quinta-feira, 3 de outubro de 2013

capítulo bônus

É você agora? — Eu sussurro. Minha boca está mais seca ainda, meu coração batendo em meu peito. Por que ele está vestido assim? O que significa isso? Ele ainda está de mau humor?

— Sou eu. — Sua voz é como um gatinho suave, mas ele está sorrindo enquanto passeia perto de mim.

Puta merda ele parece quente, a calça jeans pendurada no caminho de seus quadris. Oh não, eu não vou ser distraída pelo Mr. Sexo. Tento avaliar seu estado de espírito enquanto ele caminha em minha volta. Raiva? Brincalhão? Lascivo? Ah! É impossível dizer.

— Eu gosto do seu jeans, — murmuro.

Ele sorri um sorriso que não alcançou seus olhos. Merda, ele ainda está irritado. Ele está usando isto para me distrair. Ele para diante de mim, e eu estou queimado com sua intensidade. Ele olha para baixo, seus olhos bem ilegíveis queimam nos meus. Eu engulo.

— Eu entendo que você tem problemas, Sra. Jonas, — ele diz suavemente, e ele puxa algo do bolso de trás da calça jeans.

Eu não posso tirar meu olhar do seu, mas posso ouvi-lo desdobrar um pedaço de papel. Ele mantém-se, e olhando rapidamente em sua direção, eu reconheço meu e-mail. Meu olhar retorna ao seu, enquanto seus olhos brilham com brilhante raiva.

— Sim, eu tenho problemas, — eu sussurro, sentindo-me sem fôlego.

Eu preciso de distância se vamos discutir isso. Mas antes que eu possa voltar, ele se inclina para baixo e corre o nariz junto a mim. Meus olhos ficam trêmulos, enquanto congratulo-me com o seu toque inesperado, suave.

— Eu também, — ele sussurra contra a minha pele, e eu abro meus olhos com suas palavras. Ele se endireita e olha fixamente para mim, mais uma vez.

— Eu acho que eu estou familiarizado com seus problemas, Joseph. — Minha voz é irônica, e ele aperta os olhos, diversão suprimida e há faíscas momentaneamente.

Será que vamos brigar? Eu dou um passo atrás de precaução. Devo fisicamente me distanciar dele, do seu cheiro, seu olhar, seu corpo perturbador naquelas calças quentes. Ele franze a testa enquanto eu me movo.

— Por que você voltou de Nova York? — Eu sussurro. Vamos acabar logo com isso.

— Você sabe por quê. — Seu tom carrega um anel de aviso.

— Porque eu saí com Miley?

— Porque você voltou atrás em sua palavra, e você me desafiou, colocando-se em um risco desnecessário.

— Voltei com a minha palavra? É assim que você vê? — Eu suspiro, ignorando o resto de sua sentença.

— Sim.

Puta merda. Falar sobre reação exagerada! Eu começo a revirar os olhos mas paro quando ele faz cara feia para mim.

— Joseph, eu mudei de ideia, — eu explico devagar, pacientemente como se ele fosse uma criança.
— Eu sou uma mulher. Somos famosas por isso. Isso é o que nós fazemos.

Ele pisca para mim como se não compreendesse isto.

— Se eu tivesse pensado por um minuto que você cancelaria sua viagem de negócios... — Faltam-me palavras.

Eu percebo que não sei o que dizer. Estou momentaneamente catapultada de volta para a discussão sobre nossos votos. Eu nunca prometi obediência, Joseph. Mas eu seguro minha língua, porque no fundo eu estou feliz que ele voltou. Apesar de sua fúria, eu estou feliz que ele esteja aqui com raiva latente e na minha frente.

— Você mudou de idéia? — Ele não pode esconder sua descrença desdenhosa.

— Sim.

— E você não pensou em me contar? — Ele me olha, incrédulo, antes de continuar.
— O que é mais, você deixou a equipe de segurança aqui e colocou Ryan em risco.

Oh. Eu não tinha pensado sobre isso.

— Eu deveria ter ligado, mas eu não queria preocupá-lo. Se eu tivesse, eu tenho certeza que você teria me proibido de ir e eu sinto saudade de Miley. Eu queria vê-la. Além disso, me manteve fora do caminho quando Jack esteve aqui. Ryan não deveria ter deixado ele entrar. — Isso é tão confuso. Se Ryan não tivesse, Jack ainda estaria lá fora.

Os olhos de Joseph brilham descontroladamente, então se fecha, apertando seu rosto como se sentisse dor. Oh, não. Ele balança a cabeça, e antes que eu perceba, ele me toma em seus braços, puxando-me com força contra ele.

— Oh Demi, — ele sussurra enquanto ele aperta seus braços sobre mim e eu mal possa respirar.
— Se algo tivesse acontecido com você — sua voz é apenas um sussurro.

— Não, — eu consigo dizer.

