terça-feira, 20 de agosto de 2013

Cap.06- 3ª temporada (1/2) hot

Happy bday sweetheart!!!! God bless your life, ilysm! Tks 4 all <3



— Você tem algo em mente? — Joseph murmura, prendendo-me com seu olhar ousado. Eu dou de ombros, de repente, sem fôlego e agitada. Não sei se foi à perseguição, a adrenalina, o meu humor mais cedo, não sei explicar, mas eu quero isso, e quero rude. Uma expressão perplexa passa rapidamente pelo rosto de Joseph.

— Uma foda bem safada? — Ele pergunta, suas palavras numa carícia suave.

Concordo com a cabeça, sentindo meu rosto pegar fogo. Por que me sinto envergonhada com isso? Já fiz todo o tipo de sacanagem com esse homem. Ele é meu marido, porra! Estou envergonhada porque dessa vez sou eu que quero e eu estou com vergonha de admitir? Meu subconsciente olha pra mim. Não pense demais.

— Carta branca? — Ele me pergunta sussurrando, olhando-me especulativamente como se estivesse tentando ler minha mente.

Carta Branca? Puta merda, no que isso implica?

— Sim, — eu murmuro nervosamente, enquanto a excitação cresce dentro de mim. Ele me dá um lento sorriso sexy.

— Venha, — ele diz e me puxa para as escadas. Sua intenção é clara. Quarto de jogos! Minha deusa interior desperta de seu sono pós-sexo no R8, olhos arregalados e ansiosa para ir.

No topo das escadas, ele solta minha mão e destranca a porta do quarto de jogos. A chave está no chaveiro que tem escrito Seattle que eu dei há não muito tempo atrás.

— Depois de você, Sra. Jonas, — ele diz e abre a porta.

O quarto de jogos tem um tranquilizador cheiro familiar, de couro, madeira e polimento recente. Eu coro, sabendo que a Sra. Jones deve ter vindo aqui fazer a limpeza enquanto estivemos fora na nossa lua de mel. Enquanto entramos, Joseph acende as luzes e as paredes vermelho-escuro são iluminadas com luz suave e difusa. Eu fico olhando para ele, a antecipação correndo forte e pesado nas minhas veias. O que ele vai fazer? Ele tranca a porta e se vira. Inclinando a cabeça para o lado, ele me olha pensativo e depois balança a cabeça, achando graça.

— O que você quer, Demetria? — Ele pergunta gentilmente.

— Você. — Minha resposta sai em um sopro. Ele sorri.

— Sou seu. Desde que surgiu no meu escritório pela primeira vez.

— Surpreenda-me, então, Sr. Jonas. Sua boca se torce com humor reprimido e promessa carnal.

— Como quiser, Sra. Jonas. — Ele cruza os braços e levanta um longo dedo indicador aos lábios, enquanto me avalia.
— Acho que vamos começar por livrar você de suas roupas. — Ele dá um passo a frente. Agarrando a frente da minha jaqueta jeans curta, ele abre e a puxa pelos meus ombros e ela cai no chão. Ele segura a barra da minha camiseta preta.

— Levante os braços.

Eu obedeço, e ele a retira pela minha cabeça. Inclinando-se, ele me dá um beijo suave nos lábios, os olhos brilhando com uma mistura atraente de luxúria e amor. A camiseta se junta ao meu casaco no chão.

— Aqui, — eu sussurro olhando nervosamente para ele enquanto removo o laço de cabelo em volta do meu pulso e dou para ele. Ele para, e seus olhos se arregalam brevemente, sem demonstrar nada. Finalmente, ele pega o pequeno prendedor.

— Vire-se, — ele ordena.

Aliviada, sorrio para mim mesmo e obedeço imediatamente. Parece que superamos esse pequeno obstáculo. Ele junta meu cabelo e o trança com rapidez e eficiência antes de amarrá-lo com o laço. Ele puxa a trança, trazendo minha cabeça para trás.

— Bem pensado, Sra. Jonas, — ele sussurra em meu ouvido, em seguida, morde a minha orelha.
— Agora vire-se e tire sua saia. Deixe-a cair no chão. — Ele me solta e dá um passo para trás, enquanto me viro para olhar para ele. Sem tirar os olhos dele, solto o cinto da minha saia e deslizo o zíper para baixo. A saia se abre e cai no chão, ao redor dos meus pés.

— Saia de sua saia, — ele ordena.

