiro almoço, então.

               Joseph vai em direção ao mar depois segue para norte ao longo do Caminho do Alasca. É um belo dia, em Seattle. Tem estado estranhamente bom nas últimas semanas, eu reflito. Joseph parece feliz e relaxado quando se senta ouvindo a voz de Eva Cassidy, doce alma e de cruzeiro na estrada. Nunca me senti tão confortável em sua companhia antes? Eu não sei. Eu estou menos nervosa com seus humores, confiante de que ele não vai me castigar, e ele parece mais confortável comigo, também. Ele vira à esquerda,
seguindo a estrada da costa, e, eventualmente, entra em um estacionamento em
frente a uma marina.

— Vamos comer aqui. Eu vou abrir a sua porta. — Ele diz de tal maneira que eu sei que não é sábio sair, e eu o vejo mover-se ao redor do carro. Será que isso nunca fica velho?

Andamos de braço dado para a orla marítima onde a marina se estende na nossa frente.

— Bem, muitos barcos. — Murmuro em admiração. Há centenas deles em todos os tamanhos e formas, subindo e descendo sobre a ainda calma água da marina. Fora do Sound, existem dezenas de velas ao vento, virando para lá e para cá, desfrutando do bom tempo. É uma visão, saudável ao ar livre. O vento acelerou um pouco, e eu puxo meu casaco em volta de mim.

— Frio? — Pergunta e me puxa com força contra ele.

— Não, apenas admirando a vista.

— Eu poderia olhar para ela durante todo o dia. Venha por aqui.

               Joseph me leva a um bar à beira-mar grande e faz o seu caminho até o balcão. A decoração é mais da New England do que West Coast –cal branco nas paredes, mobiliário azuis pálidos, e uma parafernália de barcos pendurados por toda parte. É um lugar brilhante e alegre.

— Sr. Jonas! — O barman saúda calorosamente Joseph.
— O que posso fazer esta tarde?

— Dante, boa tarde. — Joseph sorri enquanto nós dois deslizamos em bancos no bar.
— Esta encantadora senhorita é a Demetria Lovato.

— Bem-vinda ao SP’s Place. — Dante me dá um sorriso amigável. Ele é negro e belo, seus olhos escuros avaliam-me e não demonstra me querer, ao que parece. Um brinco grande de diamante cintila para mim de sua orelha. Eu gosto dele imediatamente.

— O que você gostaria de beber, Demetria?

Olho para Joseph, que me aguarda com expectativa. Oh, ele vai permitir que eu escolha.

— Por favor, me chame de Demi, e eu vou querer o que Joseph beber. — Eu sorrio timidamente para Dante. Jonas é muito melhor com o vinho do que eu.

— Eu vou tomar uma cerveja. Este é o único bar em Seattle, onde você pode obter Adnam’s Explorer.

— Uma cerveja?

— Sim. — Ele sorri para mim.
— Dois exploradores, por favor, Dante.

Dante concorda e serve as cervejas no bar.

— Eles fazem um ensopado de frutos do mar delicioso aqui. — Joseph diz.

Ele está me perguntando.

— Ensopado e cerveja parece ótimo.— Eu sorrio para ele.

— Dois ensopados? — Dante pergunta.

— Por favor. — Joseph sorri para ele.

               Estamos falando em nossa refeição, como nunca antes fizemos. Joseph está relaxado e calmo, parece jovem, feliz e animado apesar de tudo o que aconteceu ontem. Ele narra a história de Jonas Enterprises Holdings, e quanto mais ele revela, mais eu sinto a sua paixão para a recuperação de empresas
problemáticas, suas esperanças para a tecnologia que está desenvolvendo, e os seus sonhos de tornar a terra no terceiro mundo mais produtivo. Eu ouço extasiada. Ele é engraçado, inteligente, filantrópico, bonito, e me ama. Por sua vez, ele me atormenta com perguntas sobre Ray e minha mãe, sobre crescer nas florestas luxuriantes de Montesano, e minhas passagens breves no Texas e Las Vegas. Ele exige saber meus livros favoritos e filmes, e eu estou surpresa com o quanto temos em comum. Quando falamos, parece-me que ele volta de Alec Hardy para Angel, aviltamento do ideal elevado em tão curto espaço de tempo. Passa das duas quando terminamos nossa refeição. Joseph paga a conta com Dante, que nos deseja um adeus.