— Mas poderia ter. Eu já morri mil mortes hoje pensando sobre o que poderia ter acontecido. Eu estava tão bravo, Demi. Bravo com você. Bravo comigo. Bravo com todos. Não me lembro de estar com medo... exceto — ele para novamente.

— Exceto? — Eu pergunto.

— Uma vez em seu antigo apartamento. Quando Leila estava lá.

Oh. Eu não quero pensar sobre isso.

— Você estava tão frio esta manhã, — murmuro.

Minha voz se quebra na última palavra enquanto eu me lembro da sensação horrorosa de rejeição no chuveiro. Suas mãos se movem para minha nuca, soltando seu aperto em mim, e eu respiro profundamente. Ele puxa minha cabeça para trás.

— Eu não sei como lidar com essa raiva. Eu não acho que quero te machucar, — ele diz, os olhos arregalados e cautelosos.
— Esta manhã, eu queria punir você, mal e — ele para, sem palavras eu acho, ou com muito medo de dizê-las.

— Você estava preocupado em me machucar? — Eu termino a frase para ele, não acreditando que ele me machucaria por um minuto, mas aliviada, também. Uma pequena parte de mim temia que fosse porque ele não me queria mais.

— Eu não confio em mim, — ele diz calmamente.

— Joseph, eu sei que você nunca me machucaria. Não fisicamente, de qualquer maneira. — Eu fecho a cabeça entre as mãos.

— Você acha? — Ele pergunta, e não há ceticismo em sua voz.

— Sim. Eu sabia que o que você disse era uma ameaça, vazia e ociosa. Eu sei que você não vai bater em mim.

— Eu queria.

— Não, você não queria. Você apenas acha que queria.

— Eu não sei se isso é verdade, — ele murmura.

— Pense nisso, — eu insisto, envolvendo meus braços em torno dele mais uma vez e me encostando no seu peito pela camiseta preta.

— Sobre como você se sentiu quando eu saí. Você tem me dito muitas vezes o que isso fez com você. Como aquilo alterou sua visão do mundo, de mim. Eu sei o que você deu para mim. Pense em como você se sentia em relação às marcas de algema na nossa lua de mel.


              Ele acalma, e eu sei que ele está processando essa informação. Eu aperto meus braços em torno dele, as minhas mãos em suas costas, sentindo seus tensos músculos tonificados sob sua camiseta. Aos poucos, ele relaxa enquanto a tensão lentamente se esvai. É isso que está preocupando ele? Que ele vai me machucar? Por que eu tenho mais fé nele do que ele tem em si mesmo? Eu não entendo, certamente nós temos que deixar isso pra lá. Ele é normalmente tão forte, tão no controle, mas sem isso, ele está perdido. Oh, Cinquenta, Cinquenta, Cinquenta, sinto muito. Ele beija meu cabelo, viro meu rosto para o seu, e seus lábios encontram os meus, buscando, agradável, dando, implorando pra que, eu não sei. Eu só quero sentir sua boca na minha, e retribuo seu beijo apaixonadamente.

— Você tem tanta fé em mim, — ele sussurra depois que para.

— Eu tenho. — Ele acaricia meu rosto com as costas de seus dedos e a ponta de seu polegar, olhando fixamente nos meus olhos. Sua raiva se foi. Meu Cinqüenta está de volta a partir de onde ele esteve. É bom vê-lo. Olho-me timidamente e sorrio.

— Além disso, — eu sussurro,
— você não tem a papelada.

Sua boca aberta cai em choque divertido, e ele agarra-me ao seu peito novamente.

— Você está certa. Eu não tenho. — Ele ri.

Estamos no meio da grande sala, trancados em nosso abraço, apenas segurando um ao outro.

— Venha pra cama, — ele sussurra, depois de só Deus sabe quanto tempo.

Oh meu...

— Joseph, nós precisamos conversar.

— Mais tarde, — ele insiste em voz baixa.

— Joseph, por favor. Fale comigo.

Ele suspira.

— Sobre o quê?

— Você sabe. Você me mantém no escuro.

— Eu quero proteger você.

— Eu não sou uma criança.

— Estou plenamente consciente disso, Sra. Jonas. — Ele passa as mãos pelo meu corpo e aperta meu traseiro. Flexionando seus quadris, ele pressiona sua ereção crescente em mim.

— Joseph, — eu ralho.
— Fale comigo.

Ele suspira mais uma vez com exasperação.

— O que você quer saber? — Sua voz esta resignada enquanto me libera. Eu penso, eu não quis dizer que você tem que me soltar.

Tomando minha mão, ele se abaixa para pegar o meu e-mail que estava no chão.

— Muitas coisas, — murmuro, enquanto deixo ele me levar para o sofá.