               Enquanto dou um passo em sua direção, ele se ajoelha rapidamente na minha frente e segura meu tornozelo direito. Habilmente, ele abre minhas sandálias uma de cada vez, enquanto me inclino para frente, apoiando-me com uma mão na parede abaixo dos ganchos de onde costumavam pender os chicotes de couro, varas de equitação e palmatórias. Os chicotes de couro e os de montaria foram as únicas peças que foram mantidas. Eu os olho com curiosidade. Será que ele vai usar-los? Depois de tirar minha sandália, e me deixar apenas de sutiã e calcinha, Joseph abaixa-se sobre os calcanhares, olhando para mim.

— Você é uma bela vista, Sra. Jonas. — De repente, ele se levanta, agarra meus quadris e me puxa para frente, enterrando o nariz no ápice de minhas coxas.

— E cheira a você, a mim e sexo, — diz ele inalando fortemente.
— É inebriante. — Beija-me através de minha calcinha de renda, enquanto respiro mais rápido com suas palavras, minhas entranhas se derretendo. Ele é tão... safado. Reunindo minhas roupas e sandálias, ele as arruma em um movimento rápido e gracioso, como um atleta.

— Ande e fique ao lado da mesa, — diz ele calmamente, apontando com o queixo. Virando-se, caminha para a antiga cômoda das maravilhas. Ele olha para trás e sorri para mim.

— Olhe para a parede, — ele ordena.
— Dessa forma, você não saberá o que estou planejando. Nosso objetivo é agradar, Sra. Jonas, e você queria uma surpresa.


               Viro-me para longe dele ouvindo atentamente, meus ouvidos de repente sensíveis ao menor som. Ele é bom nisso, aumentando minhas expectativas, alimentando meu desejo... fazendo-me esperar. Eu o ouço colocando minhas sandálias no chão e, penso eu, minha roupa na cômoda, seguido pelo barulho revelador de seus sapatos enquanto caem no chão, um de cada vez. Hmm... adoro os pés descalços de Joseph. Um momento depois, o escuto abrir uma gaveta. Brinquedos! Oh, eu amo, amo, amo essa expectativa. A gaveta se fecha e minha respiração fica entrecortada. Como pode o som de uma gaveta deixar-me tremendo desorientada? Não faz sentido. De repente o aparelho de som é ligado, o que indica que teremos música. Surge o som de um piano, silencioso e tranqüilo, e os acordes tristes enchem a sala. Não é uma música que eu conheça. O piano é acompanhado por uma guitarra elétrica. O que é isso? Uma voz de homem, e eu só posso entender as palavras, algo sobre não estar com medo de morrer. Joseph se aproxima lentamente de mim, o som de seus pés descalços caminhando sobre o chão de madeira. Eu o sinto atrás de mim enquanto uma mulher começa a cantar... chorar... cantar?

— Pesado, você disse, Sra. Jonas? — Ele fala suavemente no meu ouvido esquerdo.

— Hmm.

— Você tem que me dizer para parar, se estiver demais. Se você disser “Pare”, eu vou parar imediatamente. Você entendeu?

— Sim.

— Quero que você prometa. — Eu inalo rapidamente. Merda, o que ele vai fazer?

—  Prometo — murmuro sem fôlego, recordando suas palavras mais cedo: Não quero te machucar, mas eu fico mais do que feliz em brincar.

— Boa menina. — Inclinando-se, ele dá um beijo em meu ombro nu, e em seguida, coloca um dedo por baixo da alça do meu sutiã e traça uma linha pelas minhas costas por baixo da alça. Quero gemer. Como ele consegue fazer de um pequeno toque algo tão erótico?

— Tire isso, — ele sussurra em meu ouvido, e rapidamente obedeço e deixo cair meu sutiã no chão.

Suas mãos roçam em minhas costas, e ele coloca seus polegares na minha calcinha e a desliza pelas minhas pernas.

— Saia, — ele ordena. Mais uma vez faço o que ele diz, saindo da minha calcinha. Ele dá um beijo nas minhas costas, parando atrás de mim.

— Vou vendar seus olhos para que seja mais intenso. — Ele desliza uma máscara dessas de companhia aérea sobre meus olhos e meu mundo está mergulhado na escuridão. A mulher cantando, gemendo incoerentemente... uma melodia contínua e cheia de sentimentos.

— Relaxe e deite-se reta sobre a mesa. — Suas palavras estão suaves.
— Agora. — Sem hesitar, me curvo ao lado da mesa e descanso meu corpo sobre a madeira polida, meu rosto corando contra a superfície dura. Está um pouco fria contra minha pele e cheira vagamente a cera de abelha e algum odor cítrico.