— Este é um ótimo lugar. Obrigada pelo almoço. — Eu digo quando Joseph pega a minha mão e deixamos o bar.

— Nós vamos voltar. — Ele diz, e vamos passear à beira-mar.
— Eu queria mostrar uma coisa.

— Eu sei... e eu não posso esperar para vê-lo, seja o que for.

                 Nós passeamos de mãos dadas ao longo da marina. Foi uma tarde agradável. As pessoas estavam curtindo o seu domingo, passeando com cachorros, admirando os barcos, vendo seus filhos correndo ao longo da avenida. À medida que descia a marina, os barcos estavam ficando cada vez maior.
Joseph levou-me para o cais e para em frente de um catamarã enorme.

— Pensei em navegar esta tarde. Este é o meu barco.

Macacos me mordam. Deve ter pelo menos 40, talvez 50 pés. Dois elegantes cascos brancos, um convés, uma cabine espaçosa, e elevando-se sobre eles um mastro muito alto. Não sei nada sobre barcos, mas posso dizer que este é especial.

— Uau... — Murmuro em admiração.

— Construído por minha empresa. — Ele diz com orgulho e inchando meu coração.
— Ela foi projetado desde o início pelos melhores arquitetos navais do mundo e construído aqui em Seattle no meu quintal. Ela tem acionamentos elétricos híbridos, placas punhal assimétricas, um quadrado com tampo de vela grande.

— Ok. . . você me deixou perdida, Joseph.

Ele sorri.

— Ela é um grande barco.

— Ela parece bem poderosa, Sr. Jonas.

— Ela é Senhorita Lovato.

— Qual é seu nome?

Ele me puxa para o lado para que eu possa ver o seu nome: A Denise. Estou surpresa.

— Você deu o nome de sua mãe?

— Sim. — Ele virou sua cabeça para o lado, zombeteiro.

— Por que você acha isso estranho?

Eu dou os ombros. Estou surpresa, ele sempre parece ambivalente em minha presença.

— Eu adoro a minha mãe, Demetria. Por que eu não nomearia um barco para ela?
Eu espero.

— Não, não é isso... é só...
— Porra, como eu posso colocar isso em palavras?

— Demetria, Denise salvou minha vida. Devo-lhe tudo.

               Eu olho para ele, e deixo a reverência em sua admissão me levar. É óbvio para mim, pela primeira vez, que ele ama sua mãe. Por que, então sua ambivalência estranha e tensa em direção a ela?

— Você quer vir a bordo? — Ele pergunta, os olhos brilhantes, animado.

— Sim, por favor. — Eu sorrio.

               Ele olha encantado. Segurando minha mão, ele anda até a prancha pequena e leva-me a bordo de modo que estamos em pé no convés sob uma cobertura rígida. De um lado há uma mesa e uma banqueta em forma de U coberto de couro azul-claro, que deve assentar pelo menos oito pessoas. Olho através das portas do corredor para o interior da cabine e pulo, assustada quando eu espio alguém lá. O homem alto e loiro abre as portas de correr e emerge, todo bronzeado, de cabelos encaracolados e olhos castanhos, vestindo uma desbotada camisa rosa de manga curta, estilo polo, shorts, e sapatos de plataforma. Deve estar na casa dos trinta.

— Mac. — Diz Joseph.
— Sr. Jonas! Seja bem-vindo. — Eles apertam as mãos.

— Demetria, este é Liam McConnell. Liam, minha namorada, Demetria Lovato.

Namorada! Minha deusa interior realiza um arabesco rápido. Ela ainda está sorrindo sobre o conversível. Eu tenho que me acostumar com isso, não é a primeira vez que ele disse isso, mas ouvi-lo dizer isso ainda é uma emoção.

— Como vai? — Liam e eu apertamos as mãos.

— Chame-me de Mac. — Ele diz calorosamente, e eu não posso identificar o seu sotaque.

— Bem vindo a bordo, Srta. Lovato.