— Sente, — ele ordena. Algumas coisas nunca mudam, eu devaneio, fazendo o que ele mandou. Joseph senta ao meu lado, e inclinando-se para frente, coloca sua cabeça em suas mãos. Oh não. Isto é muito difícil para ele? Então ele se senta, passando ambas as mãos através de seu cabelo, e se vira para mim, com expectativa para se reconciliar com seu destino.

— Me pergunte-me, — ele diz simplesmente.

Oh. Bem, isso foi mais fácil do que eu pensei.

— Por que a segurança adicional para sua família?

— Hyde era uma ameaça para eles.

— Como você sabe?

— A partir do seu computador. Estavam armazenados detalhes pessoais sobre mim e o resto da minha família. Especialmente Paul.

— Paul? Por que ele?

— Eu não sei ainda. Vamos para a cama.

— Joseph, diga-me!

— Dizer o quê?

— Você é tão... exasperante.

— Igual a você. — Ele me olha.

— Você não mandou segurança quando descobriu que havia informações sobre sua família no computador. Então o que aconteceu? Por que agora?

Joseph estreita os olhos para mim.

— Eu não sabia que ele estava indo para tentar queimar meu prédio, ou... — Ele para.
— Nós pensamos que era uma obsessão indesejável, mas você sabe, — ele dá de ombros
— Quando você está nos olhos do público, as pessoas estão interessadas. Foi coisas aleatórias: notícias sobre mim de quando eu estava em Harvard, minha rotina, a minha carreira. Relatórios sobre Paul, seguindo sua carreira, seguindo a carreira da minha mãe, em certa medida, Elliot e Mia.

Que estranho.

— Você disse ou, — eu induzo.

— Ou o quê?

— Você disse, tentar queimar meu prédio, ou... Como se estivesse indo dizer outra coisa.

— Você está com fome?

O quê? Eu faço uma careta para ele, e meu estômago ronca.

— Você comeu hoje? — Sua voz esta severa e seu olhar gelado. Eu sou traída pela minha vermelhidão.

— Como eu pensei. — Sua voz esta cortante.
— Você sabe como me sinto sobre você não comer. Venha, — ele diz. Ele se levanta e estende a mão.
— Me deixe te alimentar. — E ele muda de novo... Desta vez sua voz cheia de promessa sensual.

— Alimentar-me? — Eu sussurro enquanto todo sul de meu umbigo derrete.

Inferno. Isto é como uma diversão tipicamente mercurial do que temos vindo a discutir. É isso? É que tudo que eu vou conseguir dele agora? Levando-me até a cozinha, Joseph pega um banquinho do bar e anda ao redor para o outro lado da ilha.

— Sente, — ele diz.

— Onde está a Sra. Jones? — Eu pergunto, notando a sua ausência pela primeira vez enquanto eu sento no banco.

— Eu dei a ela e Taylor a noite de folga.

Oh.

— Por quê?

Ele olha para mim por um instante, e sua diversão arrogante está de volta.
_____________________________________________________________


Comentários respondidos, olhem lá... 

Hot chegando, Elena ainda não deu as caras né? Mas logo, logo ela vem causar rs... Comentem babes bjs xx

17 comentários:

  1. Uhul, hot chegando. As leitoras pira. Eita, essa era a briga?! Ai eu sou lerda, ignora. Muito bom, posta mais (: Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vão ter muitas brigas ainda kkkk
      Posto hoje bjs

      Excluir
  2. Hot chegando hummmmmm u.u Isso foi... intenso. Muito intenso. Ai nem me fala da vacelena -.- To com medo , não vou mentir. Eles são tão perfeitos juntos e ás vezes parece tão fragil de quebrar esse elo deles que... sei lá, me assusta. Só acho que a Demi tem que dá uns tapas na cara da Elena ou usar a arma que ela tanto se orgulha de saber usar contra ela kkkk Ok, isso foi muito mal, mas aquela bitch me irrita mesmo. Mal posso esperar para o próximo.; Bjs xoxo .~

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Peste ambulante, vacaelena... imaginação fértil a sua ein? kkkk

      Eles ainda vão passar por poucas e boas ein

      Excluir
    2. Obrigada, bem fértil kkkkkk

      Excluir
  3. hmm espero pelo hot digamos que surpreendente, relaçoes apos brigas ou discursão como essas sempre acabam intensas demais, estou certa?
    acho que sinto falta do quarto vermelho da dor kkkk
    bjos

    ResponderExcluir
  4. aiiiie hot adorooooooo... a lindo o capitulo ra posta logo

    ResponderExcluir
  5. SALA DE JOGOS? AAAAAAAAAAAAAAAAI CARALIO \O/

    ResponderExcluir
  6. hot
    capitulo incrivel

    ResponderExcluir
  7. hum..hot adoro,capitulo perfeito posta logo linda. :)

    ResponderExcluir
  8. Quais sao os dias q vc posta??

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. quando tenho capítulo pronto, mas nao postei por falta de comentários

      Excluir