— Estique os braços para cima e segure a borda.

Ok... Avançando, eu agarro a extremidade da mesa. É extensa, e então meus braços ficam totalmente esticados.

— Se você soltar, eu vou te bater. Você entendeu?

— Sim.

— Você quer que eu bata em você, Demetria?

Tudo abaixo da minha cintura se aperta deliciosamente. Percebo que queria isso desde que me ameaçou durante o almoço, e nem a perseguição de carro, nem o que fizemos depois saciou essa necessidade.

— Sim. — Minha voz é um sussurro rouco.

— Por quê?— Oh... eu tenho que ter um motivo? Putz. Eu dou de ombros.
— Diga-me, — ele fala persuasivo.

— Hmm...

E do nada ele me dá um tapa bem forte.

— Ah! — Eu grito.

— Quieta agora.

Ele gentilmente esfrega meu traseiro onde me bateu. Então ele se inclina sobre mim, seus quadris encostando nos meus, me beija entre os ombros e faz uma trilha de beijos por toda as minhas costas. Ele tirou sua camisa, então o pelo do seu peito roça em minhas costas, e sua ereção me pressiona através do tecido áspero da calça jeans.

— Abra as pernas, — ele ordena. Separo minhas pernas.
— Mais.— Eu gemo e abro minhas pernas ainda mais.
— Boa menina, — ele diz. Ele passa o dedo pelas minhas costas, ao longo da abertura entre minhas nádegas, e sobre o meu ânus, que se encolhe ao seu toque.

— Vamos nos divertir um pouco com isso, — ele sussurra.

Porra! Seu dedo continua a descer sobre o meu períneo e lentamente desliza dentro de mim.

— Estou vendo que está muito molhada, Demetria. Por mais cedo ou por agora?— Eu gemo e ele enfia o dedo dentro e fora de mim, mais e mais. Me empurro contra sua mão, saboreando a intrusão.

— Oh, Demi, acho que é os dois. Acho que você adora estar aqui, assim. Minha.

Gosto, oh, gosto muito. Ele retira o dedo e me beija com força mais uma vez.

— Diga-me, — ele sussurra, sua voz rouca e urgente.

— Sim, adoro, — eu choramingo.

Ele me dá um tapa com força de novo e eu grito, e então ele enfia dois dedos dentro de mim. Ele os retira imediatamente, esfregando minha umidade ao longo e ao redor do meu ânus.

— O que você vai fazer? — Pergunto, sem fôlego. Oh Meu... ele vai comer minha bunda?

— Não é o que você está pensando, — ele murmura tranquilizador.
— Eu te disse, um passo de cada vez, com isso, bebê. — Eu ouço o ruído tranqüilo de algum líquido, presumivelmente de um tubo, em seguida seus dedos estão massageando-me lá outra vez. Lubrificando-me... lá! Eu me contorço enquanto meu medo sobre o desconhecido bate de frente com a minha excitação. Ele me dá outro tapa, mais embaixo, e então bate em meu sexo. Eu gemo. É... tão bom.

— Fique parada, — ele diz.
— Não se mova.

— Ah.

— É um lubrificante. — Ele espalha um pouco mais em mim. Eu tento não me contorcer embaixo dele, mas meu coração está batendo, meu pulso acelerado, enquanto o desejo e a ansiedade pulsam através de mim.

— Queria fazer isso com você já há algum tempo, Demi.

Eu gemo. E eu sinto algo frio, metalicamente frio, correr pela minha espinha.

— Tenho um pequeno presente para você aqui, — Joseph sussurra.

Uma imagem dele me mostrando e explicando sobre os brinquedinhos me vem à mente. Puta merda. Um plug anal. Joseph o esfrega na separação entre as minhas nádegas. Oh meu.

— Vou colocar dentro de você, muito lentamente.

Respiro rapidamente, a expectativa e ansiedade aumentando dentro de mim.

— Vai doer?

— Não, bebê. É pequeno. Quando estiver dentro de você, eu vou te foder muito forte.

Eu praticamente convulsiono. Debruçando-se sobre mim, ele me beija mais uma vez em meus ombros.

— Pronta? — Ele sussurra.

Pronta? Será que estou?

— Sim, — resmungo baixinho, minha boca seca.