— Demi, por favor. —Murmuro, corando. Ele tem olhos castanhos profundos.

— Como é que ela está, Mac? — Joseph interrompe rapidamente, e por um momento, acho que está falando de mim.

— Ela está pronta para o rock and roll, senhor. — Disse Mac. Oh, o barco, a Denise. Parva, eu.

— Vamos dar andamento, então.

— Você vai sair com ela?

— Sim. — Joseph pisca para Mac com um sorriso rápido.
— Tour rápido, Demetria?

— Sim, por favor.

                Eu o sigo para dentro da cabine. Um sofá de couro creme em forma de L está diretamente a nossa frente, e acima dele, uma janela enorme oferece uma vista panorâmica sobre a marina. À esquerda é a área da cozinha, muito bem equipada, toda de madeira clara.

—Este é o salão principal. Galley ao lado. — Diz Joseph, acenando com  a mão na direção da cozinha.

                Ele pega a minha mão e me conduz através da cabine principal. É surpreendentemente espaçosa. O chão é de madeira pálida. Parece moderno e elegante e tem uma sensação leve e arejada, mas é tudo muito funcional, como se ele não passasse muito tempo aqui.

— Banheiros em ambos os lados. — Joseph aponta nas duas portas, em seguida, abri uma outra porta, e ao entrar estamos em um quarto luxuoso em formato estranho. Oh...

A cabine tem uma cama king-size e é tudo de linho azul-claro e madeira clara como o seu quarto em Escala. Joseph, obviamente, elege um tema e gruda nele.

— Esta é a cabine principal. — Ele olha para mim, olhos cinzentos brilhando.
— Você é a primeira menina aqui, além da família. — Ele sorriu.
— Eles não contam.

Eu o fito sob seu olhar aquecido, meu pulso acelerou. Sério?Outra novidade. Ele me puxa em seus braços, os dedos enrolados no meu cabelo e me beija, longamente e duramente. Nós dois estamos sem fôlego quando ele se afasta.

—Poderíamos batizar esta cama. — Ele sussurra contra minha boca.

Oh, no mar!

— Mas não agora. Vamos, Mac vai estar zarpando. — Eu ignoro a pontada de decepção quando ele pega a minha mão e me leva de volta através do salão. Ele indica uma outra porta.

— Escritório de lá, e na frente aqui, mais duas cabines.

— Então, muitos podem dormir a bordo?

— É um catamarã de seis cabines. Eu só tive a família a bordo, no entanto. Eu gosto de velejar sozinho. Mas não quando você está aqui. Eu preciso ficar de olho em você.

Ele mergulha e tira um colete salva-vidas vermelho brilhante.

— Aqui. — Coloca sobre a minha cabeça, aperta todas as correias, e dá um leve sorriso brincando.

— Você adora me amarrar não é?

— De qualquer forma. — Ele diz, um sorriso perverso jogado em seus lábios.

— Você é um pervertido.

— Eu sei. — Ele levanta as sobrancelhas e amplia o seu sorriso.

— Meu pervertido. — Eu sussurro.

— Sim, seu.

Uma vez protegida, ele agarra os lados do casaco e me beija.

— Sempre.

Respira, em seguida, libera-me antes de eu ter a chance de responder. Sempre! Puta merda.

— Vem. — Ele pegou minha mão e me levou para fora, para o convés superior em uma cabine pequena que abriga um volante grande e um lugar elevado. Na proa do barco, Mac está fazendo algo com cordas.

— É aqui que você aprendeu todos seus truques com corda?— Pergunto a Joseph, inocentemente.

— Os engates de cravo vieram a calhar. (n.a: Tipo de nó particularmente útil quando o comprimento da extremidade precisa ser ajustável.) — ele diz, olhando para mim de forma avaliadora.
— Srta. Lovato, você soa curiosa. Eu gosto de você curiosa, bebê. Eu ficaria mais que feliz em demonstrar o que eu posso fazer com uma corda. — Ele sorri para mim, e eu olho para trás, impassível, como se estivesse chateado com ele. Seu rosto cai.

— Peguei você. — Eu sorrio.

Ele torce a boca e aperta os olhos.

— Talvez eu tenha que lidar com você mais tarde, mas agora, eu tenho que dirigir meu barco. — Ele se senta em frente aos controles, pressiona um botão, e os motores rugem para a vida.

               Mac vem passando ao lado do barco, sorrindo para mim, e pula para o convés inferior, onde ele começa a desatar uma corda. Talvez ele saiba alguns truques de corda, também. A ideia aparece indesejada na minha cabeça e eu esqueço. Meu subconsciente olha pra mim. Mentalmente eu dou de ombros para ele
e olho para Joseph. Eu culpo Cinquenta. Ele pega o telefone e rádio e chama a guarda costeira quando Mac avisa que estamos prontos para ir. Mais uma vez, estou deslumbrada com a experiência de Joseph. Ele é tão
competente. Não há nada que este homem não possa fazer? Então eu me lembro de sua tentativa séria em cortar uma pimenta no meu apartamento na sexta-feira. O pensamento me faz sorrir. Lentamente, Joseph leva A Denise para fora de seu cais em direção à entrada da marina. Atrás de nós, uma pequena multidão se reuni no cais para assistir a partida. As crianças pequenas estão acenando, e eu aceno de volta. Joseph me olha por cima do ombro, em seguida, puxa-me entre as pernas e aponta vários mostradores e aparelhos na cabine.

— Pegue a roda. — Ele ordena, mandão como sempre, mas eu faço como ele disse.

— Sim, sim, capitão! — Eu dou uma risadinha.

               Coloca as mãos firmemente sobre a minha, continua a orientar o nosso curso fora da marina, e em poucos minutos, estamos em mar aberto, batendo nas águas frias azuis do Puget. Longe do abrigo de muro de proteção da marina, o vento é mais forte, e as ondas do mar rolam abaixo de nós. Eu não posso deixar de sorrir, sentir a excitação de Joseph é tão divertido. Nós fazemos uma grande curva até que estamos indo para o oeste em direção à Península Olímpica, o vento atrás de nós.

— Sua vez. — Joseph diz, animado.
— Aqui, você a leva. Mantenha no curso.

O quê? Ele sorri, reagindo ao horror na minha cara.

— Bebê, é realmente fácil. Segure o volante e mantenha seus olhos no horizonte ao longo do arco. Você vai fazer bem, você sempre faz. Quando as velas subirem, você vai sentir o arrasto. Apenas segure constante. Eu vou indicar como. — Ele faz um movimento de corte em sua garganta.

— E você poderá desligar os motores. Esse botão aqui. — Ele aponta para um grande botão preto.

— Compreende?

— Sim. — Eu aceno freneticamente, sentindo-me em pânico. Puxa, eu não esperava fazer nada!

                Ele beija-me depressa, então sai da sua cadeira de capitão e vai até a frente do barco para se juntar a Mac onde ele começa a desenrolar velas e cordas, desvinculando guinchos operacionais e polias. Eles trabalham bem juntos em uma equipe, gritando vários termos náuticos um ao outro, e é reconfortante ver Cinquenta interagir com outra pessoa de forma despreocupada. Talvez Mac seja amigo de Cinquenta. Ele não parece ter muitos, tanto quanto eu posso dizer, mas eu também não tenho muitos. Bem, não aqui em
Seattle. O único amigo que eu tenho está de férias tomando sol em St. James, na costa oeste de Barbados.
Eu sinto uma súbita saudade de Miley. Sinto falta da minha companheira de quarto mais do que eu pensei que iria sentir quando ela saiu. Esperei que ela mudasse de ideia e voltasse para casa com seu irmão Ethan, ao invés de prolongar a sua estadia com o irmão de Joseph, Elliot. Joseph e Mac içaram a vela grande. Ela se enche quando o vento se apodera dela avidamente, e o barco mudou bruscamente de repente, fechando a frente. Eu senti no timão. Whoa! Começaram a trabalhar na vela de proa, e eu vi fascinada quando ela voou acima do mastro. O vento a apanhou, esticando-a tensa.