Ele corre outro dedo para baixo passando pela minha bunda e períneo, deslizando dentro de mim. Porra, é o seu polegar. Ele envolve meu sexo e seus dedos suavemente acariciam meu clitóris. Gemo baixinho... é uma sensação... muito boa. E suavemente, enquanto seus dedos e seu polegar executam sua magia, ele enfia o plug frio lentamente em mim.

— Ah! — Eu gemo bem alto pela sensação estranha, meus músculos protestando contra a intrusão. Ele circunda o dedo dentro de mim e empurra o plug ainda mais, que desliza facilmente, e fico sem saber se é porque estou muito excitada ou se é porque ele me distraiu com seus eficientes dedos, mas meu corpo parece aceitá-lo. É grande... e estranho... lá!

— Oh, bebê.

E posso senti-lo... onde o polegar gira dentro de mim... e o plug pressiona-se de encontro... oh, ah... Ele torce o plug lentamente, provocando-me um grande gemido.

— Joseph, — eu murmuro, seu nome um incompreensível mantra, enquanto me adapto à sensação.

— Boa menina, — ele murmura.

Ele corre sua mão livre para baixo, pelo meu lado até atingir meu quadril. Lentamente ele retira o polegar, e ouço o som revelador de seu zíper abrindo. Segurando o outro lado do meu quadril, ele me puxa e abre ainda mais minhas pernas, seu pé afastando o meu.

— Não saia da mesa, Demi, — adverte.

— Não, — murmuro.

— Algo pesado? Diga-me se eu estiver sendo muito pesado. Entendeu?

— Sim, — eu sussurro, e ele me enfia e me puxa para ele ao mesmo tempo, empurrando o plug para a frente, mais profundo...

— Porra! — Eu grito.

               Ele para, sua respiração mais dura e minha respiração se juntando à dele. Tento assimilar todas as sensações: o delicioso preenchimento, o provocante sentimento que estou fazendo algo proibido, o prazer erótico que se contorce dentro de mim. Ele puxa suavemente o plug. Oh Senhor... Reclamo baixinho, e o ouço respirar forte, uma respiração ofegante de puro, absoluto prazer. Aquece meu sangue. Alguma vez já me senti assim tão devassa...

— De novo? — Ele sussurra.

— Sim.

— Continue esticada, — ele ordena. Ele escorrega para fora de mim e me enfia novamente. Oh... Era isso que eu queria.

— Sim, — sussurro.

E ele pega ritmo, a respiração mais difícil, combinando a minha própria enquanto ele bate contra mim.

— Oh, Demi, — ele suspira.

Ele move uma das mãos dos meus quadris e introduz o plug novamente, puxando-o lentamente, tirando-o e colocando-o dentro. O sentimento é indescritível, e acho que vou desmaiar sobre a mesa. Ele continua enfiando enquanto ele me mete, de novo e de novo, movendo-se forte e duro dentro de mim, minhas entranhas se apertando e tremendo.

— Oh merda, — resmungo. Isso vai me rasgar no meio.

— Sim, baby, — ele sussura.

— Por favor, — imploro e eu não sei pelo quê, para parar, nunca parar, girar o plug novamente. Minhas entranhas estão se apertando em torno dele e do plug.

— Isso mesmo, — ele respira, e me dá um forte tapa na minha nádega direita, e eu gozo, de novo e de novo, caindo, caindo, girando, pulsando ao redor e ao redor, e Joseph suavemente retira o plug.

— Porra! — Eu grito e Joseph agarra meus quadris e goza em voz alta, segurando-me no lugar.

A mulher ainda está cantando. Joseph sempre coloca músicas na função repetir. Estranho. Eu estou enrolada em seus braços em seu colo, nossas pernas entrelaçadas, com a cabeça encostada em seu peito. Estamos no chão do quarto de jogos próximos à mesa.

— Bem-vinda de volta, — ele diz, retirando a venda de mim. Eu pisco enquanto meus olhos se ajustam à luz fraca. Inclinando meu queixo para trás, ele me beija suave nos lábios, os olhos focados e ansiosamente procurando os meus. Levanto minha mão para acariciar seu rosto. Ele sorri.

— Bem, cumpri o contrato? — Ele pergunta, divertido. Eu franzo a testa.

— Contrato?

— Você queria algo mais pesado, — ele diz suavemente.

Sorrio, porque simplesmente não consigo evitá-lo.

Sim. Acho que sim...

Ele levanta as sobrancelhas e sorri de volta para mim.