— Segure bebê, constante, e desligue os motores! — Joseph grita para mim sobre o vento, apontando-me para desligar os motores. Eu posso apenas ouvir sua voz, mas eu aceno com entusiasmo, olhando para o homem que eu amo, todo varrido pelo vento, alegre, e preparando-se contra a inclinação e direção do barco. Eu pressiono o botão, o rugido dos motores finalizam e A Denise sobe em direção à Península Olímpica, deslizando sobre a água como se ela estivesse voando. Eu quero gritar e gritar e aplaudir, esta tem que ser uma das experiências mais emocionantes da minha vida, exceto, talvez, o planador, e talvez o Quarto Vermelho da Dor. Macacos me mordam, este barco pode mover-se! Eu estou firme, segurando
o volante, a luta contra o leme, e Joseph está atrás de mim mais uma vez, as mãos sobre a minha.

— O que você acha? — Ele grita por cima do som do vento e do mar.

— Joseph! Isso é fantástico.

Ele sorri, um sorriso de orelha a orelha.

— Espere até o Spinney subir. — Ele aponta com o queixo para Mac, que está desenrolando o Spinnaker, uma vela vermelha escuro, rico. Isso me lembra as paredes na sala de jogos.

— Cor interessante. — Eu grito.

Ele me dá um sorriso de lobo e pisca. Ah, é intencionado. Os balões do Spinney são grandes tem forma estranha e elíptica, e colocam A Denise em movimento. Encontrando sua cabeceira, ela acelera sobre o Sound.

— Vela assimétrica. Para a velocidade. — Joseph responde a minha pergunta não formulada.

— É incrível. — Não consigo pensar em nada melhor para dizer. Eu tenho o sorriso mais ridículo da minha vida enquanto deslizamos pelas águas, indo para a majestade das montanhas Olympic e a Ilha Bainbridge. Olhando para trás, vejo Seattle encolhendo atrás de nós, Monte Rainier à distância. Eu realmente não tinha percebido o quão bonita e robusta é a paisagem circundante de Seattle. É verde viçosa e temperada, verdes sempre altos enfrentando penhascos salientes aqui e ali. Ela tem uma beleza selvagem, mas serena, nessa tarde gloriosa de sol que me tira o fôlego. O silêncio é impressionante comparado com a nossa velocidade chicoteando através da água.

— Quão rápido estamos indo?

— Ela está fazendo 15 nós.

— Eu não tenho ideia do que isso significa.

— É cerca de 17 quilômetros por hora.

— Só isso? Sente-se como se fosse muito mais rápido.

Ele aperta as mãos, sorrindo.

— Você está linda, Demetria. É bom ver um pouco de cor em suas bochechas... e não de corar. Você parece como nas fotos de José.

Eu me viro e o beijo.

— Você sabe como dar a uma menina um bom momento, Sr. Jonas.

— Estamos aqui para agradar, Srta. Lovato. — Ele afasta o meu cabelo para fora do caminho e beija a minha nuca, enviando arrepios deliciosos em minha espinha.

— Eu gosto de ver você feliz. — Ele murmura e aperta os braços em volta de mim.


                Eu olho sobre a água azul larga, perguntando o que eu poderia ter feito no passado para ter a sorte sorrindo para mim e ter me entregado esse homem lindo. Sim, você é uma puta de sorte, meu subconsciente fala. Mas você tem sérias dificuldade pela frente. Ele não vai querer essa porcaria de baunilha para sempre... você vai ter que ceder. Eu olho mentalmente seu rosto, sarcástico e insolente, e descanso minha cabeça contra o peito de Joseph. Mas no fundo eu sei que meu subconsciente está certo, mas eu quero banir meus pensamentos. Não quero estragar o meu dia. Uma hora depois, estamos ancorados em uma pequena e isolada gruta fora de Bainbridge Island. Mac foi à praia no inflável para fazer o que, eu não sei, mas tenho minhas suspeitas, porque logo que ele liga o motor de popa, Joseph agarra a minha mão e praticamente me arrasta até sua cabine, um homem com uma missão. Agora ele está diante de mim, exalando sua sensualidade inebriante, com dedos hábeis fazendo o trabalho rápido de tirar meu colete salva-vidas. Ele joga para um lado e olha fixamente para mim, olhos escuros, pupilas dilatadas. Eu já estou perdida e ele mal me tocou. Ele levanta a mão no meu rosto, e seus dedos se movem para baixo do meu queixo, a coluna da minha garganta, meu esterno, queimando-me com seu toque, para o primeiro botão da minha blusa azul.

— Eu quero ver você. — Ele respira e com destreza desfaz o botão.

Dobrando, ele planta um beijo suave nos meus lábios entreabertos. Estou ofegante e ansiosa, excitada pela combinação potente de sua beleza cativante, sua sexualidade crua nos limites da cabine, e no balanço suave do barco. Ele está de volta.

— Tira para mim. — Ele sussurra, os olhos ardentes.

               Oh meu Deus. Eu estou muito feliz por cumprir. Não tiro os olhos dele, e lentamente abro cada botão, saboreando seu olhar abrasador. Oh, isso é inebriante. Eu posso ver o seu desejo, é evidente em seu rosto... e em outros lugares. Eu deixo minha camisa cair no chão e alcanço o botão do meu jeans.

— Pare. — Ele ordena.
— Sente-se.

               Sento-me na borda da cama, e em um movimento fluido ele está de joelhos na minha frente, desfazendo os laços primeiro dos tênis, puxando para fora, seguido por minhas meias. Ele pega meu pé esquerdo e elevando-o, beija suavemente meu dedão, em seguida, roça os dentes contra ele.

— Ah! — Eu lamento sentir o efeito na minha virilha. Ele tem um movimento suave, segurando sua mão em mim, me puxa para fora da cama.

— Continua. — Diz ele e fica para trás para me ver.

               Eu deslizo o zíper da minha calça para baixo e prendo meus polegares na cintura quando ela escorrega em seguida, deslizando o Brim pelas minhas pernas. Um sorriso mole aparece em seus lábios, mas seus olhos permanecem apagados. E eu não sei se é porque ele fez amor comigo esta manhã, e eu quero dizer realmente fez amor comigo, suavemente, docemente, ou se era a sua apaixonada declaração, “sim... eu a amo”, mas eu não me sinto constrangida com tudo. Eu quero ser sexy para este homem. Ele merece por me fazer sentir sexy. Ok, é novo para mim, mas estou aprendendo sob sua tutela especialista. E, novamente, mais é novo para ele também. A gangorra sobe e desce entre nós, um pouco, eu acho. Eu estou usando minha nova calcinha fio dental, uma branca rendada e sutiã combinando, de grife. Eu saio da minha calça e fico lá por ele, na lingerie que ele pagou, mas não me sinto mais barata. Sinto-me dele. Alcançando as costas, eu desengancho o sutiã, deslizando as correias para baixo dos braços e solto em cima da minha blusa. Lentamente, eu deslizo minha calcinha, deixando-as cair aos meus tornozelos, e saio delas, surpresa com a minha graça. Em pé, diante dele, estou nua e sem vergonha, e eu sei que é porque ele me ama. Eu já não tenho nada a esconder. Ele não diz nada, apenas olha para mim. Tudo que eu vejo é o seu desejo, sua adoração mesmo, e outra coisa, a profundidade de sua necessidade, a profundidade do seu amor por mim.
Ele se abaixa, levanta a barra da sua camisa de cor creme, e a puxa sobre a cabeça, seguido de sua camiseta, revelando seu peito, sem tirar os olhos cinzentos do meu. Seus sapatos e meias seguem antes dele agarrar o botão da calça jeans. Alcançando-o, eu sussurro.

— Deixe-me.

Sua boca forma um ooh, e ele sorri.

— Seja minha convidada.

                Eu vou na direção dele, deslizo meus dedos destemidos dentro do cós da calça jeans, e puxo forçando-o a dar um passo para mais perto de mim. Ele suspira involuntariamente por minha audácia inesperada, em seguida, sorri para mim. Eu desfaço o botão, mas antes de abrir deixo meus dedos passearem, traçando sua ereção através do brim macio. Ele flexiona os quadris em minha mão e fecha os olhos brevemente, saboreando o meu toque.

— Você está ficando tão ousada, Demi, tão valente. — Ele sussurra e segura meu rosto com as duas mãos, inclinando-se para beijar-me profundamente.