— Fico muito feliz em ouvir isso Sra. Jonas. Você parece muito bem fodida e bonita neste momento. — Ele acaricia meu rosto, seus longos dedos tocando minha bochecha.

— Parece que sim, — ronrono.

Ele se abaixa e me beija com ternura, seus lábios suaves e quentes, se entregando aos meus.

— Você nunca me decepciona. — Ele se inclina para trás para olhar para mim.
— Como você se sente? — Sua voz é suave, com preocupação.

— Bem, — sussurro, sentindo meu rosto ficando vermelho.
— Muito bem fodida. — Sorrio timidamente.

— Por que, Sra. Jonas, você tem uma boca tão suja? — Joseph finge uma expressão ofendida, mas posso ouvir seu divertimento.

— É porque estou casada com um menino, muito, muito sujo, Sr. Jonas.

Ele me dá um sorriso completamente bobo que é contagiante.

— Fico feliz que você tenha se casado com ele. — Ele gentilmente se apodera da minha trança, levanta-a aos lábios, e beija a ponta com reverência, os olhos brilhando com amor. Oh meu... Alguma vez consegui resistir a esse homem?

Procuro sua mão esquerda e beijo sua aliança, uma simples faixa da platina como a minha.

— Meu, — sussurro.

— Seu, — ele responde. Ele enrola seus braços ao meu redor e pressiona seu nariz em meu cabelo.
— Devo preparar um banho para você?

— Hmm. Só se você se juntar a mim.

— Ok, — ele diz. Ele me coloca de pé e ergue-se ao meu lado. Ainda está usando calça jeans.

— Você vai usar seu... er... outro jeans?

Ele franze a testa para mim.

— Outro jeans?

— O que você costumava usar aqui.

— Aquele jeans? — Ele murmura piscando com perplexa surpresa.

— Você fica muito gostoso com ele.

—Eu?

— Sim... Quero dizer, realmente gostoso.

Ele sorri, timidamente.

— Bom para você, Sra. Jonas, talvez eu use. — Ele se inclina para me beijar e então pega o pequeno pote na mesa que contém o plug anal, o tubo de lubrificante, a venda, e minha calcinha.

— Quem limpa esses brinquedos? — Eu pergunto enquanto o sigo até a cômoda. Ele franze a testa para mim, como se não tivesse entendido a pergunta.

— Eu. Sra. Jones.

— O quê?

Ele acena, divertido e envergonhado, acho. Ele desliga a música.

— Bem, Hmm...

— Suas subs costumavam fazer isso? — Eu concluo. Ele encolhe os ombros se desculpando.

— Tome. — Ele me entrega sua camisa e eu a visto, cobrindo-me.

Seu perfume ainda na roupa, e esqueço minha preocupação sobre como o plug é limpo. Ele guarda os objetos na cômoda. Pegando minha mão, abre a porta do quarto de jogos, e em seguida, leva-me para fora e escada abaixo. Eu o sigo docilmente. A ansiedade, o mau humor, o nervosismo, o medo e a excitação da perseguição de carro se foram. Estou relaxada, finalmente saciada e calma. Enquanto entro em nosso banheiro, eu bocejo alto e me espreguiço... Em paz comigo mesma para variar.

Que foi? — Joseph pergunta enquanto abre a torneira. Sacudo a cabeça.

— Diga-me, — ele pergunta suavemente. Ele derrama o óleo de banho de jasmim na água, enchendo o banheiro com seu aroma doce, sensual. Eu coro.

— Eu me sinto melhor.

Ele sorri.

— Sim, você estava com um humor estranho hoje, Sra. Jonas. — Em pé, ele me puxa em seus braços. — Sei que você está preocupada com os últimos acontecimentos. Sinto muito por ter te envolvido. Eu não sei se é uma vingança, um ex-empregado, ou um rival de negócios. Se alguma coisa acontecesse com você por minha causa, — Sua voz se torna um sussurro de dor. Eu envolvo meus braços em torno dele.

— E se alguma coisa acontecer com você, Joseph? — Coloco em palavras meu medo. Ele olha para mim.

— Nós vamos dar um jeito nisso. Agora vamos tirar você desta camisa e entrar no banho.

— Você não deveria falar com Sawyer?

— Ele pode esperar. — Sua boca endurece, e eu sinto uma pontada súbita de pena por Sawyer.

O que ele fez para aborrecer Joseph? Joseph me ajuda a tirar sua camisa, e em seguida, franze a testa enquanto me viro para ele. Meus seios ainda têm hematomas desbotados das mordidas de amor que ele me deu durante nossa lua de mel, mas eu decido não provocá-lo sobre elas.

— Será que o Ryan conseguiu pegar o Dodge?

— Vamos ver, após este banho. Entre. — Ele estende sua mão para mim. Entro na perfumada água quente, e sento-me timidamente.

— Ow. — Minha bunda está sensível, e a água quente faz-me estremecer.

— Devagar, bebê, — Joseph adverte, mas enquanto fala, uma sensação desconfortável se instala.

Joseph se despe e entra atrás de mim, me puxando para seu peito. Aconchego-me entre suas pernas, e nos deitamos relaxadamente, satisfeitos na água quente. Corro meus dedos pelas suas pernas, e segurando minha trança com uma mão, ele a gira suavemente entre os dedos.

— Temos que dar prosseguimento com os planos para a casa nova. Mais tarde esta noite?

— Claro. — Aquela mulher está vindo novamente. Meu subconsciente olha por cima do volume três das Obras Completas de Charles Dickens e dá um olhar de raiva. Concordo com meu subconsciente. Eu suspiro. Infelizmente, projetos de Gia Matteo são de tirar o fôlego.

— Tenho que arrumar minhas coisas para o trabalho, — eu sussurro. Ele fica imóvel.

— Você sabe que não tem que voltar a trabalhar, — murmura. Ah, não... De novo não.

— Joseph, já discutimos isso. Por favor, não volte a esse ponto.

Ele puxa minha trança e meu rosto inclina-se para trás.

— Estou só dizendo... — Ele dá um beijo suave em meus lábios.


Continua...
__________________________________________________________
Eae, quarto vermelho... gostaram? Muitas coisas vão acontecer a
partir de agora, preparem o coração....


Recebi um selinho da Clarinha, muito obrigada!!!
Eu não costumo a repassar, então repasso as minhas seguidoras com blog com menos de 200 seguidores :D

 7 coisas que gosta:
Comer, namorar, sair, dormir, ir as compras, dançar e Demi rs

26 comentários:

  1. Isso foi... quente, muito quente! Kkkkk' amei demais , mal posso esperar para a continuação! E Feliz aniversário para a minha menina, Demi <333

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. acho que vocês vão se surpreender ein, posto hoje :)

      Excluir
  2. Quenteee, muito quentee, eu adoro eu me amarooo kkkkk muito boooom posta logo, senao eu morro

    ResponderExcluir
  3. Calor né? Bom.. a sala do jogos é perfeita meu, slá vc já percebeu que eu não sou de fala muito, embora eu ammeee a história com todoooo o meu cérebro e coração, não so boa com palavras e mesmo que fosse não teria como descrever tamanha perfeição! ♥ Ahhh feliz aniversário da Demi!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aw muito obrigada, o importante é que gosta da fic s2

      Excluir
  4. Seu blog é fantástico .
    Cheio de emoção simplesmente lindo .
    Divulga o meu
    http://jemimirrors.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Heeeeeeey ... amei o cap HOT , MT HOT RSRSRS' ! <3

    Tem selinho pra vc ... http://jemilovely.blogspot.com.br/2013/08/selinhos.html

    bjss

    ResponderExcluir
  6. Foi muito bom. Hmmm capítulo HOT que é bom kkkkk, quero mais Hot's assim uahsuahs.
    Ta maravilhosa a fanfic, você disse fortes emoções? estou com medo. hahaha.
    POSTA LOGO

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. sim, fortes emoções... será que eles continuarão juntos numa boa ou....


      posto hoje

      Excluir
  7. CARAMBA QUE PFTO ESSE CAPITULO PQP
    to muito sem tempo p comentar então só vim aqui dizer que ta pfto e quero mais! rrçrç
    amo aqui lua,
    beijos e posta logo ?
    xx

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada por gostar, sério é uma honra!

      Posto hoje, desculpa a demora

      Excluir
  8. CARAMBA!! Demi safadinha hahahahaha....posta logo!!!
    xx

    ResponderExcluir
  9. Posta logo, sua fic é tão perfeita, não da pra aguentar muito tempo sem ler, faz parte das necessidades ler sua fic serio haha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Posto hoje...

      Sério? Então meio que fiz você sofrer com a Demora né? Desculpa :(

      Excluir
  10. capitulo perfeito ********

    ResponderExcluir
  11. ela ta gravida ksnibspmhva ai desculpa.falar sonhba
    posta logooooo

    ResponderExcluir