Eu coloco minhas mãos em seu quadril, metade em sua pele fresca e metade sobre o cós rebaixado de seus jeans.

— Você também. — Eu murmuro contra seus lábios quando os meus polegares esfregam círculos lentos em sua pele, e ele sorri.

— Remova-os.

              Eu passo as minhas mãos pela frente da calça jeans e puxo o zíper para baixo. Meus dedos intrépidos percorrem os pelos púbicos dele na sua ereção, e agarro-o com força. Ele faz um som baixo em sua garganta, seu hálito doce em cima de mim, e me beija outra vez, amorosamente. Quando minha mão se move sobre ele, em torno dele, acariciando-o, apertando-o com força, ele coloca os braços em volta de
mim, a mão direita encostada no meio das minhas costas e os dedos abertos. Sua mão esquerda está em meus cabelos, me segurando em sua boca.

— Oh, quero-te tanto, querida. — Ele respira e se afasta de repente para remover seus jeans e cuecas em um movimento rápido e ágil. Ele é um espetáculo, tanto dentro como fora da roupa, cada centímetro dele.
Ele é perfeito. Sua beleza só é profanada por suas cicatrizes, eu acho triste.

E elas correm muito mais profundas que a pele dele.

— O que há de errado, Demi? — Ele murmura e gentilmente acaricia meu rosto com os dedos.

— Nada. Ame-me, agora.

               Ele me puxa em seus braços, beijando-me, torcendo as mãos no meu cabelo. Nossas línguas entrelaçadas, ele me leva para a cama e suavemente abaixa-me, seguindo-me para baixo de modo que fica ao meu lado. Ele corre o nariz ao longo do meu queixo enquanto minhas mãos se deslocam para seu cabelo.

— Você tem alguma ideia de como o seu aroma é requintado, Demi? É irresistível.

Suas palavras sempre fazem meu sangue acelerar em meu pulso e ele arrasta o nariz na minha garganta, através de meus seios, beijando-me com reverência.

— Você é tão bonita. — Ele murmura, levando um dos meus mamilos em sua boca e sugando suavemente.
Eu começo a gemer formando arcos com meu corpo.

— Deixe-me ouvir você, bebê.

               Sua mão está atrás da minha cintura, e eu, em glória, sinto seu toque, pele com pele, sua boca com fome em meus seios e seus habilidosos dedos longos acariciando e afagando-me. Movendo-se sobre meus quadris, sobre as minhas costas, e pela minha perna para o meu joelho, e todo esse tempo ele está beijando e chupando meus seios, oh meu Deus. Segurando meu joelho, ele de repente engata minha perna para cima, enrolando-a sobre seus quadris, fazendo-me suspirar, e eu me sinto melhor ao ver seu sorriso. Ele me passa por cima de modo que fico montada nele e me entrega um pacote de papel alumínio. Eu movo-me de volta, levando-o em minhas mãos, e eu simplesmente não consigo resistir a ele em toda sua glória. Eu me curvo e começo a beijá-lo, levandoo na minha boca, girando minha língua em volta dele, e em seguida, sugando–o, duro. Ele geme e flexiona os quadris de modo que entra mais fundo em minha boca.
Mmm. . . ele tem um gosto bom. Eu quero ele dentro de mim. Sento-me e olho para ele, que está ofegante, com a boca aberta, me observando atentamente. Apressadamente eu rasgo o preservativo e desenrolo sobre ele. Ele estende as mãos para mim. Tomo uma e com minha outra mão, me posiciono sobre ele, então lentamente o reclamo como meu. Ele geme baixo em sua garganta, fechando os olhos. A sensação dele em mim... esticando-me... enchendo-me, me fazendo gemer baixinho, ele é divino. Ele coloca suas mãos em meus quadris e me move para cima, para baixo, e empurra para dentro de mim. Oh... é tão bom.

— Oh, bebê. — Ele sussurra, e de repente se senta e ficamos cara a cara, e a sensação é extraordinária, tão cheia. Eu suspiro, agarrando seus braços enquanto ele aperta minha cabeça com as mãos e olha nos meus olhos, intensamente, ardendo de desejo.

— Oh, Demi. O que você me faz sentir. — Murmura e me beija apaixonadamente com ardor fervoroso.

Eu o beijo de volta, tonta com a deliciosa sensação dele enterrado dentro de mim.

— Oh, eu te amo. — Murmuro. Ele geme como se ficasse triste ao ouvir as minhas palavras sussurradas e rola, me levando com ele sem quebrar nosso contato precioso, me colocando embaixo dele. Eu envolvo as minhas pernas em volta de sua cintura. Ele olha para mim com adorada admiração, e estou certa de que espelho sua expressão quando eu acaricio seu belo rosto. Muito lentamente, ele começa a se mover, fechando os olhos quando ele faz gemidos baixinho. O balanço suave do barco e a paz e tranquilidade calma da cabine são quebradas apenas pelas nossas respirações misturadas enquanto ele se move lentamente para dentro e fora de mim, de modo controlado, é tão bom, é celestial. Ele coloca o braço sobre minha cabeça, a mão no meu cabelo, e acaricia o meu rosto com a outra se inclinando para me beijar.
Estou encasulada por ele enquanto sou amada. Ele se move lentamente de dentro e para fora, saboreando-me. Eu começo a tocá-lo, mantendo os limites de seus braços, seu cabelo, sua parte inferior das costas, e minha respiração acelera quando seu ritmo constante me empurra mais e mais. Ele beija minha boca, meu
queixo, em seguida, mordisca minha orelha. Eu posso ouvir suas respirações em destaque com cada impulso suave do seu corpo. Meu corpo começa a tremer. Oh... Este sentimento que agora eu conheço tão bem... Eu estou perto... Oh...

— É isso mesmo, querida... libere-se para mim... Por favor... Demi. — Murmura e suas palavras são a minha perdição.

— Joseph. — Eu grito, e ele geme quando nós dois juntos chegamos ao êxtase.





BIG PRA VCS, GOSTARAM? PRA QUEM PERGUNTOU... PODEM ME CHAMAR DE LUA...
MENINAS DIVULGUEM E BLOG, POR FAVOR!!! BJS E COMENTÁRIOS RESPONDIDOS!!!
ps: sempre respondo os comentários! 

16 comentários:

  1. Aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa Lua sua linda *--* Capitulo maravilhoso esse garota :p Lindo pra carambaaa, amei amei e amei mais um pouco
    Haha esperando ansiosamente pelo proximo :D - Marina

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. vou postar daqui a pouco marina, obrigada por comentar!!!

      Excluir
  2. Lindoooo demais Lua, vc arraza, mt fofo o capitulo, arrazouuuuuuuuuu, posta logo rss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Iza, vou postar daqui a pouco!!! Espero que goste

      Excluir
  3. aaaa ta muito love essa fic haha será q eles vão voltar a freqüentar o quarto vermelho ou o joseph vai aceitar um relacionamento assim tipo baunilha haha foda demais essa fic scrr A M O !!! posta logoooo Luaaaa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. será????? O próximo capítulo vai ter questionamentos sobre o quarto, vamos ver né? hahaha

      Excluir
  4. Lindo, fofo tudo... Tem essa e outra história que eu fico o dia inteirinho entrando no blogger só pra ver se vcs postaram. Posta logo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hahaha sério? Nossa me sinto honrada de verdade, muito obrigada vick.

      Excluir
  5. liiindoo e ele disse que a ama pireiiii aqui,bjss flor posta logo sua fic e tudo s2

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. esse é para os dois capitulos, porque não tive tempo de comenta esses dias e apenas vi hoje. bjs posta logo ou vou pira kkk

      Excluir
    3. nao ouse me abandonar mais ok?! E obrigada pelos elogios e daqui a pouco vou postar

      Excluir
  6. Socrr esse capitulo, quando vem o próximo?

    ResponderExcluir
  7. POR QUE VOCÊ NÃO POSTAAAAAAAAAAAAA? VOU CUSPIR MEU PÂNCREAS COM TANTA ANSIEDADE

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. SOCORORBLREHFKEAJN DAQUI A POUCO POSTO O CAPÍTULO

      Excluir